Menu
Busca domingo, 25 de fevereiro de 2018
(67) 9860-3221
Corpal - Dezembro 2017

Federais de MS realizam paralisação de advertência amanhã

09 dezembro 2003 - 11h31

O presidente do Sinpef/MS (Sindicato dos Policiais Federais de Mato Grosso do Sul), Sidnei Tadeu Cuissi, disse que os policiais vão fazer amanhã e no dia 11 uma paralisação. A medida é para acompanhar o calendário da Federação Nacional dos Policiais Federais que vai paralisar em todo o país. De acordo com Cuissi, os policiais também vão fazer greve a partir de janeiro de 2004 se o governo não cumprir a Lei 9.266/1996, que exige o nível superior para os policiais federais. Ele disse que atualmente os policiais desempenham funções de nível superior, mas têm remuneração de nível médio, o que causa insatisfação na categoria. “Pedimos que essa situação seja resolvida. Queremos esgotar todos os recursos”, afirmou Cuissi, afirmando os cargos prejudicados são os de agentes, escrivão e papiloscopista. Amanhã os policiais vão fazer um piquete em frente a sede da Superintendência, no bairro Vila Sobrinho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAUUUU!!
Débora Oliver faz cliques quentes para o Diamond Brazil
ASSEMBLEIA
Seminário sobre regularização fundiária urbana é o destaque da semana
LOTERIA
Apostas para a Dupla de Páscoa já podem ser feitas
PM E BOMBEIROS
ACS elege novo presidente em MS
ESTADO
Começa em abril inventário de plantas e solo do Cerrado de Mato Grosso do Sul
Veículos roubados que seriam levados para o Paraguai são recuperados
BRASIL
Conta-salário poderá ser transferida para instituições não financeiras
RECOMENDAÇÃO
Prefeito vai revogar doação de área a Arquidiocese de Campo Grande
MS/PR
Assaltantes se escondem em pântano e acabam presos
ESTADUAL
Federação adia fim da primeira fase após ajuste de tabela

Mais Lidas

NOVO HORIZONTE
Foragido da Justiça é preso após trocar tiros com policiais em Dourados
WILLIAM DENTE PODRE
Ladrão baleado após atirar contra a polícia morre em hospital
DOURADOS
Idoso morre ao ser atropelado na Monte Alegre
FÁTIMA DO SUL
População faz protesto e pedem Justiça no caso Débora