Menu
Busca quinta, 27 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Falta de segurança cancela duas etapas do Paris-Dakar

09 janeiro 2004 - 18h20

Por razões de segurança, a organização do Rally Paris-Dakar decidiu nesta sexta-feira à tarde cancelar duas etapas cronometradas que seriam realizadas no sábado e no domingo nos trechos Nema (Mauritânia), Mopti (Mali) e Bobo Dioulasso (Burkina Fasso). Também foi cancelado um vôo fretado que traria da Europa “vips”, executivos e convidados de empresas patrocinadoras, para conhecerem o acampamento do rali.Segundo Gilbert Ysern, diretor geral do rali, a organização recebeu informações (imprecisas) do governo da França e do Mali sobre possíveis ataques contra a caravana do Dakar, mas ele não soube dizer se a suposta ofensiva partiria de grupos políticos radicais ou de bandidos comuns.Competidores de carros e caminhões, mais os veículos de assistência, seguirão em deslocamento de Nema direto para Bamako, no Mali, e não mais para Mopti, como previa o roteiro inicial. As motos serão embarcadas nos aviões da organização neste sábado até Bamako e depois seguirão rodando normalmente até Bobo.Com a decisão, o rali terá três dias sem competições, incluindo as duas etapas canceladas e mais o dia de descanso em Bobo Dioulasso, o que já era esperado. A próxima etapa cronometrada será realizada apenas na terça-feira, entre Bobo-Dioulasso e Ayoûn El Atroûs, de volta à Mauritânia.Esta não é a primeira vez que o Rally Paris-Dakar sofre ameaças de ataques, sejam de terroristas ou de bandidos. O fato mais recente foi em 2000, no rali Dakar-Cairo. A ameaça estava no Níger, com prováveis ataques de terroristas. A organização, então, decidiu que toda a caravana da competição “pulasse” o país, indo direto para a Líbia. Para levar carros, motos e caminhões foram fretados vários aviões cargueiros Antonov, uma operação de alguns milhões de dólares.Em 1999, na Mauritânia, país onde a caravana do rali se encontra atualmente, bandidos montaram barreiras no caminho e atacaram vários concorrentes. Alguns foram roubados com os pilotos tendo metralhadoras apontadas para a cabeça. No dia seguinte, helicópteros da organização localizaram carros e caminhões parados em pleno deserto. Entre as vítimas estava o checo Tomas Tomecek, que na época corria com um time daquele país e hoje faz parte da equipe brasileira Petrobras Lubrax, no caminhão de André Azevedo.Para muitos competidores, a decisão da organização anunciada nesta sexta-feira é vantajosa. A prova ainda está na metade dos 11.000 quilômetros e 50% dos 411 veículos de competição que largaram dia 1º de janeiro na França já ficaram pelo caminho. Os três dias de pausas forçadas serão uma injeção de ânimo. O Dakar 2004 vem se revelando como um dos mais difíceis da história.O Brasil está sendo representado nas três categorias. Jean Azevedo corre de moto KTM 700 cilindradas. Klever Kolberg e Lourival Roldan estão de Mitsubishi Pajero Full e André Azevedo e os checos Tomas Tomecek e Mira Martinec nos caminhões. A caravana do rali passa a noite de sexta para sábado no aeroporto de Nema, na Mauritânia, e segue para Bamako (Mali) amanhã. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

INFORME PUBLICITÁRIO
Além de pneus, Impacto Prime Dourados garante serviços de qualidade ao seu carro
ESTADO
Sefaz-MS disponibiliza página de autoatendimento do IPVA na internet
MS
Mulher pede R$ 120 mil de indenização após ofensas de inquilina no WhatsApp
LUTO
Técnico Valdir Espinosa morre no Rio de Janeiro
EDUCAÇÃO
Termine seus estudos com o EMFA
NEGÓCIOS & CIA
Por que você não consegue ter resultado nas suas vendas?
Educação
Curso de Especialização - Lato Sensu em Docência na Educação Superior da Universidade Mackenzie no polo da Erasmo Braga
CORONAVÍRUS
China espera ter epidemia sob controle no fim de abril
EXAME
Resultado da primeira suspeita de coronavírus em MS deve sair ainda pela manhã
ECONOMIA
Refis: empresas ainda tem superdescontos para regularizar débitos do ICMS

Mais Lidas

MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar
INVESTIGAÇÃO
Ex-prefeito de Amambai foi morto após discussão por desacordo trabalhista
PONTA PORÃ
Estado monitora caso suspeito de Coronavírus na fronteira