Menu
Busca quarta, 19 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Exposições de Irani e Isaac prosseguem até final de janeiro

03 janeiro 2004 - 13h19

Além da mostra Tesouros da Caixa, outras duas exposições estão acontecendo no Museu de Arte Contemporânea (Marco), em Campo Grande. A ceramista e pintora Irani Brun Bucher apresenta a série Beatas, com peças de cerâmica de alta temperatura. “Tão velhas quanto o tempo, são imagens das beatas com seus terços, xales e birotes (tipos de penteado feminino), que povoam nosso imaginário. Ainda que não possuam um vínculo biográfico, as vizinhas, como foram inicialmente chamadas pela artista, guardam nos traços fisionômicos a memória do cotidiano e são, a um só tempo, antipáticas, tristes e malvadas, o que gera um contraste instigante se considerarmos sua religiosidade”, diz a crítica de arte, Maria Adélia Menegazzo.Irani é natural de Campo Grande e iniciou sua formação artística em 1979, recebendo orientações de Ignez Corrêa da Costa. Posteriormente, estudou com Lonedana Bondoni e Adriano Colângelo, em São Paulo, e com Frank Schaeffer, no Rio de Janeiro, em 1985. De volta a Campo Grande, foi aluna de Delina Medeiros, Neide Ono e Wandecok Cavalcanti de Almeida. Suas obras já passaram por diversas mostras coletivas e individuais em Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. Numa outra tendência, Isaac de Oliveira apresenta as pinturas de sua fase mais recente, dedicando explicitamente ao abstracionismo. Isaac é natural de Itajuípe (BA) e reside em Campo Grande desde 1978, trabalhando como artista plástico e publicitário. Ele já participou de diversas coletivas, destacando-se o Salão de Artes Plásticas de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande; Momento Político II e III, no Centro Cultural José Octávio Guizzo, em Campo Grande; Novos Artistas do Centro-Oeste, em São Paulo; Galeria de Arte do Copacabana Palace, Rio de Janeiro e Arte Sul-mato-grossense, no Palácio Del Mate, em Posadas, Argentina.De acordo com Maria Adélia Menegazzo, as telas de Isaac jogam com quem as observa. “Olhando-os separadamente, os quadros dão a impressão de serem auto-suficientes, individualmente satisfeitos com os elementos que os compõem, mas a partir daí pode-se iniciar um jogo: o do ponto, da linha, da cor, em que as bordas perdem seus limites e os dípticos anulam as dualidades.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA ALVORADA
Homem que apanhou de prefeito é solto após amigos pagarem fiança
POLÍTICA
Câmara decreta ponto facultativo no Carnaval e adianta sessão ordinária
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 170 milhões nesta quarta-feira
OPORTUNIDADE
Correios realiza leilão de bens e veículos nesta quarta-feira
CAPITAL
Homem é baleado por desafeto ao buscar filho na casa de cuidadora
EDUCAÇÃO
Rede Estadual de Ensino inicia ano letivo de 2020 nesta quarta-feira
DOURADOS
Alunos do Sesi Dourados vão representar MS na “Fórmula 1 in Schools”
TRAGÉDIA
Colisão entre carro e carreta mata três pessoas na MS-276
TEMPO
Quarta-feira de sol com aumento de nebulosidade em Dourados
ECONOMIA
Câmara dos Deputados aprova MP do Agro; texto segue para Senado

Mais Lidas

APÓS 9 ANOS
Hipermercado fecha as portas em Dourados no final do mês
DOURADOS
Policial aposentado mata homem e diz ter sido ameaçado com faca
VIOLÊNCIA
Homem é assassinado em frente a padaria em Dourados
FRONTEIRA
Festa termina com aniversariante e convidado assassinados por pistoleiros