Menu
Busca sexta, 21 de setembro de 2018
(67) 9860-3221

Executiva do PDT decide romper com o governo Lula

13 dezembro 2003 - 10h34

A Executiva Nacional do PDT decidiu ontem romper com o governo Lula, decisão tomada em reunião no Rio. Os filiados que ocupam cargos no governo federal devem pedir exoneração, segundo a decisão do partido.O pedetista com cargo mais alto no governo é o ministro das Comunicações, Miro Teixeira. Segundo o presidente do partido, Leonel Brizola, os que ficarem no governo sofrerão as punições previstas no estatuto do PDT, que vão de suspensão à expulsão."Há uma exigência do partido para que esses companheiros que estão no governo se afastem logo do governo Lula-PT", disse Brizola. "Eu não acredito que esses companheiros permaneçam."A reunião de quase quatro horas teve a participação de 213 membros da Executiva Nacional. Três votaram contra o rompimento, definido pelos dirigentes como "independência" do PDT em relação ao governo. Ao ser questionado sobre a diferença entre independência e ruptura, Brizola disse: "Precisamos ser duros sem perder a ternura".Segundo Brizola, o partido não dará "apoio incondicional" nem fará "oposição sistemática".Sobre se o PDT ficaria isolado com a ruptura, conforme afirmou o diretor regional de Goiás, Euler Ivo, Brizola respondeu: "Antes só do que mal acompanhado".Ontem também ficou decidido que o partido terá candidatos a prefeito em todas as capitais do país, nas eleições de 2004. Além de Miro Teixeira, o PDT ocupa as presidências dos Correios (Aírton Dipp) e da Itaipu Binacional (Nelton Friedrich) e uma direção na Petroquisa (Vivaldo Barbosa).Um dos momentos mais tensos da reunião foi quando Barbosa defendeu que os pedetistas não precisassem pedir exoneração. Ele defendeu a permanência de Miro Teixeira, porque "não há o que reclamar dele".Brizola rebateu: "Dói nos meus ouvidos ouvir uma coisa dessas", reclamando da ausência do ministro na reunião. Barbosa provocou a discussão minutos antes da votação. Ele, que defendeu sua permanência na Petroquisa, foi obrigado a se calar a pedido de Brizola e de Carlos Lupi, vice-presidente do partido.Miro Teixeira não respondeu se ficará ou não no ministério após a decisão do PDT. Apesar de ter sido questionado objetivamente, por meio de sua assessoria de imprensa, o ministro optou por divulgar uma nota enigmática:"Reafirmo meu apoio ao presidente Lula. Faço-o como cidadão e parlamentar. O exercício do ministério é eventual e pode ser interrompido a qualquer momento e por qualquer razão. Permanente é a convicção de que o Brasil precisa mudar e a certeza de que Lula significa mudança".Após a divulgação da nota, a assessoria do ministro foi novamente questionada sobre seu significado e, em resposta, afirmou que a nota era de interpretação livre dos jornalistas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DIOCLÉCIO ARTUZI
Polícia divulga imagens de criança de 1 ano desaparecida em Dourados
APREENSÃO DE DROGAS
Farejadores flagram mais de 200kg de cocaína dentro de caminhão munck
COTAÇÃO
Dólar fecha em queda pelo 3º dia, cotado a R$ 4,04
CAGED
Dourados volta a contratar mais, mas número de vagas criadas é menor
MATO GROSSO DO SUL
Lei altera Estatuto dos Servidores e cria cargos e funções no Poder Judiciário
SETEMBRO VERDE
Doação de órgãos é tema de evento do HU-UFGD na próxima semana
ELEIÇÕES 2018
Bolsonaro ingere alimentos pastosos
DOURADOS
No Dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, blitz educativa é realizada no Centro
FUTEBOL
Goiás recebe a Ponte Preta em busca da liderança da Série B
OPORTUNIDADE
IFMS abre inscrições em concurso público para técnicos-administrativos

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia fecha entreposto de drogas e prende três no Jardim Colibri
DOURADOS
Criança de 1 ano desaparece de dentro de casa no Dioclécio Artuzi
DOURADOS
Esquema começou há 1 ano e maconha era armazenada em pneus
DOURADOS
PF apreende mais de 150 quilos de cocaína na Guaicurus