Menu
Busca terça, 18 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Executiva do PDT decide romper com o governo Lula

13 dezembro 2003 - 10h34

A Executiva Nacional do PDT decidiu ontem romper com o governo Lula, decisão tomada em reunião no Rio. Os filiados que ocupam cargos no governo federal devem pedir exoneração, segundo a decisão do partido.O pedetista com cargo mais alto no governo é o ministro das Comunicações, Miro Teixeira. Segundo o presidente do partido, Leonel Brizola, os que ficarem no governo sofrerão as punições previstas no estatuto do PDT, que vão de suspensão à expulsão."Há uma exigência do partido para que esses companheiros que estão no governo se afastem logo do governo Lula-PT", disse Brizola. "Eu não acredito que esses companheiros permaneçam."A reunião de quase quatro horas teve a participação de 213 membros da Executiva Nacional. Três votaram contra o rompimento, definido pelos dirigentes como "independência" do PDT em relação ao governo. Ao ser questionado sobre a diferença entre independência e ruptura, Brizola disse: "Precisamos ser duros sem perder a ternura".Segundo Brizola, o partido não dará "apoio incondicional" nem fará "oposição sistemática".Sobre se o PDT ficaria isolado com a ruptura, conforme afirmou o diretor regional de Goiás, Euler Ivo, Brizola respondeu: "Antes só do que mal acompanhado".Ontem também ficou decidido que o partido terá candidatos a prefeito em todas as capitais do país, nas eleições de 2004. Além de Miro Teixeira, o PDT ocupa as presidências dos Correios (Aírton Dipp) e da Itaipu Binacional (Nelton Friedrich) e uma direção na Petroquisa (Vivaldo Barbosa).Um dos momentos mais tensos da reunião foi quando Barbosa defendeu que os pedetistas não precisassem pedir exoneração. Ele defendeu a permanência de Miro Teixeira, porque "não há o que reclamar dele".Brizola rebateu: "Dói nos meus ouvidos ouvir uma coisa dessas", reclamando da ausência do ministro na reunião. Barbosa provocou a discussão minutos antes da votação. Ele, que defendeu sua permanência na Petroquisa, foi obrigado a se calar a pedido de Brizola e de Carlos Lupi, vice-presidente do partido.Miro Teixeira não respondeu se ficará ou não no ministério após a decisão do PDT. Apesar de ter sido questionado objetivamente, por meio de sua assessoria de imprensa, o ministro optou por divulgar uma nota enigmática:"Reafirmo meu apoio ao presidente Lula. Faço-o como cidadão e parlamentar. O exercício do ministério é eventual e pode ser interrompido a qualquer momento e por qualquer razão. Permanente é a convicção de que o Brasil precisa mudar e a certeza de que Lula significa mudança".Após a divulgação da nota, a assessoria do ministro foi novamente questionada sobre seu significado e, em resposta, afirmou que a nota era de interpretação livre dos jornalistas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Pai que matou filho afogado também responderá por tentativa de homicídio
NOVO PADRÃO
Termina prazo extra para placa do Mercosul entrar em vigor no Brasil
PARAGUAI
Justiça solta 4 agentes penitenciários presos após fuga de 76 detentos
BRASIL
PF encontra mensagens com ameaças a ministros do Supremo
CAPITAL
Polícia identifica marca em touro descontrolado e tenta rastrear dono
UFGD
Seminário de Literatura e Arte Contemporânea acontece em abril
PARANAÍBA
Carreta é encontrada em chamas e polícia investiga ação criminosa
POLÍTICA
Bolsonaro diz que espera enviar reforma administrativa esta semana
FRONTEIRA
Pistoleiros do PCC são suspeitos de envolvimento na execução de jornalista
EDUCAÇÃO
MEC busca alternativa para voltar a emitir carteira de estudante

Mais Lidas

DOURADOS
Ferido com tiro no peito, entregador chega pilotando moto na UPA
VILA SÃO BRÁS
Venezuelanos são flagrados consumindo maconha em bairro de Dourados
DOURADOS
Líderes de motim que causou estragos na Unei são levados à delegacia
DOURADOS
VÍDEO: Internos 'batem grade' e queimam colchões em princípio de rebelião na Unei