Menu
Busca sábado, 07 de dezembro de 2019
(67) 9860-3221

Ex-pastor é preso sob suspeita de pedofilia

10 dezembro 2009 - 13h34

A Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) do Estado de Santa Catarina, em parceria com a Polícia Civil de Mato Grosso, prendeu, nesta quarta-feira (9), três pessoas acusadas de integrar uma rede de pedofilia que atuava em vários Estados, entre eles, Mato Grosso, Ceará, Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.

A investigação foi iniciada há nove meses, após o proprietário de uma lan house, em Florianópolis, denunciar à Polícia que um cliente estava acessando conteúdos pornográficos infantis.

Em entrevista coletiva, o delegado Juarez de Souza Medeiros informou que foram expedidos 17 mandados de prisão, sendo três em Mato Grosso, onde foram presos o técnico em Radiologia, F. S. A., 24 (em flagrante), a advogada R.A., 54, e o ex-pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, em Juara (709 km ao Norte de Cuiabá), M.S.B., 33. Este último deve ser transferido para Cuiabá nesta quinta-feira (10). Todos os acusados foram, indiciados por prática de pedofilia.

Segundo a Polícia, no apartamento onde Fagner se encontrava foram apreendidos CPU (memória de computador), máquinas digitais, DVDs piratas pornográficos, celulares e pen-drives. O apartamento é de propriedade de R.A. e fica localizado no bairro Consil, em Cuiabá.

Em depoimento, F.S.A. confessou que recebia email-s com imagens pornográficas de crianças, as repassava para os contatos da rede e ainda as armazenava no computador.

A Polícia não revelou qual a relação existente entre o técnico de Radiologia e a advogada. No entanto, em seu depoimento, ela afirmou que se trata de um amigo da família que estava hospedado em sua casa.

R.A. foi liberada, após prestar esclarecimento, alegando não ter conhecimento de que o computador estava sendo utilizado por Fagner para "distribuir" as imagens. Ela teria auxiliado involuntariamente, segundo a Polícia.

O delegado Juarez Medeiros informou que as fotos são "chocantes" e "monstruosas". São imagens de crianças nuas, se insinuando, e ainda praticando ato libidinoso. Segundo ele, não ficou comprovado, até o momento, que as imagens eram feitas pelas pessoas que distribuíam os e-mails.

"São imagens estarrecedoras, as fotos de crianças praticando sexo oral. A partir de agora, vamos investigar de onde são as crianças e a origem das imagens", afirmou o delegado. O inquérito deverá ser concluído em 10 dias e encaminhado para o Ministério Público, para oferecimento de denúncia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MS
Traficante abandona carro após perder o controle de direção e sair da pista
RESSOCIALIZAÇÃO
Em Dourados, presos confeccionam e barateiam custo de uniforme escolar para cidade de MS
FUTEBOL
Sem jogo no sábado, Brasileirão define último rebaixado amanhã
CINEMA GRATUITO
Cineclube exibe canadense '1984' neste sábado
JARDIM
Comerciante é preso após balear suspeito de furtar seu estabelecimento
CAARAPÓ
Inscrições para concurso com salários de até R$ 9.172 terminam dia 09
REENCONTRO
Sandy & Junior teve segunda maior bilheteria por show em 2019
TRAGÉDIA
Corpo de trigêmea afogada no Rio Paraná é encontrado em Guaíra
OPORTUNIDADE
Detran/MS leiloa material ferroso e quase 800 veículos em dezembro
CÚPULA DO CLIMA
Embaixada da Alemanha contradiz Salles sobre Fundo Amazônia

Mais Lidas

DOURADOS
Flagrado com ‘arma do amigo’ é preso e ninguém paga fiança de R$ 2 mil
DOURADOS
Polícia encontra armas, prende seis e desarticula plano para roubar caminhões
INFORME PUBLICITÁRIO
Mega-promoção de inauguração Magvida; 48h de descontos imperdíveis
DOURADOS
Agente penitenciário morre em violento acidente na Perimetral Norte