Menu
Busca segunda, 10 de agosto de 2020
(67) 99659-5905

Ex-pastor é preso sob suspeita de pedofilia

10 dezembro 2009 - 13h34

A Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) do Estado de Santa Catarina, em parceria com a Polícia Civil de Mato Grosso, prendeu, nesta quarta-feira (9), três pessoas acusadas de integrar uma rede de pedofilia que atuava em vários Estados, entre eles, Mato Grosso, Ceará, Minas Gerais, Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.

A investigação foi iniciada há nove meses, após o proprietário de uma lan house, em Florianópolis, denunciar à Polícia que um cliente estava acessando conteúdos pornográficos infantis.

Em entrevista coletiva, o delegado Juarez de Souza Medeiros informou que foram expedidos 17 mandados de prisão, sendo três em Mato Grosso, onde foram presos o técnico em Radiologia, F. S. A., 24 (em flagrante), a advogada R.A., 54, e o ex-pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, em Juara (709 km ao Norte de Cuiabá), M.S.B., 33. Este último deve ser transferido para Cuiabá nesta quinta-feira (10). Todos os acusados foram, indiciados por prática de pedofilia.

Segundo a Polícia, no apartamento onde Fagner se encontrava foram apreendidos CPU (memória de computador), máquinas digitais, DVDs piratas pornográficos, celulares e pen-drives. O apartamento é de propriedade de R.A. e fica localizado no bairro Consil, em Cuiabá.

Em depoimento, F.S.A. confessou que recebia email-s com imagens pornográficas de crianças, as repassava para os contatos da rede e ainda as armazenava no computador.

A Polícia não revelou qual a relação existente entre o técnico de Radiologia e a advogada. No entanto, em seu depoimento, ela afirmou que se trata de um amigo da família que estava hospedado em sua casa.

R.A. foi liberada, após prestar esclarecimento, alegando não ter conhecimento de que o computador estava sendo utilizado por Fagner para "distribuir" as imagens. Ela teria auxiliado involuntariamente, segundo a Polícia.

O delegado Juarez Medeiros informou que as fotos são "chocantes" e "monstruosas". São imagens de crianças nuas, se insinuando, e ainda praticando ato libidinoso. Segundo ele, não ficou comprovado, até o momento, que as imagens eram feitas pelas pessoas que distribuíam os e-mails.

"São imagens estarrecedoras, as fotos de crianças praticando sexo oral. A partir de agora, vamos investigar de onde são as crianças e a origem das imagens", afirmou o delegado. O inquérito deverá ser concluído em 10 dias e encaminhado para o Ministério Público, para oferecimento de denúncia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPEONATO BRASILEIRO
Santos sai na frente, mas vê Bragantino empatar nos acréscimos
TRÁFICO DE DROGAS
Após perseguição, polícia apreende 300 quilos de maconha
INTERNACIONAL
Polícia entra em confronto com manifestantes em Beirute
CULTURA
Mostra traz 98 filmes de 24 países sobre questões ambientais e sociais
CORONAVÍRUS
Itália tem 463 novos casos de Covid-19 e duas mortes em 24 horas
OPINIÃO
Autossuficiência que almejamos
PANDEMIA
Brasil registra 3 milhões de casos de coronavírus e 101 mil mortes
BRASILEIRÃO
Flamengo é derrotado pelo Atlético-MG com gol contra de Filipe Luís
FUTEBOL
STJD aceita pedido do Goiás e partida contra o São Paulo é adiada
INTERNACIONAL
Doadores prometem ajuda humanitária “importante” ao Líbano

Mais Lidas

DOURADOS
Homicídio ocorreu após madrugada de farra e confusões na Jaguapiru
REGIÃO
Professora morre ao ter moto atingida por carro
PANDEMIA
Paciente internado em Dourados morre de coronavírus
DOURADOS
Acidente entre carro e moto deixa homem em estado gravíssimo