Menu
Busca sábado, 25 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Ex-governador do RJ teria desviado R$ 8 milhões

15 agosto 2006 - 13h50

O ex-governador do Rio de Janeiro Marcello Alencar, seu filho e ex-secretário estadual de Fazenda, Marco Aurélio Alencar, e grandes nomes do mercado publicitário nacional foram denunciados, sexta-feira, por corrupção passiva pelo Ministério Público (MP) e peculato (crime cometido por funcionário público). Ao todo, 17 pessoas são acusadas de envolvimento com esquema que teria desviado mais de R$ 8 milhões dos cofres públicos do Rio de Janeiro, através de contratos de propaganda. Entre elas, os publicitários Duda Mendonça e Roberto Medina. » Leia mais notícias do jornal O Dia O dinheiro desviado seria utilizado para custear despesas de publicidade da campanha de Marcello à reeleição, em 1998. Encaminhado para a 23ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, o caso será analisado pela juíza Luciana Losada Aleixo Lustosa, que pode aceitar ou não a denúncia do MP. Descoberto em fevereiro de 1999, o esquema começou a ser divulgado com exclusividade por O Dia na época. O jornal teve acesso a documentos que mostravam que a empresa A2CM, de Duda, chegava a receber até 50% do que era pago às outras sete agências de publicidade que cuidavam das "contas" do governo do Estado. Duda, que também fez a campanha que elegeu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002, havia sido contratado pelo PSDB, partido de Marcello, para cuidar da publicidade da candidatura do então governador. As denúncias mobilizaram os deputados do Rio, que decidiram instaurar Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembléia Legislativa. A CPI confirmou a veracidade das denúncias e relatório final foi encaminhado para o MP. Nele, os deputados pediram o indiciamento dos envolvidos e também que fossem obrigados a devolver o dinheiro aos cofres públicos. Procurados por O Dia, o ex-governador e seu filho não retornaram as ligações. A direção do PSDB também não quis comentar o caso. Duda Mendonça também não se pronunciou. A Artplan, de Roberto Medina, informou que não foi notificada oficialmente e não sabe do que se trata a denúncia. A Contemporânea, da qual eram diretores Armando Strozemberg e José Antônio Calazans Rodrigues, foi procurada, mas a diretora de contas da empresa, que não se identificou, informou que a empresa não ia se pronunciar por desconhecer a acusação.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

ACIDENTE
Motociclista morre ao colidir contra poste em bairro de Campo Grande
VILA FORMOSA
Projeto “Mais Movimento”, reduz índices de doenças crônicas
POLÍCIA
Grávida, adolescente de 15 anos briga com padrasto e o agride a facadas
JUSTIÇA
TRT ratifica obrigação da Eldorado adequar jornada de motoristas
POLÍCIA
Contrabandista ligado a doleiro que agia na fronteira é expulso do Paraguai
ITINERANTE
Carreta da Justiça atende 383 pessoas na volta do serviço em 2020
CAPITAL
Polícia fecha boca de fumo que funcionava como desmanche de motos
DOURADOS
Prefeitura intensifica parceria com piscicultores para ampliar produção
SEGURANÇA
Ministério Público libera Morenão para partidas do Estadual de Futebol
SERVIÇO
Detran/MS suspende emplacamento para implantação da Nova PIV

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Pai e filha moradores de Dourados morrem em acidente no Paraná
VILA ROSA
Homem morre após ser atingido por facada no pescoço em bairro de Dourados
TRÁFICO
‘Espaço de lazer’ em Dourados era usado para guardar drogas e abrigar fugitivos
DOURADOS
Assassinato na Vila Rosa aconteceu por ciúmes durante manutenção em porta