Menu
Busca quinta, 21 de março de 2019
(67) 9860-3221

Esquerda do PT reprova rumo da campanha de Lula

11 agosto 2002 - 10h06

Petistas históricos e aliados tradicionais demonstram insatisfação com os rumos atuais da campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). As razões vão desde o abandono de bandeiras da esquerda que estariam sendo tomadas pelo candidato do PPS, Ciro Gomes, ao afastamento de luta sociais com parceiros antigos.
O apoio de Lula ao acordo do FMI anunciado na semana passada pelo governo desagradou a esquerda do partido. As alas mais radicais acham que a coordenação da campanha de Lula contrariou o documento aprovado no 12º Encontro Nacional do partido em dezembro, que pregava o rompimento com o Fundo.
Até agora as discussões são no âmbito interno, pois os petistas temem estimular o crescimento de Ciro, que poderia ampliar apoio a seu nome nos setores mais oposicionistas da sociedade.
A reação da CUT (Central Única dos Trabalhadores) ao acordo com o FMI foi mais agressiva do que a do PT. "Após as eleições presidenciais, o FMI poderá exigir mais sacrifícios ao futuro presidente da república.
Isso, ao contrário de dar sustentabilidade ao crescimento, tende a torna-lo instável e a promover ainda mais o desemprego e a deterioração das condições de vida de milhões de trabalhadores", afirmou Carlos Alberto Grana, secretário-executivo da central sindical.
O economista Paul Singer, uma das vozes mais respeitadas do partido, discorda que o apoio de Lula ao acordo e a nota que divulgou a esse respeito sinalizem mudança de posição do PT em relação ao FMI. "A relação do PT com o Fundo, a meu ver, está em aberto. A nota critica o Fundo, reafirma o desejo do PT de mudar a política econômica, mas assume que isso não será feito de imediato."
Singer se diz cético sobre o fim da turbulência, mesmo com o acordo. "Não comemoro isso. Mas não sei qual o peso da eleição e da crise financeira internacional na turbulência. Os grandes bancos europeus e americanos estão tendo prejuízos imensos que aumentam a desconfiança nos riscos. Ao mesmo tempo, o candidato do setor financeiro no Brasil, José Serra, vai mal nas pesquisas."
O deputado federal Milton Temer (PT-RJ) separa o discurso de Lula da prática política coordenada pelas tendências de centro do partido. "O discurso individual do Lula está correto. Quando vai à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e confronta as contradições do setor produtivo com as do financeiro, ele acerta", afirma Temer.
As críticas do parlamentar se concentram no comando da campanha de Lula_ dominado pela tendência petista Articulação.
"A assessoria do Lula cada vez erra mais e dá espaço para o Ciro crescer como voz de oposição. Para que toda essa conversa com o Banco Central? Para respaldar a política do governo?", pergunta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Camila Alves resgata foto com barriga chapada e diz: "antes das crianças"
AMAMBAI
Homem de 43 anos morre após sofrer mal súbito no local de trabalho
ECONOMIA
Conta de luz pode ter aumento de 15% a partir de abril em MS
JUDICIÁRIO
STF adia julgamento sobre compartilhamento de dados da Receita
CRIME AMBIENTAL
Paulistas são multados em R$ 2,5 mil por transportar pescado ilegal
CAPITAL
Com dores e febril após parto, mulher expele pano durante o banho
LEÃO
Receita recebe quase 5 milhões de declarações do IR em duas semanas
CORUMBÁ
Pai e 2 filhos são presos ao manter depósito de combustível no quintal
CONCURSO
Governo abre seleção profissionais para gestão de recursos hídricos
SAÚDE
STJ autoriza João de Deus a deixar prisão para tratamento médico

Mais Lidas

PREJUÍZO
Chuva forte derruba árvores e deixa ruas alagadas em Dourados
IMPETUS
“Central de inteligência” do PCC que planejava matar servidores de MS é desarticulada na PED
DOURADOS
Defesa Civil mantém alerta com “chuvarada” que deve continuar na região
PONTA PORÃ
Chuva forte causa transtornos e casal cai de moto em meio a enxurrada; veja vídeo