Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99659-5905

Esquerda do PT reprova rumo da campanha de Lula

11 agosto 2002 - 10h06

Petistas históricos e aliados tradicionais demonstram insatisfação com os rumos atuais da campanha presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). As razões vão desde o abandono de bandeiras da esquerda que estariam sendo tomadas pelo candidato do PPS, Ciro Gomes, ao afastamento de luta sociais com parceiros antigos.
O apoio de Lula ao acordo do FMI anunciado na semana passada pelo governo desagradou a esquerda do partido. As alas mais radicais acham que a coordenação da campanha de Lula contrariou o documento aprovado no 12º Encontro Nacional do partido em dezembro, que pregava o rompimento com o Fundo.
Até agora as discussões são no âmbito interno, pois os petistas temem estimular o crescimento de Ciro, que poderia ampliar apoio a seu nome nos setores mais oposicionistas da sociedade.
A reação da CUT (Central Única dos Trabalhadores) ao acordo com o FMI foi mais agressiva do que a do PT. "Após as eleições presidenciais, o FMI poderá exigir mais sacrifícios ao futuro presidente da república.
Isso, ao contrário de dar sustentabilidade ao crescimento, tende a torna-lo instável e a promover ainda mais o desemprego e a deterioração das condições de vida de milhões de trabalhadores", afirmou Carlos Alberto Grana, secretário-executivo da central sindical.
O economista Paul Singer, uma das vozes mais respeitadas do partido, discorda que o apoio de Lula ao acordo e a nota que divulgou a esse respeito sinalizem mudança de posição do PT em relação ao FMI. "A relação do PT com o Fundo, a meu ver, está em aberto. A nota critica o Fundo, reafirma o desejo do PT de mudar a política econômica, mas assume que isso não será feito de imediato."
Singer se diz cético sobre o fim da turbulência, mesmo com o acordo. "Não comemoro isso. Mas não sei qual o peso da eleição e da crise financeira internacional na turbulência. Os grandes bancos europeus e americanos estão tendo prejuízos imensos que aumentam a desconfiança nos riscos. Ao mesmo tempo, o candidato do setor financeiro no Brasil, José Serra, vai mal nas pesquisas."
O deputado federal Milton Temer (PT-RJ) separa o discurso de Lula da prática política coordenada pelas tendências de centro do partido. "O discurso individual do Lula está correto. Quando vai à Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e confronta as contradições do setor produtivo com as do financeiro, ele acerta", afirma Temer.
As críticas do parlamentar se concentram no comando da campanha de Lula_ dominado pela tendência petista Articulação.
"A assessoria do Lula cada vez erra mais e dá espaço para o Ciro crescer como voz de oposição. Para que toda essa conversa com o Banco Central? Para respaldar a política do governo?", pergunta.

Deixe seu Comentário

Leia Também

"RAÍZES"
Documentário sobre sacis filmado em MS tem estreia online em junho
EM MIRANDA
Mulher é estuprada após ser levada para quintal de residência
REDES SOCIAIS
Bolsonaro tira fotos sem máscara após ir a lanchonete em Goiás
NA CAPITAL
Criança fica ferida ao ser atropelada por moto em avenida de Campo Grande
RELAÇÕES INTERNACIONAIS
EUA anunciam mais US$ 6 mi para ajudar Brasil no combate à pandemia
REGIÃO
Polícia localiza mocó de maconha e prende dois em Ivinhema
ESPORTES
Após cancelamento de maratona, corredor propõe “desafio solidário”
TOQUE DE RECOLHER
Mais de 200 são flagrados nas ruas de sexta para sábado na Capital
GOVERNO
Acordo prevê no máximo 20 dias para análise de auxílio emergencial
UEMS
Estudantes de MS criam robô que ajuda na prevenção do coronavírus

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
PANDEMIA
Comitê diz que Dourados não é epicentro do novo coronavírus e descarta lockdown