Menu
Busca quinta, 21 de março de 2019
(67) 9860-3221

Com Fielzão a R$ 1 bi, Andrés admite perder abertura da Copa 2014

14 maio 2011 - 07h22

Depois da indicação de que São Paulo não receberá a Copa das Confederações, agora a abertura da Copa do Mundo de 2014 na cidade também está ameaçada. Na noite desta sexta-feira, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o prefeito Gilberto Kassab, o presidente do Corinthians, Andrés Sanches, e representantes da Odebrecht, empresa responsável pela obra do Fielzão, se reuniram para discutir o salto do valor da obra do estádio corintiano, que agora está estimado em R$ 1 bilhão.

A construtora chegou ao valor de R$ 1 bilhão, que é R$ 300 milhões mais caro que o da projeção anterior de R$ 700 milhões, após fazer um novo levantamento para cumprir todas as exigências da Fifa para o local receber a abertura. No entanto, não há quem pague esta conta. Apesar da promessa geral dos envolvidos na reunião de tentar resolver o problema rapidamente, Andrés admitiu que existe hoje a possibilidade de a cidade ficar sem o jogo inaugural do Mundial de 2014.

Não corremos risco de o Corinthians não ter um estádio, mas corremos risco de não ter a abertura, infelizmente. A construtora deu um prazo de 30 meses para a execução da obra, então a cada dia que passa o nosso tempo diminui. Temos mais 15 a 20 dias dentro dessa projeção, depois começa a ficar pesado, até porque as condições climáticas podem atrasar a obra também, principalmente em caso de fortes chuvas. Não falo mais em prazos para tudo começar. Antes falei abril, maio, agora não arrisco mais, seria burrice, mas estamos no limite – admitiu o mandatário corintiano.

Andrés explicou que, para que a obra começasse na próxima segunda-feira, por exemplo, era necessário resolver como esta conta de R$ 300 milhões a mais será paga. O presidente garantiu que o Corinthians não tem esse dinheiro.

Tínhamos um estádio para 48 mil, que não tinha nada a ver com a abertura da Copa. Quando ficou decidido que ele seria usado para abrir o Mundial, tivemos que mudar o projeto. Hoje chegamos ao valor de R$ 1 bilhão e estamos todos estudando a engenharia financeira para a viabilização desse novo projeto. Quando a idéia era um palco para 48 mil, era mais simples. Agora precisamos pensar em cumprir exigências da Fifa, como área maior de estacionamento, local para receber até cinco mil jornalistas, e passamos de uma área construída quase duas vezes maior do que a inicial – justificou o dirigente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORUMBÁ
Pai e 2 filhos são presos ao manter depósito de combustível no quintal
CONCURSO
Governo abre seleção profissionais para gestão de recursos hídricos
SAÚDE
STJ autoriza João de Deus a deixar prisão para tratamento médico
JUSTIÇA
Empresa de energia é condenada a melhorar os serviços prestados
BOLÍVIA
Brasileira que denunciou policiais por estupro consegue liberdade
JUSTIÇA
Coronel Sapucaia abre inscrições para seleção de juízes leigos
IVINHEMA
Mulher é presa acusada de matar o marido com a ajuda do irmão
EDUCAÇÃO
MPF questiona Inep sobre comissão para fiscalizar Enem
CAMAPUÃ
Idoso morre após carro bater em árvore e pegar fogo em estrada
APARECIDA DO TABOADO
Raio atinge fazenda e mata 21 cabeças de gado na região do Bolsão

Mais Lidas

PREJUÍZO
Chuva forte derruba árvores e deixa ruas alagadas em Dourados
IMPETUS
“Central de inteligência” do PCC que planejava matar servidores de MS é desarticulada na PED
DOURADOS
Defesa Civil mantém alerta com “chuvarada” que deve continuar na região
PONTA PORÃ
Chuva forte causa transtornos e casal cai de moto em meio a enxurrada; veja vídeo