Menu
Busca quarta, 12 de agosto de 2020
(67) 99659-5905

Com Fielzão a R$ 1 bi, Andrés admite perder abertura da Copa 2014

14 maio 2011 - 07h22

Depois da indicação de que São Paulo não receberá a Copa das Confederações, agora a abertura da Copa do Mundo de 2014 na cidade também está ameaçada. Na noite desta sexta-feira, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o prefeito Gilberto Kassab, o presidente do Corinthians, Andrés Sanches, e representantes da Odebrecht, empresa responsável pela obra do Fielzão, se reuniram para discutir o salto do valor da obra do estádio corintiano, que agora está estimado em R$ 1 bilhão.

A construtora chegou ao valor de R$ 1 bilhão, que é R$ 300 milhões mais caro que o da projeção anterior de R$ 700 milhões, após fazer um novo levantamento para cumprir todas as exigências da Fifa para o local receber a abertura. No entanto, não há quem pague esta conta. Apesar da promessa geral dos envolvidos na reunião de tentar resolver o problema rapidamente, Andrés admitiu que existe hoje a possibilidade de a cidade ficar sem o jogo inaugural do Mundial de 2014.

Não corremos risco de o Corinthians não ter um estádio, mas corremos risco de não ter a abertura, infelizmente. A construtora deu um prazo de 30 meses para a execução da obra, então a cada dia que passa o nosso tempo diminui. Temos mais 15 a 20 dias dentro dessa projeção, depois começa a ficar pesado, até porque as condições climáticas podem atrasar a obra também, principalmente em caso de fortes chuvas. Não falo mais em prazos para tudo começar. Antes falei abril, maio, agora não arrisco mais, seria burrice, mas estamos no limite – admitiu o mandatário corintiano.

Andrés explicou que, para que a obra começasse na próxima segunda-feira, por exemplo, era necessário resolver como esta conta de R$ 300 milhões a mais será paga. O presidente garantiu que o Corinthians não tem esse dinheiro.

Tínhamos um estádio para 48 mil, que não tinha nada a ver com a abertura da Copa. Quando ficou decidido que ele seria usado para abrir o Mundial, tivemos que mudar o projeto. Hoje chegamos ao valor de R$ 1 bilhão e estamos todos estudando a engenharia financeira para a viabilização desse novo projeto. Quando a idéia era um palco para 48 mil, era mais simples. Agora precisamos pensar em cumprir exigências da Fifa, como área maior de estacionamento, local para receber até cinco mil jornalistas, e passamos de uma área construída quase duas vezes maior do que a inicial – justificou o dirigente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PORTO MURTINHO
Após 58 dias internado, homem que caiu de ponte morre na Santa Casa
COVID-19
Bonito registra a primeira morte causada pelo novo coronavírus
CAPITAL
Dois dias depois de acidente, motociclista morre em hospital
TJ/MS
Aluna aprovada no vestibular tem direito a certificado de ensino médio
CRIME AMBIENTAL
PMA apreende carga de madeira ilegal e autua empresa em R$ 13 mil
EDUCAÇÃO
UEMS abre inscrições para Curso de Informática Básica 2020
JUSTIÇA
Mulher que teve terreno retomado pelo Município deve ser indenizada
Traficante é preso com mais de 200 quilos de maconha na BR-163
MAIOR EM 20 ANOS
Mato Grosso do Sul registra abertura de 873 empresas no mês de julho
CAPITAL
Estudante de medicina é preso acusado de abastecer bocas de fumo

Mais Lidas

DOURADOS
Suspeito de atropelar motociclista durante racha na BR-163 se apresenta à polícia
DOURADOS
Amigos vão procurar homem e encontram corpo em avançado estado de decomposição
DOURADOS
Motociclista é atingido por veículo que praticava "racha' e tem fratura exposta
CORGUINHO
Jovem morre após sofrer acidente durante passeio de moto com amigos