Menu
Busca terça, 20 de novembro de 2018
(67) 9860-3221

Com Fielzão a R$ 1 bi, Andrés admite perder abertura da Copa 2014

14 maio 2011 - 07h22

Depois da indicação de que São Paulo não receberá a Copa das Confederações, agora a abertura da Copa do Mundo de 2014 na cidade também está ameaçada. Na noite desta sexta-feira, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o prefeito Gilberto Kassab, o presidente do Corinthians, Andrés Sanches, e representantes da Odebrecht, empresa responsável pela obra do Fielzão, se reuniram para discutir o salto do valor da obra do estádio corintiano, que agora está estimado em R$ 1 bilhão.

A construtora chegou ao valor de R$ 1 bilhão, que é R$ 300 milhões mais caro que o da projeção anterior de R$ 700 milhões, após fazer um novo levantamento para cumprir todas as exigências da Fifa para o local receber a abertura. No entanto, não há quem pague esta conta. Apesar da promessa geral dos envolvidos na reunião de tentar resolver o problema rapidamente, Andrés admitiu que existe hoje a possibilidade de a cidade ficar sem o jogo inaugural do Mundial de 2014.

Não corremos risco de o Corinthians não ter um estádio, mas corremos risco de não ter a abertura, infelizmente. A construtora deu um prazo de 30 meses para a execução da obra, então a cada dia que passa o nosso tempo diminui. Temos mais 15 a 20 dias dentro dessa projeção, depois começa a ficar pesado, até porque as condições climáticas podem atrasar a obra também, principalmente em caso de fortes chuvas. Não falo mais em prazos para tudo começar. Antes falei abril, maio, agora não arrisco mais, seria burrice, mas estamos no limite – admitiu o mandatário corintiano.

Andrés explicou que, para que a obra começasse na próxima segunda-feira, por exemplo, era necessário resolver como esta conta de R$ 300 milhões a mais será paga. O presidente garantiu que o Corinthians não tem esse dinheiro.

Tínhamos um estádio para 48 mil, que não tinha nada a ver com a abertura da Copa. Quando ficou decidido que ele seria usado para abrir o Mundial, tivemos que mudar o projeto. Hoje chegamos ao valor de R$ 1 bilhão e estamos todos estudando a engenharia financeira para a viabilização desse novo projeto. Quando a idéia era um palco para 48 mil, era mais simples. Agora precisamos pensar em cumprir exigências da Fifa, como área maior de estacionamento, local para receber até cinco mil jornalistas, e passamos de uma área construída quase duas vezes maior do que a inicial – justificou o dirigente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Projeto que flexibiliza Lei da Ficha Limpa é arquivado do Senado
PARAGUAI
Sobrinho de prefeito foi executado por terroristas com 11 tiros
FUTEBOL
Brasil vence Camarões por 1 a 0 no último amistoso do ano
EDUCAÇÃO
Enem vai mudar e terá dias de prova geral e específica, diz ministro
FUTEBOL
Datas e regulamento do Estadual mudam um dia após arbitral
DOURADOS
Comafro promove atividade pelo Dia da Consciência Negra
CULTURA
Filme de MS conquista dois prêmios em festival internacional de cinema
OMISSÃO DE SOCORRO
MPF quer abertura de inquérito policial para apurar atropelamento de crianças em MS
BRASIL
Mandetta compara contratos do Mais Médicos a convênio entre Cuba e PT
ARTIGO
Como somos frágeis

Mais Lidas

DOURADOS
Antes de ser assassinado, homem passou por ‘tribunal do crime’
DOIS MESES DEPOIS
Acusados de matar rapaz em Dourados serão apresentados hoje
BORORÓ
Adolescente morre ao tocar em cerca elétrica em Dourados
MARCELO PILOTO
Traficante brasileiro é expulso do Paraguai após matar mulher em cela