Menu
Busca sexta, 21 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
VÔLEI

Brasil cede um set, mas bate Austrália e se mantém invicto na Liga Mundial

05 junho 2015 - 17h00

Globo

A Austrália pisou em quadra como franco-atiradora. Não escondia seu respeito pelo Brasil, nem a vontade de fazer um jogo equilibrado contra o maior vencedor da Liga Mundial. E deu trabalho. Assim como contra a Itália, conseguiu roubar um set da seleção, mas não tirar sua invencibilidade. Nesta sexta-feira, no ginásio Adib Mousés Dib, em São Bernardo do Campo, em mais um dia de testes, o time comandado por Rubinho se impôs e assegurou a terceira vitória na competição: 3 a 1 (25/20, 21/25, 25/19 e 25/18).

O maior pontuador do confronto foi o oposto Evandro, com 19 pontos, seguido pelo ponteiro Lipe, com 16 acertos. Do lado australiano, o destaque foi Thomas Edgar, com 14 pontos.

"Só tem jogador bom aqui. A gente tem que dar o nosso máximo para conseguir uma vaga. Eu estou correndo por fora", disse Evandro, em entrevista.

As equipes voltam a se enfrentar neste domingo, às 10h, no mesmo local.

O Jogo

Evandro fez logo as honras da casa. Se ganhava a chance de mostrar serviço, o oposto tratava de fazer o dever direitinho. Uma pancada na saída da rede já levava preocupação para os adversários. Mesmo sob forte pressão da arquibancada, eles conseguiam manter o placar parelho. Tiravam proveito das falhas dos anfitriões no saque e deixavam tudo igual (7/7). Depois de ser parado no bloqueio de Guymer, Lucão ia para o saque e arrancava dois pontos seguidos, o último deles com um ace pedido pela torcida (14/11). O triplo brasileiro subia fechava a porta. Edgar e Guymer davam o troco.

A vantagem da seleção rodava na casa dos dois pontos. Aumentava quando William Arjona acionava Lucão (21/18). As equipes trocavam erros de saque. Rubinho optava pela inversão: Rapha e Wallace nos lugares de William e Evandro. A Austrália encontrava um espaço vazio do outro lado da quadra e se aproximava (22/20). Um ataque de Lipe, seguido de um belo saque de sua autoria davam o set point ao Brasil (24/20). Roberto Santilli pedia tempo. Mas não conseguia esfriar os donos da casa. Com uma bola levantada por Serginho e finalizada por Lipe, a seleção saía na frente: 25/20.

O líbero voltava sorridente para a quadra. Queria jogo. Edgar também. A Austrália comemorava o comando do placar (2/0). Se Murilo lamentava não ter conseguido defender um ataque de Edgar, os visitantes ditavam o ritmo. O levantador Sukovchev distribuía bem as jogadas (14/9). Durante o pedido de tempo, Rubinho orientava William. Na volta, Evandro era a bola de segurança. Apesar do esforço dele, o time se mantinha atrás no marcador. Lipe se apresentava, o bloqueio se armava e os australianos começavam a falhar mais (16/15).

Edgar evitava o empate. Chamava a responsabilidade e fazia a Austrália respirar (19/16). O Brasil lutava. O técnico australiano reclamava após a arbitragem mudar a marcação depois de um pedido de desafio da seleção. Serginho ria. Na retomada, Éder levava a melhor, colocava fim a um bom rali e deixava tudo igual (21/21). A torcida ia ao delírio. Os rivais não perdiam o foco. Abriam dois pontos e viam duas bolas seguidas de Wallace irem para fora. A parcial era deles: 25/21.

O capitão Thomas Edgar seguia liderando sua equipe. A Austrália estava atenta a Murilo. Depois de ser parado em mais um bloqueio, o ponteiro retribuía e freava o ataque australiano (8/8). O Brasil dava pontos de graça. Mas Murilo e Lipe corrigiam o rumo e tomavam a frente no marcador e iam para a segunda parada técnica com a vantagem (16/14). E voltava com Murilo subindo num simples e tendo sucesso. Riad também dava sua contribuição, funcionando como paredão duas vezes seguidas (20/15). Santilli não gostava nadinha e puxava a orelha de seu time. Roberts ia para o ataque e acalmava o chefe. Por pouco tempo. Riad soltava o braço. Um saque de Mote na rede e o set ia para o bolso do Brasil: 25/19.

Na quarta parcial, Riad continuava fazendo a diferença pelo meio. O Brasil ocupava todos os espaços e dificultava as ações dos visitantes (13/9). O jogo da seleção fluía melhor e arrancava sorrisos nos companheiros de banco de reservas (18/12). A terceira vitória se aproximava sem muita resistência. Evandro não encontrava marcadores à sua frente. Duas falhas seguidas na recepção faziam a Austrália vibrar. Mas a situação estava sob controle. No último ponto, Murilo subia no bloqueio e comemorava mais um triunfo: 25/18.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TV
Fátima Bernardes nega boatos de ter reformado casa do agressor de Jair Bolsonaro
BRASIL
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
FRONTEIRA SEGURA
Ação conjunta apreende 40kg de maconha em Ponta Porã
AMISTOSOS
Tite convoca seleção com quatro novidades para próximos compromissos
ELEIÇÕES 2018
Instituto Ranking: Reinaldo 21,33%; Odilon 18,48% e Mochi 10,33%
ESTADO
Edital do Pnae para compra de hortifruti em Dourados é aberto
APÓS INCÊNDIO
MEC libera R$ 8,9 milhões para obras emergenciais no Museu Nacional
FUTEBOL
Trio de MS apita duelo da Série B nesta sexta
ARTIGO
Perdoar, sim
FRONTEIRA SEGURA
Exército e órgãos de segurança colocam 700 homens para combater crimes na fronteira de MS

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia fecha entreposto de drogas e prende três no Jardim Colibri
DOURADOS
Esquema começou há 1 ano e maconha era armazenada em pneus
DOURADOS
PF apreende mais de 150 quilos de cocaína na Guaicurus
IVINHEMA
Mecânico morre ao ficar preso em cardan de caminhão