Menu
Busca terça, 18 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221

Emenda de Felipe Orro aumenta em R$ 20 milhões orçamento da Uems

04 dezembro 2012 - 19h45

Emenda apresentada na sessão desta terça-feira (4) da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Felipe Orro (PDT), e subscrita também pelo deputado George Takimoto (PSL), aumenta em R$ 20 milhões a previsão de recursos no Orçamento do Estado destinados à Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) para o ano de 2013. Os recursos foram remanejados da reserva de contingência, uma rubrica em que o governo guarda dinheiro para direcionar a outras áreas.

A emenda recebeu o apoio em plenário de outros dez deputados: Antônio Carlos Arroyo (PR), Onevan de Matos (PSDB), Paulo Duarte (PT), Dione Hashioka (PSDB), Pedro Kemp (PT), Cabo Almi (PT), Lauro Davi (PSB), Eduardo Rocha (PMDB), Professor Rinaldo (PSDB) e Marquinhos Trad (PMDB).

“Cumprimos a primeira parte de nosso compromisso com a comunidade acadêmica, os professores e a direção da Uems. Essa emenda permite que sejam feitos reparos urgentes nas 15 unidades, compra de alguns equipamentos e móveis que estão faltando, inclusive carteiras; também permite que se invista o mínimo em pesquisa, estudos, amplie o custeio, enfim, dá um fôlego para a Universidade, que hoje está sufocada, muitas vezes sem dinheiro até para pagar a conta de luz”, disse o deputado.

“O próximo passo é lutar para incluir na LDO (Lei das Diretrizes Orçamentárias) do ano que vem um percentual de 3% da arrecadação para a Uems. Isso devolve a autonomia financeira à instituição, permitindo que possa ser feito um planejamento de médio prazo para expandir nossa universidade”, completou.

Felipe Orro empunha a bandeira da Uems desde que assumiu o mandato parlamentar, em fevereiro de 2011. “Acredito que só há desenvolvimento real por meio da Educação. E a Uems é o instrumento do Estado para levar ensino superior de qualidade e gratuito à nossa juventude, que hoje conclui o Ensino Médio e se vê no terrível dilema de abandonar sua cidade em busca da oportunidade de prosseguir nos estudos, ou de abandonar seus sonhos de uma vida melhor e partir para o primeiro emprego que conseguir”, pondera.

A emenda apresentada hoje por Felipe Orro é fruto de um diálogo que se arrasta desde outubro com a direção, os professores e acadêmicos da Uems. O deputado foi, inclusive, a Dourados, no dia 1º de novembro, quando conversou com a vice-reitora Eleusa Ferreira Lima, a diretoria da Aduems (Associação dos Docentes da Uems) e o vice-presidente do DCE (Diretório Central dos e das Estudantes), Jean Carlos Alves de Souza.

Antes, no dia 22 de outubro, o deputado já havia se reunido com o reitor da Uems, professor Fábio Edir dos Santos Costa. Nas duas ocasiões foi apresentado ao deputado um panorama sombrio para a instituição, imposto pela restrição financeira. Para se ter uma ideia: em 2007, o Couni (Conselho Universitário) calculou um valor de R$ 69 milhões para cobrir as necessidades da Uems; o governo impôs orçamento de R$ 48,9 milhões, o que obrigou a instituição a fazer cortes profundos. E a diferença entre o que é necessário e o que é repassado só tem aumentado: em 2011 foram destinados R$ 70 milhões à Uems, ante orçamento de R$ 116 milhões. Corte de 40%.

Felipe Orro entende que é hora da Assembleia tomar um posicionamento firme, caso contrário não apenas a instituição somente está em risco, mas sobretudo o futuro de milhares de jovens sul-mato-grossenses. Levantamento mostra que 90% dos alunos da Uems são de Mato Grosso do Sul, 78% são egressos de escolas públicas e 87% dos formados, permanecem vivendo e trabalhando no Estado, a grande maioria na própria cidade de origem

“O Estado de São Paulo repassa 9,3% do ICMS para suas universidades, são três: USP, Unicamp e Unesp. A Uems recebe, hoje, em torno de 1,5% da arrecadação de ICMS. Entendo que o ideal é dobrar esse percentual, mas claro que isso não pode ser feito de imediato. Então podemos começar com 2,5% ou 2% e ir aumentando em 0,1% a cada ano, até chegar aos 3%.”

A UEMS tem unidades em Dourados, Campo Grande, Aquidauana, Amambai, Cassilândia, Coxim, Glória de Dourados, Ivinhema, Jardim, Maracaju, Mundo Novo, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba e Ponta Porã. A universidade tem hoje 734 professores e 8,2 mil acadêmicos, sendo que 72% são oriundos de escolas públicas e 91% residem no Mato Grosso do Sul.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Sasha enfrenta calor forte do Rio em dia de praia com amigas
LADÁRIO
Antes da prisão, vereador procurou MP para “entregar” delator
CAARAPÓ
Juiz federal determina reintegração de área invadida por índios
TRÊS LAGOAS
Três dias após internação, professora morre com suspeita de dengue
RELIGIÃO
Imagens sacras serão mantidas no Planalto e Alvorada, diz Bolsonaro
AQUIDAUANA
Operador de máquina morre um dia após batida entre carro e caminhão
LIMINAR
Justiça de Goiás nega habeas corpus ao médium João de Deus
BATAGUASSU
Polícia apreende 115 quilos de cocaína em estepe de caminhão
MAIS CEDO
Globo oficializa que jogos de quarta-feira terão início às 21h30
TECNOLOGIA
Clientes do Banco do Brasil poderão usar WhatsApp para fazer saques

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem faz desabafo sobre a morte do pai em confronto: “lamento por você ter escolhido esse caminho”
DOURADOS
Délia exonera cinco secretários de uma só vez e inicia reforma administrativa
DOURADOS
“Batida” acaba com festa lotada de menores e regada a bebida alcoólica
POLÍCIA
Jovem é baleada em tentativa de assalto em Dourados