Menu
Busca quarta, 20 de junho de 2018
(67) 9860-3221

Emenda de Felipe Orro aumenta em R$ 20 milhões orçamento da Uems

04 dezembro 2012 - 19h45

Emenda apresentada na sessão desta terça-feira (4) da Assembleia Legislativa pelo deputado estadual Felipe Orro (PDT), e subscrita também pelo deputado George Takimoto (PSL), aumenta em R$ 20 milhões a previsão de recursos no Orçamento do Estado destinados à Uems (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) para o ano de 2013. Os recursos foram remanejados da reserva de contingência, uma rubrica em que o governo guarda dinheiro para direcionar a outras áreas.

A emenda recebeu o apoio em plenário de outros dez deputados: Antônio Carlos Arroyo (PR), Onevan de Matos (PSDB), Paulo Duarte (PT), Dione Hashioka (PSDB), Pedro Kemp (PT), Cabo Almi (PT), Lauro Davi (PSB), Eduardo Rocha (PMDB), Professor Rinaldo (PSDB) e Marquinhos Trad (PMDB).

“Cumprimos a primeira parte de nosso compromisso com a comunidade acadêmica, os professores e a direção da Uems. Essa emenda permite que sejam feitos reparos urgentes nas 15 unidades, compra de alguns equipamentos e móveis que estão faltando, inclusive carteiras; também permite que se invista o mínimo em pesquisa, estudos, amplie o custeio, enfim, dá um fôlego para a Universidade, que hoje está sufocada, muitas vezes sem dinheiro até para pagar a conta de luz”, disse o deputado.

“O próximo passo é lutar para incluir na LDO (Lei das Diretrizes Orçamentárias) do ano que vem um percentual de 3% da arrecadação para a Uems. Isso devolve a autonomia financeira à instituição, permitindo que possa ser feito um planejamento de médio prazo para expandir nossa universidade”, completou.

Felipe Orro empunha a bandeira da Uems desde que assumiu o mandato parlamentar, em fevereiro de 2011. “Acredito que só há desenvolvimento real por meio da Educação. E a Uems é o instrumento do Estado para levar ensino superior de qualidade e gratuito à nossa juventude, que hoje conclui o Ensino Médio e se vê no terrível dilema de abandonar sua cidade em busca da oportunidade de prosseguir nos estudos, ou de abandonar seus sonhos de uma vida melhor e partir para o primeiro emprego que conseguir”, pondera.

A emenda apresentada hoje por Felipe Orro é fruto de um diálogo que se arrasta desde outubro com a direção, os professores e acadêmicos da Uems. O deputado foi, inclusive, a Dourados, no dia 1º de novembro, quando conversou com a vice-reitora Eleusa Ferreira Lima, a diretoria da Aduems (Associação dos Docentes da Uems) e o vice-presidente do DCE (Diretório Central dos e das Estudantes), Jean Carlos Alves de Souza.

Antes, no dia 22 de outubro, o deputado já havia se reunido com o reitor da Uems, professor Fábio Edir dos Santos Costa. Nas duas ocasiões foi apresentado ao deputado um panorama sombrio para a instituição, imposto pela restrição financeira. Para se ter uma ideia: em 2007, o Couni (Conselho Universitário) calculou um valor de R$ 69 milhões para cobrir as necessidades da Uems; o governo impôs orçamento de R$ 48,9 milhões, o que obrigou a instituição a fazer cortes profundos. E a diferença entre o que é necessário e o que é repassado só tem aumentado: em 2011 foram destinados R$ 70 milhões à Uems, ante orçamento de R$ 116 milhões. Corte de 40%.

Felipe Orro entende que é hora da Assembleia tomar um posicionamento firme, caso contrário não apenas a instituição somente está em risco, mas sobretudo o futuro de milhares de jovens sul-mato-grossenses. Levantamento mostra que 90% dos alunos da Uems são de Mato Grosso do Sul, 78% são egressos de escolas públicas e 87% dos formados, permanecem vivendo e trabalhando no Estado, a grande maioria na própria cidade de origem

“O Estado de São Paulo repassa 9,3% do ICMS para suas universidades, são três: USP, Unicamp e Unesp. A Uems recebe, hoje, em torno de 1,5% da arrecadação de ICMS. Entendo que o ideal é dobrar esse percentual, mas claro que isso não pode ser feito de imediato. Então podemos começar com 2,5% ou 2% e ir aumentando em 0,1% a cada ano, até chegar aos 3%.”

A UEMS tem unidades em Dourados, Campo Grande, Aquidauana, Amambai, Cassilândia, Coxim, Glória de Dourados, Ivinhema, Jardim, Maracaju, Mundo Novo, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba e Ponta Porã. A universidade tem hoje 734 professores e 8,2 mil acadêmicos, sendo que 72% são oriundos de escolas públicas e 91% residem no Mato Grosso do Sul.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Estagiária tem carteira levada por bandidos ao sair do Hospital da Vida
GERAL
IEL promove aula inaugural do PQF 2018 na Capital e outros dois municípios
OLIMPÍADA DO CONHECIMENTO
Senai do Estado prepara equipes para seletivas Mundial das Profissões na Rússia
COMPLICAÇÃO APÓS CIRURGIA
Juiz aposentado e ex-diretor da Agepen, Ailton Stropa, morre em São Paulo
CAMPEONATO
Dois jogos fecham 3ª rodada do Sub-17 nesta quarta-feira
Em Dourados no estádio da Leda, o Operário AC recebe o Ivinhema
DOURADOS
Adolescente apresenta RG falso, mas acaba preso com maconha em mala
ORDEM DO DIA
Deputados devem analisar dois Projetos de Lei nesta quarta-feira
DOURADOS
Homem é flagrado nu sobre menina de 7 anos
TELEVISÃO
Vinícius não consegue reproduzir prato de Paola e é eliminado do Masterchef
DESCAMINHO
Polícia apreende três veículos com roupas contrabandeadas do Paraguai

Mais Lidas

DOURADOS
Dupla é presa por tentativa de homicídio contra vendedor de espetinhos
TRAGÉDIA
Vítimas fatais de acidente na BR-262 são identificadas
FRONTEIRA
Pecuarista é executado a tiros durante emboscada
DEFRON
Traficante condenado a mais de 12 anos é preso em Dourados