Menu
Busca quarta, 19 de setembro de 2018
(67) 9860-3221

Embrapa demonstra as alternativas do inverno

09 agosto 2002 - 17h55

O que devo plantar no inverno? Essa é a pergunta que a maioria dos produtores faz quando estão se preparando para a colheita da safra de verão. A resposta pode ser bem variada, e as alternativas para essa dúvida foram apresentadas hoje, num dia de campo, promovido pela Embrapa Agropecuária Oeste e Embrapa Transferência de Tecnologia, empresas vinculadas ao Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento, em parceria com Fundação Vegetal. Cerca de 100 pessoas, entre técnicos e produtores da região conheceram de perto algumas opções de cultura para o plantio no inverno, que é considerado um estação longa e duvidosa.
Os pesquisadores da Embrapa dividiram a apresentação em cinco temas: As culturas de inverno para supressão de plantas daninhas, Cultivares de trigo, aveia e triticale, cultivares da cevada, misturas de espécies vegetais para cobertura do solo no inverno e cultivares de aveia para forragem e cobertura do solo.
Segundo o chefe geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Ubirajara Fontoura, o objetivo do evento é fazer transferência de conhecimento com o objetivo de contribuir para a sustentabilidade do agronegócio. “Nós temos a obrigação de repassar os resultados de nossas pesquisas aos produtores. É preciso que eles conheçam cada possibilidade para haver um planejamento melhor de como e quando podem investir”.
Durante, o Dia de Campo pela Embrapa, os visitantes puderam conhecer por exemplo, as vantagens de algumas culturas, como o nabo forrageiro. A planta é uma poderosa aliada na supressão de plantas daninhas. A opção é indicada para o produtor não deixar o solo sem cobertura e desprotegido. “O produtor que optar pelo plantio do nabo, além de conservar os nutrientes do solo para a próxima safra, vai economizar no uso de herbicidas”, afirma André Luiz Melhorança, pesquisador da Embrapa. André explica também, que os gastos com herbicidas são responsáveis por 20% do custo da produção, o que acaba reduzindo o lucro do produtor. O nabo forrageiro tem um custo bem reduzido. O produtor vai gastar em média R$15,00 de semente por hectare e além disso não é preciso gastar com adubação.
Uma outra alternativa bastante atraente e pouco explorada é o triticale. O híbrido que é uma mistura de trigo e centeio é uma planta rústica que suporta muito bem as variações climáticas, e por esse motivo, é uma ótima saída para o produtor que não gosta muito de se arriscar. O triticale pode ser usado na fabricação de pão e ração, e de acordo com o supervisor da Área de Negócios Tecnológicos da Embrapa, Euclides Maranho, a planta ainda pode servir para outras finalidades. “O triticale é uma ótima planta para ser usada como cobertura do solo e pode ser usada também na composição do fêno. Com isso, acontece a integração agricultura e pecuária e toda cadeia produtiva sai ganhando” finaliza.


Deixe seu Comentário

Leia Também

EMPREGO
Governo lança consulta para ouvir sociedade sobre futuro do trabalho
FISCALIZAÇÃO
Agência interdita sete aeronaves de MS por irregularidade
COMBUSTÍVEL
Preço do GLP industrial terá aumento de 5% a partir de amanhã
AVALIAÇÃO
Juiz autoriza laudo de sanidade mental para agressor de Bolsonaro
SEXTA-FEIRA
Noite de homenagens marca o Dia do Administrador em Dourados
POLÍCIA
Veículo roubado é recuperado pela PRF com menor na direção
EDUCAÇÃO
UEMS abre inscrições para o Mestrado em Ensino em Saúde
CORUMBÁ
Foragido que se passava por policial federal é preso Bolívia
CAARAPÓ
Vereador assumirá município no lugar de prefeito cassado
JUSTIÇA
Famasul não tem legitimidade para impedir demarcação de terras

Mais Lidas

DOURADOS
Colisão frontal mata passageiro de caminhonete e deixa três pessoas feridas
DOURADOS
Idoso encontrado morto na pedreira foi vítima de latrocínio
MS-164
Trio é flagrado com mais de 1t de maconha no Copo Sujo
DOURADOS
Homem esfaqueado pelo filho morre no Hospital da Vida