Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
(67) 99659-5905
IBGE

Trabalhador informal ganha quase R$ 1 mil a menos em MS

07 novembro 2019 - 13h05Por André Bento

Dados da Pnad Contínua divulgada nesta semana pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o trabalhador informal tem rendimento quase R$ 1 mil inferior ao de quem está inserido no mercado de trabalho formal em Mato Grosso do Sul.

O levantamento tem como parâmetro 2018 e apresenta uma síntese de indicadores sociais com análise das condições de vida da população brasileira. Segundo o instituto, nela é sistematizada “um conjunto de informações sobre a realidade social do País, a partir de temas estruturais de grande relevância para a construção de um quadro abrangente sobre as condições de vida da população brasileira”.

Especificamente quanto ao rendimento dos trabalhos formais no Estado, no ano passado foi apurado valor médio de R$ 2.500. Entre informais, a cifra indicada é de R$1.559, diferença de R$ 941. “A diferença maior de rendimento foi registrada entre pessoas brancas: no trabalho formal, era de R$ 2.990, contra R$ 1.995 no trabalho informal – diferença de R$ 1.004”, detalhou o IBGE.

Um exemplo vivo disso é o ambulante Amado Munize, de 55 anos. Após ser demitido de uma indústria alimentícia, está há três no mercado informal. Com a mudança, viu a renda cair vertiginosamente e hoje fatura entre R$ 30,00 e R$ 40,00 por dia.

Quanto ao total da população ocupada, em 2017 o IBGE verificou que 61,8% contavam com trabalho formal no Estado. "Em 2018, essa proporção se manteve estável, ficando em 62% - 7ª maior proporção do país. Da mesma forma, entre os homens e as mulheres, essa proporção manteve-se no período, com 62,5% e 60,8% respectivamente”, acrescentou. 

Esse cenário econômico ocorre no estado com a terceira menor taxa de desocupação do país. Em 2014 ela era de 4,1%, aumentou continuamente até 9,5% em 2017, mas voltou a cair no ano seguinte, para 8%. “A média nacional foi de 12,5%”, aponta o levantamento.

“Na comparação por sexo, a taxa de desocupação foi maior entre as mulheres (9,5%) do que a dos homens (6,7%); por cor ou raça, a taxa de desocupação entre pessoas pretas ou pardas foi de 8,9%, enquanto que das pessoas brancas foi de 6,6%”, pontuou.

Foi apurado ainda que o grupo etário mais afetado pela desocupação é o das pessoas entre 14 e 29 anos de idade. “Para esse grupo, a taxa de desocupação, que era de 6,3% em 2014, aumentou ano após ano, até alcançar 17,6% em 2017, mantendo-se em 14,8% em 2018”.

Na quarta-feira (6) o Dourados News mostrou outro dado da Pnad Contínua que aponta em Mato Grosso do Sul aproximadamente 111 mil jovens com idade entre 15 e 29 anos na chamada geração “nem-nem”, grupo composto por pessoas que não estão ocupadas no mercado de trabalho, estudando ou se qualificando. (clique aqui para ler mais)

*Colaborou Vinicios Araújo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Pai recebe vídeo de bebê sendo forçado a beber pimenta e denuncia
INFLUENZA
Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até 30 de junho
SAÚDE
Cartilha na língua terena informa sobre cuidados com a Covid-19
PAGAMENTO
Salário dos servidores estaduais estará dispinívels no dia 05 de junho
TRÊS LAGOAS
Polícia investiga morte de bebê de seis meses após queda de carrinho
ECONOMIA
Saque aniversário do FGTS poderá ser usado para garantir empréstimos
TRÁFICO
Polícia apreende 743 quilos de maconha que seguiria para a Capital
RECURSOS
Estado repassa R$ 6 milhões para auxiliar ações na saúde de Dourados
ECONOMIA
Novo Plano Decenal de Energia trará ajustes por causa da pandemia
DOURADOS
Bancários empossam nova diretoria no domingo

Mais Lidas

DOURADOS
Protocolo é seguido e mulher vítima do coronavírus é enterrada sem despedida de familiares
MAIORIA JOVENS
Vítima fatal da Covid-19 faz parte da faixa etária com mais casos da doença em Dourados
COVID-19
Curva segue ascendente e Dourados ultrapassa 200 casos de coronavírus
PANDEMIA
Comitê diz que Dourados não é epicentro do novo coronavírus e descarta lockdown