Menu
Busca sábado, 21 de julho de 2018
(67) 9860-3221

Reajuste de 9% do Mínimo foi pequeno, avalia Força Sindical MS

27 dezembro 2012 - 14h04


O aumento de 9% do Salário Mínimo para vigorar a partir de 1º de janeiro de 2013, passando de R$ 622,00 para R$ 678,00, foi pequeno em comparação aos percentuais de anos anteriores e também pela valorização do trabalhador brasileiro. A opinião é de Idelmar da Mota Lima, presidente da Força Sindical Regional Mato Grosso do Sul e presidente da Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços de Mato Grosso do Sul – Fetracom/MS.

“Os trabalhadores brasileiros estão mais valorizados. Por isso precisam ser melhores remunerados”, afirma Idelmar que coloca o valor do salário mínimo como “uma referência” para se estabelecer o salário das diversas categorias de trabalhadores brasileiros.

O anúncio do novo mínimo foi feito dia 24 e o decreto foi publicado no Diário Oficial da União na quarta-feira, 26. De acordo com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, que fez o anúncio a pedido da presidenta Dilma Rousseff, o reajuste de cerca de 9%, considerou “a variação real do crescimento” (2,7%) e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor – INPC (6,1%).

Para o presidente da Força Sindical MS, o salário mínimo brasileiro deveria ser pelo menos três vezes maior, para cobrir de fato todo o custo de vida de uma família. “Mas, felizmente a força de mercado acaba estabelecendo esses valores e colocam o salário mínimo como uma referência para se estabelecer os valores reais que cada um deve ganhar”, explicou o sindicalista.

O presidente da Feintramag (Federação Interestadual dos Trabalhadores na Movimentação de Mercadorias de MT e MS), José Lucas da Silva, também considerou baixo o reajuste do salário mínimo brasileiro. Para ele o percentual deveria avançar mais para se fazer “justiça” com o trabalho do povo brasileiro.

“Nossos profissionais precisam ser melhores valorizados. O valor do salário mínimo deveria cobrir as necessidades básicas de cada família. Ou seja, permitir o seu sustento em todas as áreas: alimentação, vestuário, moradia, educação, saúde e até lazer”, afirmou o sindicalista que representa também a CNTC (Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio) e a CSP (Central Sindical de Profissionais).

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Saiba quais são os temas mais debatidos pelos brasileiros no Facebook
DOURADOS
Interdistrital tem clássico em Vila Vargas amanhã
TRÂNSITO
Motociclista morre após acidente em avenida movimentada da Capital
BRASIL
PMN decide não ter candidato à Presidência nem fazer alianças
FUTEBOL
Clássicos regionais podem definir novo líder hoje no Brasileirão
LOTERIA
Mega Sena pode pagar R$ 62 milhões neste sábado
CAMPO GRANDE
Homem escala torre de energia e cai ao encostar na rede de alta tensão
ELEIÇÕES 2018
Mesmo com Puccinelli preso, MDB retoma na segunda preparativos para lançamento de sua candidatura
ELEIÇÕES 2018
PDT lança Odilon ao governo e se alia ao Pros e Podemos
CAMPO GRANDE
Mulher morre ao bater carro na traseira de caminhão parado

Mais Lidas

ALBINO COM A JOAQUIM
Músico morre quatro dias após acidente no Centro de Dourados
ÁGUA BOA
Ferido com tiro durante comemorações na Copa é preso com drogas em Dourados
LAMA ASFÁLTICA
Puccinelli, filho e advogado são presos na Capital
DOURADOS
Vereador é assaltado por dupla armada ao chegar em casa