Menu
Busca terça, 20 de novembro de 2018
(67) 9860-3221

Marçal Filho quer tirar a Sudeco do papel

02 junho 2011 - 06h24

O deputado federal Marçal Filho (PMDB) deu ontem mais um passo no sentido de fazer com que a Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), instalada recentemente pela presidente Dilma Rousseff, passe a funcionar efetivamente, beneficiando não apenas o Mato Grosso do Sul, mas, também, os Estados do Mato Grosso, Goiás e o Distrito Federal.

O deputado acompanhou o governador André Puccinelli (PMDB) e integrantes da bancada federal, em audiência na manhã de ontem com o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra. “Levamos ao ministro nossa preocupação com a demora na nomeação do comando da Sudeco, mesmo porque a superintendência é estratégica para obras importantes no Estado”, explica Marçal Filho.

O deputado explica que a pauta da audiência foi dominada pela reivindicação que o governo federal acelere a nomeação do dirigente da Sudeco. Marçal Filho entende que o atraso nessa nomeação tem prejudicado a tramitação de projetos de grande importância para o Estado e para toda a região Centro-Oeste. “Isso porque, para possibilitar a recriação da Sudeco, a Secretaria de Desenvolvimento do Centro Oeste (SCO), teve de ser extinta e todos os seus então dirigentes exonerados, de forma que os 23 cargos que poderiam ter migrados para a Superintendência estão sem função por falta de nomeação”, enfatiza Marçal Filho.

O impasse quanto à nomeação do superintendente inviabilizou o andamento dos projetos de responsabilidade da pasta. “Esse quadro nos preocupa muito, sobretudo se atentarmos para o que determina o Decreto Presidencial 7.468 que deve cancelar todos os contratos e convênios inscritos em restos à pagar de 2009, que não forem liquidados até 30 de junho próximo”, argumenta Marçal Filho. “Somente o Mato Grosso do Sul perderia milhões em recursos caso os projetos não caminhem na Pasta” explica o deputado.

Tanto Marçal Filho quanto o governador André Puccinelli, lembraram ao ministro Fernando Bezerra que a Secretaria de Desenvolvimento do Centro-Oeste era responsável pela grande maioria dos projetos nas áreas de drenagem, pavimentação, urbanização de córregos dentre outras várias frentes de infra-estrutura e desenvolvimento econômico. “Não podemos permitir que a burocracia atrapalhe a vida das pessoas, mesmo porque a Sudeco foi recriada para solucionar e não para gerar problemas”, desabafa Marçal Filho.

O ministro Fernando Bezerra garantiu que o problema tem solução ainda esta semana, mas pediu gestões da bancada federal junto à Casa Civil para acelerar a nomeação do superintendente e chamou a atenção para que os Estados da região Centro-Oeste se mobilizem em conjunto nesses esforços. Recentemente, o governo federal, determinou a criação de um grupo de trabalho, dentro do Ministério da Integração Nacional, com o objetivo de criar um plano de reformulação das Sudam, Sudene e agora da Sudeco, com o objetivo de criar melhores condições de atuação e trabalho para essas regiões.

Na oportunidade o governador e a bancada de MS pediu ao ministro Fernando Bezerra a inclusão no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do projeto de obras da Sul-Fronteira, rodovia que nasce em Ponta Porã e liga toda região de fronteira até a divisa com o Paraná. O argumento é de que em orçamentos anteriores o governo federal cortou os recursos garantidos pela bancada através de emendas ao OGU. “A inclusão do Projeto no PAC sanaria este problema, pois tais recursos não são contingenciáveis”, apontou o deputado. O ministro se comprometeu a trabalhar pela inclusão, mas de novo salientou a necessidade de gestão da Bancada junto à Casa Civil sobre o assunto.

###BANCO
A atuação do deputado federal Marçal Filho em defesa tanto da recriação, quanto da autonomia financeira da Sudeco vem de outros mandatos. Mais recentemente, o parlamentar enfatizou que a superintendência só terá condições de atender as reais necessidades da região se o governo federal criar o Banco de Desenvolvimento do Centro-Oeste. “Sem esse banco é impossível falar em fomento, já que a Sudeco não terá autonomia financeira para fazer os projetos andarem”, enfatizou Marçal Filho durante pronunciamento na Câmara dos Deputados.

Marçal defende a criação do banco para apoiar projetos de desenvolvimento nos Estados da região Centro-Oeste, num papel similar ao que o Banco da Amazônia S.A. (Basa) e o Banco do Nordeste do Brasil (BNB) exercem para a Amazônia e para o Nordeste. A principal fonte de receitas será o Fundo Constitucional do Centro-Oeste, criado pela Constituição de 1988 juntamente com os Fundos Constitucionais do Norte (FNO) e do Nordeste (FNE). Os três fundos recebem 3% da arrecadação anual do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), na seguinte proporção: 1,8% para o Nordeste, 0,6% para o Norte e 0,6% para o Centro-Oeste.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORUMBÁ
PF desarticula esquema de facilitação de entrada de estrangeiros no Brasil
PONTO
Câmara de Dourados implanta biometria para registro de frequência de servidores
BRASIL
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
PROCON
Mais de 20 empresas estarão negociando dívidas com consumidores douradenses no Centro
LADÁRIO
Irmãos são assassinados a tiros após briga entre vizinhos
MATO GROSSO DO SUL
Projeto de Lei proíbe filmar professor em sala de aula sem autorização
TV
Repórter da Globo, Fabíola Andrade nega assédio e diz que colega a procurou
ADOLESCÊNCIA MASCULINA
Por que os meninos adolescentes precisam de um especialista
DOURADOS
Homem que energizou cerca onde menor morreu é preso em flagrante por homicídio
ELEIÇÕES
Após campanha ‘quente’, votação da OAB tem início tranquilo em Dourados

Mais Lidas

DOURADOS
Antes de ser assassinado, homem passou por ‘tribunal do crime’
DOIS MESES DEPOIS
Acusados de matar rapaz em Dourados serão apresentados hoje
MARCELO PILOTO
Traficante brasileiro é expulso do Paraguai após matar mulher em cela
VILA SÃO BRÁS
Mulher acorda e flagra ladrão dentro de casa em Dourados