Menu
Busca sábado, 25 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221
TRABALHO

Justiça reconhece vínculo entre empresa de entrega e motoboys

06 dezembro 2019 - 18h50Por G 1

A Justiça do Trabalho do estado de São Paulo determinou que a empresa de entregas Loggi reconheça o vínculo trabalhista dos motoboys que prestam serviço para a companhia.

A decisão da 8ª Vara do Trabalho de São Paulo foi publicada nesta quinta-feira, dia 05 de dezembro. O Ministério Público do Trabalhou moveu a ação em agosto do ano passado.

Na decisão, a juíza Lávia Lacerda Mendez determina que a Loggi limite a jornada dos motoristas a oito horas, implemente descanso semanal de 24 horas consecutivas e faça registro em sistema eletrônico de todos os motoristas que tiveram alguma atividade nos últimos dois meses.

A empresa também terá de fazer o pagamento adicional de periculosidade aos motofretistas e precisará fornecer capacetes e coletes de segurança para os trabalhadores.

Autônomos ou empregados? Motoboys dividem opiniões sobre trabalho com aplicativos de entrega em SP
Em setembro, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que os motoristas que trabalham para serviços de transportes por aplicativo, como Uber, não têm qualquer tipo de vínculo trabalhista com as empresas.

À época da decisão, especialistas ouvidos pelo G1 disseram que esse entendimento vem sendo mal interpretado. Para eles, cabe à Justiça do Trabalho decidir sobre as questões trabalhistas envolvendo aplicativos de transporte de passageiros.

Procurada, a Loggi informou que "lamenta" a determinação da Justiça do Trabalho e que "a decisão pode ser revista pelos tribunais superiores".

A Loggi disse ainda que só cadastra profissionais que sejam Microempreendedores Individuais (MEI) e que "disponibiliza seguro contra acidentes, oferece cursos de pilotagem, realiza campanhas permanentes de segurança no trânsito e disponibiliza locais para descanso e convívio."

Em junho, o motoboys disseram que a grande oferta de mão de obra permitiu que as plataformas reduzissem os valores pagos e assumissem por completo o controle da operação. "No começo era mil maravilhas, os caras pagavam bem, 100%, hoje em dia não. Eles escracharam mesmo o mercado de trabalho", disse o motoboy Alan Rocha.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CONTRABANDO
Casal é preso com mais de R$ 400 mil em relógios e celulares
POLÍTICA INTERNACIONAL
Brasil e Índia assinam acordos em tecnologia, energia e segurança
CAPITAL
Homem é atacado por pitbull em praça quando brincava com os filhos
TRÁFICO DE DROGAS
Cocaína apreendida em Ponta Porã seria levada para Brasília
BRASIL
Vale considerava 7 barragens mais críticas que a de Brumadinho
DOURADOS
Após quatro dias, homem procura polícia para registrar roubo de bicicleta
INVESTIGAÇÃO
Populares encontram corpo com sinais de espancamento na Capital
REGIÃO
DOF intercepta comboio com produtos contrabandeados
PARQUÍMETRO
Lei isenta grávidas de pagar estacionamento rotativo em Dourados
MS
Homem é acusado de colocar sedativo no leite para abusar de enteada

Mais Lidas

TRAGÉDIA
Pai e filha moradores de Dourados morrem em acidente no Paraná
DOAÇÃO
Órgãos captados em Dourados vão salvar vidas em três Estados
TRÁFICO
‘Espaço de lazer’ em Dourados era usado para guardar drogas e abrigar fugitivos
DOURADOS
Assassinato na Vila Rosa aconteceu por ciúmes durante manutenção em porta