Menu
Busca domingo, 19 de maio de 2019
(67) 9860-3221
DOURADOS

Juiz condena sócio da Campina Verde e gestor por fraude de R$ 79 milhões

15 março 2019 - 21h20Por Da Redação

Uma das principais denúncias envolvendo o uso de laranjas e “empresas satélites” para a negociação de grãos e, desta forma, burlar-se os fiscos federal e estadual, teve um primeiro desfecho mais de dez anos depois de ser levada à Justiça Federal. Os empresários Aurélio Rocha e Roberto Ferreira foram condenados a 6 anos e 9 meses de prisão, em regime semiaberto, em ação que apurou fraudes superiores a R$ 79 milhões envolvendo a Região Sul Agrícola, uma das empresas envolvidas no Caso Campina Verde –surgido em Dourados.

As investigações, que nesta ação foram conduzidas pelo MPF (Ministério Público Federal), apuraram o uso de empresas de fachada, registradas em nome de laranjas, para negociar grãos da Campina Verde. Essas “satélites” funcionavam por períodos curtos de tempo, movimentando altas quantias e, antes de efetuarem o pagamento de tributos, fechavam as portas.

A sentença do juiz Bruno Teixeira, da 3ª Vara Federal de Campo Grande, absolveu outros suspeitos de participação no caso –o também empresário Nilton Fernando Rocha, irmão de Aurélio, e os contadores Paulo Roberto Campione, Milton Carlos Luna e José Américo Maciel das Neves, que figuraram em outras ações sobre o caso mas, conforme o magistrado, não tiveram em relação às denúncias acerca da Região Sul Agrícola. Os sentenciados poderão recorrer em liberdade.

As denúncias começaram a surgir em 2005, quando, conforme o MPF, a Receita Federal realizou diligências na Região Sul Agrícola para apurar suposta movimentação financeira incompatível com os valores declarados a partir de 2003. Os dados foram obtidos com dificuldade, já que os dois sócios da empresa não foram encontrados.

Já a administração da sociedade foi incumbida a Roberto Ferreira, procurador da mesma, que a princípio afirmou não ter documentos sobre a movimentação de dinheiro da Região Sul –lançamentos da Receita chegaram ao valor de R$ 79.489.564,76 em impostos devidos, diante de operações superiores a R$ 290 milhões.

O MPF sustentou que contadores cuidavam dos registros das empresas em nome de “laranjas” –uma das donas da Região Sul seria copeira em diversas empresas pertencentes aos irmãos Rocha, enquanto o outro foi o próprio filho de Ferreira. Este chegou a prestar três depoimentos: em 2005, dizendo que cedeu o nome ao pai; e em 2008, primeiro, alegando ter atendido a pedido de Aurélio Rocha em troca de uma mensalidade e, na sequência, reformulando a afirmação dizendo que pretendia apenas prejudicar o pai.

Com informações do site Campo Grande News.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PALMEIRAS
Goleada amplia recorde do Palmeiras no Brasileirão; elenco credita sucesso a Felipão
DIREITOS HUMANOS
Menores vítimas de violência sexual costumam mostrar sinais
Pais e professores devem estar atentos a mudanças de comportamento
RODOVIÁRIA
Mulher é presa em Dourados com maconha que seria entregue no RS
VILA NASSER
Jovem é encontrado morto com sinais de espancamento em Campo Grande
SÉRIE D
Operário vence e respira, Corumbaense perde em casa e ressuscita Iporá
TV
Sandy e Júnior foram concebidos no mesmo dia da semana, diz mãe
CAPITAL
Membro do PCC ‘especializado’ em arremessar droga para dentro de presídios é preso
Prisão ocorreu no Jardim Noroeste, na madrugada deste domingo; Foi presa ainda uma mulher que registrava o crime em fotos e outra que era dona da cada onde estava o entorpecente.
'FÉZINHA'
Mega-Sena acumula e deverá pagar R$ 12 milhões no próximo sorteio
DOURADOS
Mulheres são presas ao tentar levar droga para maridos na PED
BRASIL
Previsões para o crescimento da economia estão cada vez menores

Mais Lidas

DOURADOS
Internos do Semiaberto são flagrados com droga e bebida em ônibus que os levava para trabalhar
DOURADOS
Encontro de carros antigos começa hoje e vai até amanhã no Centro de Convenções
DOURADOS
Homem é baleado durante a madrugada na Vila Cachoeirinha
JUTI
Catador de recicláveis é assassinado a pauladas