Menu
Busca sexta, 19 de julho de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Inflação medida pelo IPC-S registra alta de 8,63% em 12 meses

01 junho 2015 - 13h45

Agência Brasil

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) encerrou o mês de maio com taxa de 0,72%, o que representa um avanço de 0,04 ponto percentual em relação ao resultado da terceira prévia do mês (0,68%). No acumulado, desde janeiro, o índice apresenta alta de 5,55% e, nos últimos 12 meses, 8,63%.

O levantamento é do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV) com base nas variações de preços em sete capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília.

O ritmo de alta dos preços de maio superou à da terceira prévia em três dos oito grupos pesquisados com destaque para despesas diversas, que subiram de 0,66% para 2,67%. O aumento foi influenciado, principalmente, pelo reajuste do valor dos jogos de loteria, que teve alta de 20,62%.

Em habitação, a taxa aumentou de 0,74% para 0,81% ainda sob o efeito da tarifa de energia elétrica, que subiu de 1,93% para 2,07%. No grupo alimentação, houve elevação de 0,82% sobre uma alta de 0,76%. Entre os itens alimentícios que ficaram mais caros estão as hortaliças e legumes (de 7,87% para 9,58%).

Já em comunicação ocorreu queda de 0,07%, ante 0,05%. A queda decorreu, em parte, da variação do preço da mensalidade para os serviços de internet. Essa mensalidade elevou-se em 0,27%, na pesquisa anterior, e, nesta, ficou praticamente estável com taxa de 0,01%.

Nos demais grupos, os reajustes perderam força. Em saúde e cuidados pessoais, a taxa passou de 1,51% para 1,21%, influenciado pela baixa nos medicamentos em geral (de 3,27% para 1,92%). No grupo transportes, houve alta de 0,09% sobre um aumento de 0,12% com destaque para a queda na tarifa de ônibus urbano (de -0,04% para -0,27%).

Em vestuário, o índice apontou elevação de 0,86%, taxa inferior à última apuração (1%). As roupas femininas foram as que mais influenciaram este resultado, ao passar de alta de 1,29% para 0,93%. No grupo educação, leitura e recreação, o índice teve variação de 0,4%, ligeiramente abaixo da alta passada (0,42%). Neste caso, foi verificada elevação mais branda nos ingressos para as salas de espetáculo (de 3,05% para 2,23%).

Os cinco itens de maior influência inflacionária foram: tarifa de energia elétrica (2,07%); jogo lotérico (20,62%); tomate (17,47%); cebola 32,26%; refeições fora de casa (0,72%. Em sentido oposto, os itens que mais reduziram a pressão inflacionária foram: tangerina (-28,82%); mamão papaya (-13,94%); alface (-7,14%); tarifa de telefone residencial (-0,87%) e laranja-pera (-6,25%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU!
Namorada de Enzo Celulari, Victória Bartelle se refresca em dia de sol
POLÍCIA
PF suspende inquéritos que usam dados do Coaf sem aval da Justiça
BRASIL
ANTT publica novas regras para cálculo do frete mínimo dos caminhoneiros
CORUMBÁ
Médico suspeito de cobrar por cirurgia no SUS é denunciado por abuso sexual
JUDICIÁRIO
Goleiro Bruno obtém progressão de pena para o regime semiaberto
TECNOLOGIA
UEMS oferece curso gratuito de informática básica em Dourados
SAPUCAIA
Motocicleta furtada é recuperada e condutor é preso por receptação
DESVIOS DA PETROBRAS
Ex-sanador Romero Jucá e Sérgio Machado viram réus na Lava Jato
ELDORADO
Falsa farmacêutica participava de campanhas e vacinava pacientes
JUDICIÁRIO
Vítima de agressões de ex-marido será indenizada por danos morais

Mais Lidas

DOURADOS
Execução de comerciante douradense foi “comemorada” com tiros em bairro da periferia
DOURADOS
Indígenas invadem propriedade e atacam policiais com flechas e coquetel molotov
DINHEIRO NOVO
Governo deve anunciar ainda esta semana a liberação de saques do FGTS
POLÍCIA
Polícia prende ladrão de moto e descobre ‘boca de fumo’ no Dioclécio Artuzi