Menu
Busca segunda, 16 de julho de 2018
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Greve dos caminhoneiros provoca estragos na economia e deve dificultar retomada

13 julho 2018 - 13h05Por G 1

Houve recuo nas cinco atividades investigadas, com destaque para transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio, que apontou a retração mais intensa (-9,5%) da série histórica iniciada em janeiro de 2011.

Indústria desaba

Em maio, a indústria brasileira recuou 10,9% no mês na comparação com abril. Foi a maior queda do setor desde dezembro de 2008, quando a crise internacional prejudicou a indústria e derrubou a produção em 11,2%. O mês de maio mostrou também o segundo pior resultado da série histórica iniciada em 2002.

Também afetada pela greve, a produção de veículos no Brasil caiu 15,3% em maio, frente ao mesmo período do ano passado, segundo a Anfavea. É a primeira queda neste tipo de comparação desde outubro de 2016, interrompendo uma sequência de 18 meses de altas.

A análise detalhada do desempenho do setor em maio mostrou que a indústria caiu em 14 dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Varejo piora

As vendas do comércio varejista brasileiro caíram 0,6% em maio na comparação com abril. Foi a primeira queda registrada neste ano. Todas as atividades do comércio tiveram perdas em maio, à exceção de hipermercados e supermercados.

 

Piora na percepção de risco do Brasil

A resposta do governo para encerrar a greve foi mal vista pelo mercado. A paralisação dos caminhoneiros resultou na queda do presidente da Petrobras, Pedro Parente. Foi na gestão de Parente que a estatal definiu a política de preços para combustíveis.

Para analistas, ao ceder para os caminhoneiros, a imagem que ficou é que o governo voltou ceder a pressões políticas e perdeu credibilidade no mercado.

Com essa piora da visão, houve uma rodada de detorioração dos ativos brasileiros, uma clara sinalização de aumento de mau humor dos investidores com o país. No auge da turbulência, o dólar superou a barreira dos R$ 4 e a bolsa de valores perdeu o patamar de 70 mil pontos.

Inflação dispara

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu para 1,26% em junho - em maio, marcou apenas 0,4%. Foi a maior taxa para o mês de junho desde 1995, quando ficou em 2,26%. E foi a primeira vez desde janeiro de 2016 que o índice fica acima de 1,%.

Em junho, o grupo alimentação e bebidas foi o que mais influenciou o resultado mensal, sendo responsável por 0,50 ponto percentual da composição da taxa no mês. As principais altas ficaram com o leite longa vida (de 2,65% em maio para 15,63% em junho) e o frango inteiro (de -0,99% em maio para 8,02% em junho).

Deixe seu Comentário

Leia Também

COTAÇÕES
Dólar fecha em queda nesta segunda-feira
MULHERES
Marina Ruy Barbosa e Abrahão acertam com camiseta e jeans; confira e inspire-se!
ESPAÇO VEST
Senai leva design gráfico e orientação sobre mídias sociais a evento
FAMOSOS
Grazi Massafera posa com a filha ao lado de elefante
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
Frango com inhame é a dica desta segunda-feira do Comer Bem
ARQUITETURA
Constra entre madeira e concreto aparente criam personalidade a apê de 220m²
ECONOMIA
Governo antecipa primeira parcela do 13º de aposentados e pensionistas
FUTEBOL
Conmebol divulga logo e faz contagem regressiva para Copa América no Brasil
ÁREA NOBRE
Vândalos incendeiam quiosques em praça na região Norte de Dourados
JUDÔ
Douradense é convocada para disputa do Grand Prix da Croácia

Mais Lidas

ACIDENTE
Douradense morre horas depois de cair do cavalo em fazenda
RESIDENCIAL BONANZA
Homem atropela casal em Dourados após ser contrariado
DOURADOS
Homem é assassinado na porta da própria casa
DOURADOS
Homem é atropelado após “roletar” avenida com bicicleta motorizada