Menu
Busca terça, 16 de outubro de 2018
(67) 9860-3221
MUDANÇA

Governo estuda liberar FGTS para pagamento do Fies e crédito consignado

31 outubro 2017 - 13h05Por G 1

O governo federal estuda a liberação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para pagar dívidas do Fundo do Financiamento Estudantil (Fies) e do crédito consignado.

Pelas mudanças que vêm sendo estudadas, quem tiver empréstimo consignado - quando o desconto já vem na folha de pagamento - e perder o emprego poderá pagar parte da dívida com o FGTS. Haverá um limite: 10% do fundo poderá ser usado para isso.

A regra valeria para quem pedir demissão ou for demitido por justa causa, e também para futuras demissões acordadas entre patrões e empregados.

Atualmente, só tem direito a sacar o FGTS quem é demitido sem justa causa.

As medidas em estudo também preveem que quem tem dívida do Fies poderá usar o dinheiro do fundo para pagar o empréstimo. Essa possibilidade foi incluída em uma medida provisória que está na Câmara dos Deputados.
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SOLIDARIEDADE
Amambai se une na busca por idoso de 86 anos desaparecido
PROSEGUR
Oito brasileiros são condenados por mega-assalto no Paraguai
TRÁFICO
Jovens são flagrados com droga que seria entregue no Guarujá
ELEIÇÕES 2018
Denúncias de fraude em urnas serão registradas on-line
FUTEBOL
STJD nega recurso e Sassá está fora da final da Copa do Brasil
SHOWBIZ
Processado, Eduardo Costa rebate a ex e diz que ela quer se expor
UFGD
Abertas inscrições para 420 vagas em cursos de mestrado e doutorado
DECRETO DOS PORTOS
PF indicia Temer por corrupção, lavagem e organização criminosa
JUSTIÇA
Aérea é condenada a indenizar passageiros por malas danificadas
ELEIÇÕES 2018
Reinaldo vai ao TRE, que propõe campanha sobre erros na urna

Mais Lidas

DOURADOS
Família busca notícias de mulher que abandonou carro e embarcou na rodoviária
JARDIM MONTE LÍBANO
Policiais douradenses são presos por assalto a família
DOIS DIAS DEPOIS
Servidora pública é encontrada nos fundos de residência que estava para alugar
DOURADOS
Cinco anos após crime, acusados pela morte de vendedor douradense vão a júri popular