Menu
Busca segunda, 19 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
BRASIL

Dólar fecha em leve queda, de olho no exterior e no cenário político

09 novembro 2018 - 17h50Por G1

O dólar fechou em leve baixa nesta sexta-feira (9), após passar a maior parte da sessão em alta. Os investidores acompanharam o mercado externo, depois que o banco central dos Estados Unidos reafirmou sua postura de política monetária na véspera, e monitoraram a cena política local à espera de novidades sobre a equipe econômica do presidente eleito Jair Bolsonaro.

A moeda norte-americana recuou 0,09%, vendida a R$ 3,7350. Na máxima do dia, o dólar foi a R$ 3,7753.  Na semana, a moeda acumulou alta de 1,10%

Na véspera, o Federal Reserve (BC dos EUA) manteve os juros entre 2 e 2,25%, afirmando que o "mercado de trabalho continuou a se fortalecer e... a atividade econômica tem crescido em um ritmo forte", deixando intacto seu plano de continuar a elevar juros gradualmente, destaca a Reuters.

Uma alta de juros nos EUA tende atrair para o país dinheiro hoje aplicado nos países emergentes, motivando assim uma tendência de alta do dólar.

"Neste panorama residem os temores de mercados emergentes e da China... O ciclo natural de liquidez se volta aos EUA com o aperto monetário e, ao financiar a maior economia global, 'secam' as opções aos outros países", escreveu o economista-chefe da gestora Infinity, Jason Vieira.

Depois das eleições parlamentares nos EUA do início da semana, quando os democratas conquistaram maioria na Câmara dos Deputados dos EUA, começou a crescer a avaliação de que os juros poderiam subir menos no país, já que o presidente Donald Trump teria mais dificuldades de implementar medidas, como novo corte de impostos, facilitando o controle da inflação.

Internamente, os investidores seguiram ansiosos por novidades sobre a equipe de governo, sobretudo sobre o comando do Banco Central, e ainda sobre a reforma da Previdência, de acordo com a Reuters.

No dia anterior, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, avaliou que "não é" o fim do mundo aprovar a reforma da Previdência no ano que vem, lembrando que este é o prazo com que trabalha o mercado e salientando que o impacto da reforma nas contas públicas aumenta com o passar do tempo.


"A derrota do futuro governo com o aumento dos gastos (aprovação do aumento dos ministros do STF e do Rota 2030 com incentivos a montadoras) para os próximos anos mostrou que a nova cara técnica do futuro governo Bolsonaro precisa ter 'malícia' para negociar com o Congresso", avaliou à Reuters o chefe da mesa de renda fixa de uma corretora estrangeira.

O Banco Central vendeu nesta sessão 13,6 mil contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares. Desta forma, rolou US$ 3,816 bilhões do total de US$ 12,217 bilhões que vence em dezembro. Se mantiver essa oferta diária e vendê-la até o final do mês, terá feito a rolagem integral.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
DOURADOS
Pastoral Universitária da Unigran celebram os sacramentos do batismo e 1ª Eucaristia
DOURADOS
Hemocentro atende em horário diferenciado no próximo sábado
TRÂNSITO
Mudança: Rua Manoel Santiago passará a ser mão única até o Parque Alvorada
JOGOS ESCOLARES
Delegação de MS encerra 1ª fase dos JEJ com 10 medalhas e dois títulos inéditos
CAMPO GRANDE
Identificadas mulheres mortas em acidente na BR-060
BRASIL
Publicada exoneração de Sergio Moro no Diário Oficial da União
DOURADOS
Força-tarefa reúne 100 pessoas e faz limpeza na região central após vendaval
FAMOSOS
Grávida, Sabrina Sato posa de biquíni ao lado do marido
REGIÃO
Moradores acionam PMA e realiza vistoria no Rio da Prata

Mais Lidas

TEMPORAL
Fortes ventos derrubam mais de 30 árvores e deixa rastro de destruição em Dourados
FACADAS
Traficante brasileiro mata namorada dentro de cela no Paraguai
TEMPORAL
Ventos fortes derrubam árvores em Dourados
DOURADOS
Antes de ser assassinado, homem passou por ‘tribunal do crime’