Menu
Busca segunda, 17 de junho de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Dólar fecha em leve alta de olho na cena política

10 junho 2019 - 18h05Por G1

O dólar fechou em leve alta nesta segunda-feira-feira (10), com investidores de olho no cenário político local e nas negociações entre o Executivo e o Congresso em torno da tramitação de reformas.

A moeda norte-americana encerrou o dia em alta de 0,16%, vendida a R$ 3,8838. Na máxima do dia chegou a R$ 3,8989, e na mínima, a R$ 3,8673. 

O BC vendeu nesta segunda-feira todos os 5,05 mil contratos de swap cambial tradicional ofertados em rolagem do vencimento julho. Em 28 operações, o BC já rolou US$ 7,070 bilhões de um total de US$ 10,089 bilhões a expirar em julho. O estoque de swaps do BC no mercado é de US$ 68,863 bilhões.

A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2019 ficou estável em R$ 3,80 por dólar, segundo pesquisa Focus do Banco Central divulgada nesta segunda. Para o fechamento de 2020, permaneceu em R$ 3,80 por dólar.

Cenário político

A tensão política voltou a rondar o governo nesta segunda-feira, após uma série de reportagens do site Intercept Brasil revelarem, na véspera, uma suposta colaboração entre o então juiz Sergio Moro e o coordenador da operação Lava Jato no Ministério Público Federal, Deltan Dallagnol, destaca a Reuters.

"Internamente o que está pesando não é nem essa incerteza política de reforma da Previdência, da votação orçamentária, é a questão dos desdobramentos que não sabemos quais serão em relação à conversa do Moro", afirmou à Reuters a economista da CM Capital Markets, Camila Abdelmalack.

O mercado também traz no radar a expectativa pela apresentação do parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a reforma da Previdência na comissão especial, o que deve ocorrer na quinta-feira, segundo reportaram jornais.

Cenário externo

No exterior, havia bom humor entre agentes financeiros após Estados Unidos e México chegarem a um acordo na sexta-feira para evitar uma guerra tarifária, com o México concordando em expandir rapidamente um polêmico programa de asilo e enviar forças de segurança para conter o fluxo de imigrantes ilegais da América Central, destaca a Reuters.

A tensão política na cena doméstica, segundo Camila, faz com que o real não seja tão beneficiado quanto outros pares emergentes pelo ambiente mais propício para ativos de risco pelos desdobramentos comerciais entre EUA e México.

Já com relação à disputa entre EUA e China, há expectativa de que ocorra algum avanço mais concreto entre os dois países na reunião de líderes mundiais do G20 no fim do mês, quando os presidentes dos dois países devem se encontrar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Reforma da Previdência vai ser tema de audiência pública na Câmara
É LEI EM MS
Cartazes devem informar em locais públicos direitos de pacientes com câncer
BRASIL
Mercado financeiro espera por cortes na Selic a partir de setembro
DOURADOS
Protesto contra nomeação de reitora tem 'abraço' coletivo e 'tapete alaranjado'
CAMPO GRANDE
Paciente descontrolado ameaça assistentes sociais por demora em atendimento
SUB-19
União goleia e fica perto da vaga na Copa SP do ano que vem
PREVENÇÃO
Secretário da Senad participa da abertura da IV Semana Estadual sobre Drogas
CRIME AMBIENTAL
Polícia prende capataz por caçada e apreende pistola e animais abatidos
FUTEBOL
Japão e Chile estreiam hoje em único jogo da Copa América
JARDIM TROPICAL
Mulheres são assaltadas enquanto saíam de igreja em Dourados

Mais Lidas

POLÍCIA
Casal contratado para levar maconha até Campo Grande é preso em Dourados
FURTO
Jovem é preso enquanto furtava bicicleta dentro de residência em Dourados
ASSALTO
Pastor marido de deputada federal é executado no Rio
POLÍCIA
Após cinco mortes em uma semana, órgãos realizam operação na reserva indígena de Dourados