Menu
Busca sexta, 18 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Dólar fecha em alta, mas termina a semana com desvalorização

12 junho 2015 - 18h15

G1

O dólar se firmou em alta em relação ao real e fechou com valorização, após ter alternado leves altas e baixas durante a manhã desta sexta-feira (12). O mercado é influenciado pelo impasse em torno da dívida da Grécia e a preocupação da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, com a alta do euro contrabalançando a expectativa de ingresso de recursos externos no Brasil diante da perspectiva de mais elevações da Selic.

A moeda norte-americana terminou o dia vendida a R$ 3,1181, em alta de 0,39%.

Incertezas sobre a Grécia continuam entre as preocupações do mercado. Várias autoridades afirmaram à Reuters que a União Europeia discutiu formalmente pela primeira vez a possibilidade de um default da dívida grega, em um momento em que as negociações entre Atenas e seus credores estagnaram e o Fundo Monetário Internacional (FMI). abandonou as discussões.

"Rumores de controles de capital, perdas com dívida e default estão circulando em meio à deterioração nas negociações", escreveram analistas do Scotiabank em nota a clientes.

A possibilidade de um default, que poderia levar Atenas a deixar a zona do euro, vem levando investidores a evitar ativos de maior risco e a moeda europeia, refugiando-se na segurança do dólar. Com isso, a procura pela compra de dólares é maior, estimulando alta da moeda.

Nesta sessão, o avanço global da divisa norte-americana vinha também após a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmar que o fortalecimento do euro torna mais difícil para países como a Espanha e Portugal sentirem os benefícios de reformas econômicas.

No Brasil

Investidores continuavam monitorando o noticiário em busca de pistas sobre o futuro da taxa básica de juros. A percepção ampla do mercado é que a Selic tende a subir pelo menos mais 0,75 ponto percentual, encerrando o ciclo de aperto monetário a 14,50%, o que poderia atrair para o Brasil recursos aplicados nos mercados internacionais.

"O mercado precisa colocar na conta que os juros não vão parar de subir tão cedo e que isso traz capital para o Brasil, apesar de toda a pressão vinda lá de fora", disse à Reuters o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

Além disso, o mercado segue atento a sinalizações de que o Banco Central irá diminuir sua interferência no câmbio. O BC sinalizou nesta semana que pretende rolar uma proporção menor dos swaps cambiais que vencem em julho. Analistas avaliam que a decisão aponta tolerância a um dólar mais alto em relação ao real para estimular a economia via exportações em meio ao ciclo de aperto monetário.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de swaps para rolagem dos contratos que vencem em julho. O BC já rolou o equivalente a US$ 3,006 bilhões, ou cerca de 34% do lote total, que corresponde a US$ 8,742 bilhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Do interior de presídio, líder do PCC ordenou 28 assassinatos em MS
SOLIDARIEDADE
Para respirar fora de hospital, bebê precisa de aparelho de R$ 40 mil
CRIME AMBIENTAL
Paulista é multado em R$ 83 mil por desmatamento em áreas diferentes
OPORTUNIDADES
Concursos com 306 vagas serão realizados em municípios de MS
TRAGÉDIA
Sobe para sete número de mortos na queda de prédio em Fortaleza
UEMS
Dia do servidor terá corrida, caminhada e vacinação na Cidade Universitária
SEMIABERTO
Ex-presidente Lula pede à Justiça para não mudar de regime
ELDORADO
Polícia apreende R$ 300 mil em embarcações usadas por contrabandistas
INTERNACIONAL
Astronautas fazem primeira caminhada 100% feminina no espaço
POLÍTICA
Líder do PSL diz que Bolsonaro tentou comprar deputados com cargos

Mais Lidas

BNH IV PLANO
Polícia investiga morte de bebê logo após parto em Dourados
DOURADOS
Com fim de contrato, empresa começa a retirar lombadas eletrônicas
DOURADOS
Pente-fino teve ‘bate-grade’ e apreendeu drogas, celulares e facas artesanais
DOURADOS
Ladrões invadem e fazem “limpa” em casas