Menu
Busca segunda, 24 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Dólar fecha em alta, mas termina a semana com desvalorização

12 junho 2015 - 18h15

G1

O dólar se firmou em alta em relação ao real e fechou com valorização, após ter alternado leves altas e baixas durante a manhã desta sexta-feira (12). O mercado é influenciado pelo impasse em torno da dívida da Grécia e a preocupação da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, com a alta do euro contrabalançando a expectativa de ingresso de recursos externos no Brasil diante da perspectiva de mais elevações da Selic.

A moeda norte-americana terminou o dia vendida a R$ 3,1181, em alta de 0,39%.

Incertezas sobre a Grécia continuam entre as preocupações do mercado. Várias autoridades afirmaram à Reuters que a União Europeia discutiu formalmente pela primeira vez a possibilidade de um default da dívida grega, em um momento em que as negociações entre Atenas e seus credores estagnaram e o Fundo Monetário Internacional (FMI). abandonou as discussões.

"Rumores de controles de capital, perdas com dívida e default estão circulando em meio à deterioração nas negociações", escreveram analistas do Scotiabank em nota a clientes.

A possibilidade de um default, que poderia levar Atenas a deixar a zona do euro, vem levando investidores a evitar ativos de maior risco e a moeda europeia, refugiando-se na segurança do dólar. Com isso, a procura pela compra de dólares é maior, estimulando alta da moeda.

Nesta sessão, o avanço global da divisa norte-americana vinha também após a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmar que o fortalecimento do euro torna mais difícil para países como a Espanha e Portugal sentirem os benefícios de reformas econômicas.

No Brasil

Investidores continuavam monitorando o noticiário em busca de pistas sobre o futuro da taxa básica de juros. A percepção ampla do mercado é que a Selic tende a subir pelo menos mais 0,75 ponto percentual, encerrando o ciclo de aperto monetário a 14,50%, o que poderia atrair para o Brasil recursos aplicados nos mercados internacionais.

"O mercado precisa colocar na conta que os juros não vão parar de subir tão cedo e que isso traz capital para o Brasil, apesar de toda a pressão vinda lá de fora", disse à Reuters o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

Além disso, o mercado segue atento a sinalizações de que o Banco Central irá diminuir sua interferência no câmbio. O BC sinalizou nesta semana que pretende rolar uma proporção menor dos swaps cambiais que vencem em julho. Analistas avaliam que a decisão aponta tolerância a um dólar mais alto em relação ao real para estimular a economia via exportações em meio ao ciclo de aperto monetário.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de swaps para rolagem dos contratos que vencem em julho. O BC já rolou o equivalente a US$ 3,006 bilhões, ou cerca de 34% do lote total, que corresponde a US$ 8,742 bilhões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL
Chapecoense e Fluminense se enfrentam por "novos ares" no Brasileirão
TRÊS LAGOAS
Apartamento é invadido por dupla armada e casal é ferido a tiros
DÉCOR DO DIA
Sala de estar decorada com pufes e gallery wall
ESPORTES
Judô do MS conquista duas vagas para o Pan e Sul-Americano Sub-13
GERAL
Projeto de educação para o trânsito do Detran passará por modernização
ECONOMIA
Dólar abre em alta a R$ 4,05 e Bolsa de Valores opera em baixa
DOURADOS
Após temporal, avenida fica parcialmente bloqueada para limpeza e retirada de árvore
FUTEBOL
Vasco e Bahia buscam arrancada para se afastar do Z-4 do Brasileirão
NOVELA
Adriane Galisteu capricha na vilania e se destaca em “O Tempo Não Para”
BRASIL
IBGE mostra que municípios de MS lideram área plantada e valor em produção de silvicultura

Mais Lidas

DOURADOS
Amiga de jovem encontrada morta é presa acusada por tráfico e por alterar a cena do crime
TEMPORAL
Chuva e ventos fortes derrubam árvores em Dourados
POLÍCIA
Presos em Dourados são transferidos para capital
POLÍCIA
Homem sofre tentativa de homicídio em Dourados