Menu
Busca sexta, 16 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Dólar fecha em alta, com tensão após notícias sobre Lula e Grécia

25 junho 2015 - 18h15

G1

Depois de passar a manhã em queda, o dólar mudou de direção e fechou em alta nesta quinta-feira (25), com investidores de olho nas negociação entre a Grécia e seus credores para chegar a um acordo de reformas e impedir que o país dê um calote no FMI. Além disso, notícias sobre um habeas corpus em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também influenciam o mercado, segundo a Reuters.

A moeda norte-americana subiu 0,86% frente ao real, a R$ 3,1281. O dólar chegou a avançar mais de 1%, a R$ 3,1339, na máxima da sessão, segundo a Reuters.

Na semana, a moeda acumula alta de 0,84% e no mês, queda de1,86%. No ano, há valorização de 17,66%.

De acordo com a Reuters, o dólar passou a subir após a divulgação de notícias sobre o registro de um habeas corpus preventivo no Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, que pede que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não seja preso na Operação Lava Jato.

A alta perdeu força em seguida, à medida que o mercado digeriu a informação de que o habeas corpus pode ter sido registrado por qualquer cidadão. O Instituto Lula, por meio da sua assessoria de imprensa, negou que tenha impetrado o habeas corpus, bem como o ex-presidente Lula. "Qualquer cidadão pode ter impetrado o habeas corpus", argumentou o instituto.

Os investidores reagiram diante da preocupação de que a credibilidade do governo seja ainda mais arranhada pela investigação da corrupção em torno da Petrobras, afastando investimentos externos. "O mercado assustou e, na dúvida, comprou dólar", disseà Reuters o gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, Francisco Carvalho.

Cenário econômico no Brasil

Pela manhã, o dólar recuou em relação ao real diante de expectativas de que a perspectiva de alta de juros no Brasil atraia recursos externos para o mercado local. A surpresa com a escalada recente da inflação e a comunicação rígida do Banco Central têm levado investidores a apostar que a taxa básica de juros da economia, a Selic, atualmente em 13,75%, pode subir até 14,75%. Isso motivaria uma tendência de valorização do real, já que com juros altos o país se torna mais atraente para investimentos. Ainda assim, dados do BC mostravam saídas líquidas de capital, com fluxo negativo de US$ 2,929 bilhões em junho até o dia 19.

"O fluxo positivo ainda não apareceu, mas o fato é que o Brasil já paga juros muito atraentes para estrangeiros e isso tende a melhorar se a Selic continuar subindo", disse à Reuters o operador de câmbio da corretora Intercam Glauber Romano.

Preocupações sobre a Grécia persistem

A Grécia mais uma vez não conseguiu fechar um acordo com seus credores internacionais nesta quinta-feira, montando um esforço de última hora para sábado para evitar o calote na semana que vem. O país passa por um impasse diante de dificuldades de acordo entre o governo grego e os credores de sua dívida (União Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu). No próximo dia 30, a Grécia deve pagar ao FMI 1,6 bilhão de euros - dinheiro que não tem em caixa.

Os credores fizeram algumas concessões a Atenas, na mais recente lista de reformas exigidas para a Grécia receber novos recurso. Isso porque, para fazer o pagamento ao FMI e evitar o calote, o país depende de ajuda financeira. Porém, 7,2 bilhões de euros em ajuda estão bloqueados, sob a condição de que a Grécia realize reformas econômicas. O governo, no entanto, não concorda com as reformas propostas pelos credores, que incluem mudanças como aumento de impostos e reduções no sistema de aposentadoria.

A proposta revisada agora amplia o prazo para que a Grécia elimine totalmente um complemento de pagamento de aposentadorias, conhecido como Ekas, em dois anos até 2019, ante a proposta anterior dos credores, segundo a Reuters.

Os credores também acertaram que a reforma do Imposto Sobre Valor Agregado (IVA), que extingue isenções menores e eleva o imposto para restaurantes e hotéis, pode ser revisada no final do ano que vem "desde que receitas adicionais equivalentes sejam arrecadadas".

Nesta manhã, o Banco Central do Brasil deu continuidade ao seu programa de interferência no câmbio, seguindo com a rolagem dos swaps cambiais que vencem em julho, com oferta de até 5,2 mil contratos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Seleção para preencher vagas de médicos cubanos ocorre ainda este mês
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA
Radares flagram quase 500 motoristas por excesso de velocidade nas BR's de MS
DOURADOS
Grupo ABV realiza sorteio de carro 0km
TRÂNSITO
Bêbado, homem é preso ao provocar acidente
ÁFRICA DO SUL
Prédio de apartamentos é construído com 140 contêineres
BRASIL
Bolsonaro diz que nomes de comandantes militares não estão definidos
PÓS-FERIADO
Centrão ‘calmo’ é reflexo do feriado no meio da semana em Dourados
CAMPO GRANDE
Para não bater em capivaras, motorista desvia, perde controle e capota veículo
ALERTA
Procon orienta sobre cuidados para compras na Black Friday
RURAL
Integração lavoura-pecuária atrai mais produtores em MS

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Empresário é executado e filho fica ferido em atentado
CAMPO GRANDE
Empresário executado na Capital era avalista em dívida de R$ 40 milhões
SUSTO
Veículo com placas de Dourados fica destruído ao ser atingido por vagões de trem
DOURADOS
Dupla armada rouba moto para assaltar empresa e levar R$ 3 mil