Menu
Busca sábado, 19 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
JUSTIÇA

Construtor é condenado a devolver R$ 5.800 por obras não realizadas

17 junho 2019 - 18h50Por Da redação

Sentença proferida pela 5ª Vara Cível de Campo Grande julgou parcialmente procedente a ação de rescisão contratual movida por L.S.J. contra o construtor L.H. da S., condenado a restituir ao autor a quantia de R$ 5.835,00, além de decretar rescindido o contrato firmado entre as partes para a construção de imóvel, cuja obra não foi concluída pelo réu.

Alega o autor que no dia 1º de novembro de 2012 celebrou um contrato de prestação de serviços no qual o réu ficou responsável por construir uma casa de alvenaria no prazo de cinco meses, sendo que para isso receberia o montante de R$ 18.000,00 a serem pagos em prestações mensais. Sustenta também que ficou acertada a construção de um muro divisório pelo valor de R$ 1.500,00.

Relata o autor que o réu iniciou a construção no dia 6 de novembro, com previsão do término para o dia 6 de abril de 2013. Afirmou que, durante a construção, o construtor recebeu o montante de R$ 7.554,10. E, no dia 31 de janeiro de 2013, exigiu o pagamento adiantado do restante, tendo o autor repassado a quantia de R$ 6.905,90 e, alguns dias depois, solicitou o valor referente à construção do muro.

Ocorre que, após os pagamentos, o réu deixou de prestar seus serviços. Em contato com o construtor, autor foi informado de que ele não tinha mais interesse em continuar a obra, bem como havia gastado o dinheiro e não efetuaria a devolução. Conta que teve que contratar novo prestador de serviço para concluir a obra, tendo que arcar com o valor de R$ 15.000,00.

Em contestação, o réu afirmou que tinha prestado mais de 70% do serviço contratado, e que o autor atrasou os pagamentos. Argumenta que não recebeu o valor do muro, pugna pela declaração do contrato adimplido e sustenta a inexistência de dano moral.

Em sua decisão, o juiz Wilson Leite Corrêa analisou que o réu não produziu provas que pudessem demonstrar que executou os serviços descritos na contestação. Por sua vez, o autor, para demonstrar a inexecução dos serviços, juntou orçamentos realizados com outros prestadores de serviços para conclusão dos serviços inacabados, bem como juntou fotografias da obra.

“Ademais, verifica-se dos orçamentos que o autor precisou contratar serviços de reboco interno, externo, alvenaria, madeiramento e instalação de telhas do telhado, pintura, instalação de pisos e de algumas portas e janelas”, analisou o magistrado.

Assim, concluiu o juiz, “verifica-se que o réu não realizou a fase de acabamento da obra, visto que houve esquadramento, demarcação da residência, perfuração do solo, fundação, alvenaria e laje, de modo que a parte autora faz jus ao ressarcimento dos valores pagos pelos serviços não realizados”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JOGOS UNIVERSITÁRIOS
Judô e natação de MS buscam medalhas nas individuais dos JUBs
TRÁFICO
Perseguição acaba com capotamento e maconha apreendida em carro de luxo
JUSTIÇA
Semana da Conciliação começa no início de novembro
MATO GROSSO DO SUL
Lei que institui ações de resgate ao civismo nas escolas de MS é sancionada
FUTEBOL
Estadual Feminino tem duas partidas neste sábado
COMÉRCIO EXTERIOR
Bolsonaro inicia hoje viagem por Oriente Médio e Leste da Ásia
DOURADOS
Edição deste ano do Festsol acontece no domingo
CAMPO GRANDE
"Fábrica" de RG é desmontada em ação policial na Capital
FUTEBOL
Pia Sundhage convoca Seleção Feminina para Torneio na China na quinta
DIA DE FINADOS
Inscrições para ambulantes começam na próxima semana

Mais Lidas

DOURADOS
Motorista bêbado tomba veículo na Joaquim Teixeira Alves
DOURADOS
Além de droga, pente-fino na PED encontrou cachaça, roteador de internet e ‘sky gato’
DOURADOS
Alvo de furtos e abusos no trânsito, avenida passa a ser monitorada por câmeras
DOURADOS
Prefeitura abre licitação para vender folha de pagamento do funcionalismo