Menu
Busca sexta, 18 de outubro de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Com nove produtos mais baratos, cesta básica custou 37% do salário mínimo em Dourados

10 outubro 2019 - 11h02Por Vinicios Araújo

A cesta básica durante o mês de setembro teve registro de queda de preços em nove produtos e custou 37,03% do salário mínimo (R$ 998) do douradense. Esse percentual representa um valor de R$ 369,59. 

Os dados são da pesquisa mensal realizada pelo curso de Economia da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). 

Conforme apontado na pesquisa, o consumidor douradense pagou mais barato durante o nono mês do ano pelo quilo do tomate (16,53%), pela margarina (14,87%), quilo da batata (3,58%), pacote de açúcar (3,48%), no café (2,76%), no litro do leite (2,23%), no quilo da carne (1,54%), da banana (0,78%) e a farinha de trigo (0,73%).

Em contrapartida também teve aumento em alguns itens. O óleo de soja ficou 9,26% mais caro, o feijão 3,25% e o arroz 0,81%.

O pão francês mais uma vez não apresentou variação de preço, apesar da desvalorização do real sobre o dólar. Isso é relevante, segundo os pesquisadores, porque a principal matéria-prima do pão-francês, a farinha de trigo, é importada.

“O que se percebe enquanto ao comportamento dos preços da Cesta Básica no município de Dourados neste ano é a instabilidade. Isso não significa necessariamente uma elevação de preços, já que num mês temos elevação e no outro uma queda de preços. É o que aconteceu por exemplo nestes três últimos meses. Em Julho, a maioria dos preços da Cesta Básica diminuíram e no mês seguinte, Agosto, 10 produtos aumentaram de preços. E no mês de Setembro, 9 produtos fecharam com uma queda de preços. Devemos levar em conta que os produtos que compõem a Cesta Básica dependem das estações do ano, por isso, oscilam muito de preços”, considerou a pesquisa.

OUTROS LOCAIS

Idealizado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), a pesquisa de preços da cesta básica também atinge outros município. Fica em destaque os custos nas capitais.

São Paulo/SP foi a capital onde a cesta esteve mais cara (R$ 473,85), seguida de Porto Alegre/RS (R$ 458,29) e Rio de Janeiro/RJ (458,21). O top 3 foi repetido pelo segundo mês consecutivo. 

As capitais com os menores preços são localizadas na região nordeste do Brasil. Em Natal/RN o preço ficou em R$ 352,57, Salvador/BA com R$ 345,04 e Aracaju/SE, que pelo 3° mês consecutivo registra baixa no custo, com R$ 328,70.

Em Mato Grosso do Sul, a capital Campo Grande teve custo de R$ 396,98, ou seja, quase R$ 30 mais cara que em Dourados. 

UTOPIA?

Ainda é apontado na pesquisa da cesta básica a disparidade entre o quanto vale o salário mínimo e o quanto seria ideal que o trabalhador brasileiro recebesse. 

Levando em consideração a determinação da Constituição Nacional, que estabelece que o valor do salário mínimo deve ser suficiente para cobrir as despesas do trabalhador e de sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o Dieese estima que o valor mínimo necessário para a manutenção de um lar com quatro pessoas deveria ter sido em setembro de R$ 3.980,82, isso significa quatro vezes mais do que o recebimento vigente (R$ 998).

Deixe seu Comentário

Leia Também

APOSTAS
Loterias vão sortear R$ 30 milhões até amanhã
PONTA PORÃ
Polícia apreende carro abarrotado de cigarros contrabandeados
FUTEBOL
Série B do Brasileirão tem dois jogos nesta sexta
DOURADOS
Feira da Empregabilidade terá palestras e entrevistas de emprego neste sábado
JUSTIÇA
CNJ fará atendimento ao público durante inspeção de rotina no TJMS
BRASIL
Projeto de privatização da Eletrobras chega ao Congresso em novembro
BR-163
Carga de cigarro que saiu de Dourados é apreendida no Paraná
AGENDA
Visita de ministro causa ‘euforia’ de políticos da região
ESPORTE
Técnico de judô de MS adquire experiência em intercâmbio no Japão
CAMPO GRANDE
Justiça nega indenização por cancelamento de curso superior

Mais Lidas

BNH IV PLANO
Polícia investiga morte de bebê logo após parto em Dourados
DOURADOS
Com fim de contrato, empresa começa a retirar lombadas eletrônicas
DOURADOS
Pente-fino teve ‘bate-grade’ e apreendeu drogas, celulares e facas artesanais
DOURADOS
Ladrões invadem e fazem “limpa” em casas