Menu
Busca segunda, 20 de maio de 2019
(67) 9860-3221
GUERRA ECONÔMICA

China reage a Trump e aumenta tarifas sobre produtos dos EUA

14 maio 2019 - 09h42Por Agência Brasil

Em resposta à mais recente taxação sobre produtos chineses anunciada pelos Estados Unidos (EUA), a  China afirmou ontem (13) que vai aumentar de 5% para 25% as tarifas sobre mais de 5 mil produtos americanos com valor equivalente a 60 bilhões de dólares e que vão de baterias a espinafre e café.

A medida, que deve entrar em vigor em 1º de junho, agrava a guerra comercial entre os dois países. Uma tarifa adicional de 25% será imposta sobre mais de 2.400 produtos, incluindo gás natural liquefeito, e outra de 20% sobre cerca de mil produtos, afirmou o Ministério das Finanças chinês.

"O ajuste feito pela China em tarifas adicionais é um a resposta ao unilateralismo e protecionismo dos EUA. A China espera que os EUA voltem para o caminho correto do comércio bilateral", disse o ministério.

O porta-voz do Ministério do Exterior chinês, Geng Shuang, afirmou que "a China jamais se renderá a pressão externa".

Na última sexta-feira, o presidente americano, Donald Trump, elevou para 25% as taxas alfandegárias sobre o equivalente a 200 bilhões de dólares de bens importados da China, atingindo mais de 5 mil itens. Trump argumentou que Pequim recuou em relação a compromissos alcançados em meses de negociações.

O presidente americano alertou via Twitter seu homólogo chinês, Xi Jinping, de que a China "será fortemente ferida" se não aceitar um novo acordo comercial. Pequim tinha "um grande acordo, quase completo e recuou", escreveu.  "A China não deveria retaliar ou só ficará pior."

O presidente insistiu que as tarifas impostas pelos EUA a milhares de produtos chineses não prejudicam os consumidores americanos. O assessor econômico da Casa Branca Larry Kudlow contradisse o presidente ao afirmar que tanto consumidores quanto empresas dos EUA arcam com as tarifas. "Ambos os lados vão pagar", disse à emissora Fox News.

Na última sexta-feira, o governo chinês já havia prometido adotar "contramedidas necessárias" em resposta à escalada do conflito comercial provocada por Trump. O cenário de incerteza provocou queda em ações mundo afora nesta segunda.

As novas tarifas devem prejudicar exportadores de ambos os países, assim como empresas europeias e asiáticas que comercializam produtos entre os EUA e a China ou fornecem componente e matérias-primas para que os bens sejam fabricados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Governo está aberto a mudanças na reforma da Previdência, diz relator
AO VIVO
Câmara julga denúncia de quebra de decoro parlamentar contra Idenor Machado; assista
TRÁFICO
Morador em Rondônia é preso na BR-463 com mais de 600kg de maconha
CAMPO GRANDE
Servidor público é alvo de golpe e criminosos fazem empréstimo de R$ 77 mil
FAMOSOS
Após troca de farpas, Anitta diz: "Não tenho tempo para assistir Sonia Abrão"
EDUCAÇÃO
Em MS 95 mil estudantes se inscreveram para o Enem
DOURADOS
Brigada realizará Páscoa dos Militares com celebrações religiosas
RESSOCIALIZAÇÃO
Blocos de cimento fabricados em presídio vão garantir calçamento a bairros de Aquidauana
PRESSÃO
Bolsonaro diz que sem reforma, faltará dinheiro para salários em 2024
EDUCAÇÃO
IFMS abrirá 80 vagas para cursos de graduação no 2º semestre

Mais Lidas

DOURADOS
Mulheres são presas ao tentar levar droga para maridos na PED
RODOVIÁRIA
Mulher é presa em Dourados com maconha que seria entregue no RS
DOURADOS
Guarda flagra adolescentes bebendo vodka durante a madrugada no Centro
EDUCAÇÃO
Inscrições do Encceja 2019 começam nesta segunda-feira