Menu
Busca quarta, 19 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221
AVIAÇÃO CIVIL

Cade aprova sem restrições compra de parte da Embraer pela Boeing

27 janeiro 2020 - 21h50Por G1

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou nesta segunda-feira, dia 27 de janeiro, sem restrições, a compra de parte da Embraer pela Boeing. No entendimento dos conselheiros, as duas empresas não concorrem nos mesmos mercados e, por isso, a transação não representa riscos à concorrência sadia.

A operação foi anunciada em julho de 2018, nove meses após a compra de parte da Bombardier pela Airbus – outras duas gigantes da aviação comercial. A nova empresa, resultante dessa união, tem capital avaliado em US$ 4,75 bilhões.

A transação será feita em duas "etapas". Em uma delas, a Boeing vai comprar 80% do capital da Embraer ligado à aviação comercial – produção de aeronaves regionais e comerciais de grande porte, segundo material divulgado pelo Cade.

Na outra transação, Embraer e Boeing vão criar uma joint venture (nova empresa) voltada à produção da aeronave KC-390, de transporte militar. Esse cargueiro é o maior modelo produzido no Brasil, atualmente – a estreia da aeronave foi em outubro.

Segundo nota divulgada à imprensa, o Cade concluiu que a operação trará benefícios à Embraer, "que passará a ser um parceiro estratégico da Boeing". A cooperação tecnológica e comercial pode favorecer, no entendimento da autarquia, os ramos que permanecem com a Embraer, de aviação executiva e de defesa.

Entenda por que as gigantes da aviação estão unindo forças

A transação já tinha sido aprovada pela Câmara de Comércio dos Estados Unidos, mas ainda requer aval da União Europeia. No início do ano, os reguladores europeus anunciaram que tomarão uma decisão até 30 de abril.

Em material divulgado à imprensa, o CEO e presidente da Embraer, Francisco Gomes Neto, diz que a aprovação é uma "demonstração clara da natureza pró-competitiva" da parceria.

"A decisão não apenas beneficiará nossos clientes, mas também permitirá o crescimento da Embraer e da indústria aeronáutica brasileira como um todo", afirma Neto.

Sem dano à concorrência

Ao analisar a operação comercial, o Cade se baseou em modelos com capacidade entre 100 e 150 assentos. E identificou que, "apesar de as condições de entrada no setor não serem favoráveis", a operação não terá impacto negativo na rivalidade que já existe no mercado.

Segundo o Cade, "a ampliação do portfólio da Boeing deve aumentar sua capacidade de exercer pressão competitiva contra a líder Airbus, empresa que domina esse mercado".

Já na área de defesa (militar), o Cade analisou o risco de dano ao mercado de aeronaves tripuladas de porte similar – como o C-40 Clipper e o KC-46 A Pegasus, que já são produzidos pela Boeing.

No entendimento do conselho, como a operação de joint venture não representa a união dos portfólios militares de Boeing e Embraer, não há risco de dano à concorrência.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Governo destina equipamentos para unidades de saúde de Dourados
REGIÃO
Foragido da justiça é flagrado furtando botijão de gás
ECONOMIA
FGTS vai reduzir descontos no financiamento da casa própria em 2021
DOURADOS
Semsur recebe massa para ‘tapar buracos’ no centro e bairros críticos
MEIO AMBIENTE
Projeto une Imasul, Ministério Público e ONG na conservação das águas de Bonito
DOURADOS
Campanha contra tuberculose e hanseníase começa em março
FLAGRANTE
De folga, policial flagra roubo e apreende adolescente
PREVENÇÃO
Governo define estratégias para prevenir e combater incêndios florestais em MS
ENSINO SUPERIOR
UEMS encerra hoje inscrições para 551 vagas em 32 cursos
ECONOMIA
Indústria moveleira de MS começa ano otimista e projeta até 20% de crescimento na produção

Mais Lidas

APÓS 9 ANOS
Hipermercado fecha as portas em Dourados no final do mês
DOURADOS
Policial aposentado mata homem e diz ter sido ameaçado com faca
VIOLÊNCIA
Homem é assassinado em frente a padaria em Dourados
FRONTEIRA
Festa termina com aniversariante e convidado assassinados por pistoleiros