Menu
Busca sexta, 16 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Alimentos pressionam a inflação no início de junho

08 junho 2015 - 12h45

Agência Brasil

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) avançou, na primeira apuração de junho, 0,85%. Essa variação foi 0,13 ponto percentual maior do que a registrada no fechamento de maio quando a taxa alcançou 0,72%.

O levantamento, feito pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), refere-se à variação de preços coletados no período de 8 de maio a 7 de junho, comparados aos valores apurados de 8 de abril a 7 de maio.

O IPC-S calcula com agilidade mudanças de curso na trajetória dos preços em sete capitais do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Brasília. O indicador reflete o custo de vida de famílias com renda mensal de 1 a 33 salários mínimos.

Dos oito grupos pesquisados, cinco apresentaram acréscimos, com destaque para alimentação cujos itens ficaram em média 1,08% mais caros. A alta anterior foi 0,82%. Entre os itens alimentícios que mais contribuíram para esse aumento estão as hortaliças e legumes, com correção de 11,74%. A elevação anterior foi 9,58%.

Também registraram aumento de preços os seguintes grupos: despesas diversas, que passou de uma alta de 2,67% para 4,45%, sob a influência do reajuste nas apostas de jogos lotéricos (de 20,62% para 33,13%); educação, leitura e recreação, de 0,40% para 0,91%, com destaque para os ingressos em salas de espetáculo (de 2,23% para 5,26%), e transportes, de 0,09% para 0,12%, índice puxado pelo preço da gasolina (que subiu de -0,04% para 0,14%).

No grupo comunicação, o índice manteve-se em baixa de 0,04%, mas a queda foi menos expressiva do que no fechamento de maio quando havia recuado 0,07%. Essa oscilação reflete o recuo menos acentuado da tarifa de telefone residencial, que passou de -0,87% para -0,64%.

A habitação, que vinha pressionando a inflação, registrou decréscimo. A taxa passou de 0,81% para 0,68%. Neste caso, o resultado está associado a uma queda na pressão da tarifa de eletricidade residencial, que registrou aumento menor: de 2,07%, na apuração anterior, para 1,44%.

Também diminuiu o ritmo de alta em saúde e cuidados pessoais: o índice registrado foi 1,06%. A pesquisa anterior registrou 1,21%. A queda foi gerada pelo comportamento dos medicamentos, que tiveram elevação de 1,24%. No registro anterior, a elevação foi 1,92%.

O mesmo ocorreu em relação a vestuário que teve ligeira baixa no ritmo de correção ao passar de 0,86% para 0,85%. Neste grupo, a maior contribuição partiu dos acessórios (de 0,93% para 0,83%).

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Após 'inconsistências', Bolsonaro retifica prestação de contas de campanha
CAMPO GRANDE
Veículo incendiado pode ter sido usado na execução de empresário
FUTEBOL
Brasil vence amistoso contra Uruguai em Londres com gol de penalti
MÚSICA
Grammy Latino consagra Jorge Drexler e confirma fenômeno Rosalía
ELEIÇÕES 2018
Governador, deputados e senadores serão diplomados em 14 de dezembro
TRÊS LAGOAS
Polícia captura dois dos quatro detentos fugitivos de penitenciária
DOURADOS
“Nervoso e agradecendo a Deus”, conta bombeiro que socorreu jovem no túnel no Parque das Nações
TUTELA DE URGÊNCIA
Justiça determina prosseguimento de concurso da Polícia Civil
REVALIDA
Exame para validar diploma de médico será amanhã e sábado
RURAL
Mesmo com chuva, usinas de MS mantêm moagem de cana na quinzena

Mais Lidas

DOURADOS
Carro fica submerso em túnel alagado e homem precisa quebrar o vidro para sair
CAMPO GRANDE
Empresário é executado e filho fica ferido em atentado
CAMPO GRANDE
Empresário executado na Capital era avalista em dívida de R$ 40 milhões
DOURADOS
Chuva forte deixa ruas e até rodoviária alagada