Menu
Busca sábado, 22 de setembro de 2018
(67) 9860-3221

Adicional de periculosidade deve impactar contratações no setor de segurança privada

27 novembro 2012 - 19h00

As empresas de segurança privada estão preocupadas com a recente aprovação do Projeto de Lei 1033/03, pela Câmara dos Deputados, que garante adicional de periculosidade de 30% sobre o salário dos vigilantes. A proposta segue agora para sanção presidencial.



Ocorre que, assim que for sancionada a Lei, as empresas terão de pagar o benefício imediatamente, o que impacta no valor dos contratos e, consequentemente, na contratação de mão de obra. “Não queremos deixar de pagar o adicional, que é um direito do vigilante, muito menos queremos demitir por conta disso. Porém, para que não haja impacto negativo, o benefício precisaria ser escalonado e concedido parceladamente a uma razão de 5% ao ano”, argumenta João Palhuca, vice-presidente do Sesvesp (Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo).



Palhuca lembra que as empresas já pagam 15% referente ao benefício, valor que, há cinco anos, é negociado com entidades laborais. “Aumentar o valor em mais 15% de uma só vez trará o caos para o mercado. Será um impacto de difícil absorção pelas empresas, considerando que 38% dos contratantes são órgãos e empresas públicas, 35% são bancos e 27% indústria, comércio e serviços. Será impossível repassar esses custos dessa maneira, principalmente para os Estados que nada ofereceram até agora”.



Atualmente, o piso salarial do vigilante é de R$ 1.024,03 e seu custo mensal para a empresa é de aproximadamente R$ 2.500,00, conforme constatou o estudo da FIPECAFI - Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. “Somos um dos setores que mais sofre com custos de mão de obra, que incidem em 80%, e até agora não tivemos quaisquer incentivos para desoneração, o que limita nossa capacidade de ajuste aos sobressaltos das políticas salariais. As empresas se esforçam para cumprir todos os compromissos e gerar resultados, mas não nos surpreende que o prestador - que precisa disponibilizar até quatro trabalhadores por posto de serviço (na escala 12 X 36) - se veja à beira da insolvência”, conclui Palhuca.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ELEIÇÕES 2018
Campanha de Delcídio divulga Nota sobre impugnação de candidatura
CAMPO GRANDE
Mulher é presa com carregador e 20 chips nas partes intimas em presídio
TEMPO
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
MEIO AMBIENTE
Mineradora é autuada e fechada por extração ilegal de areia
ELEIÇÕES 2018
A partir de hoje, candidatos só podem ser presos em flagrante
DOURADOS
Jovem foi espancada até a morte no Pelicano
CORUMBÁ
Cavalos em rodovia causam acidente e deixam duas pessoa mortas
DOURADOS
Jovem é encontrada morta no Jardim Pelicano
EMPREGO
20 empresa estão com inscrições abertas para trainee; veja lista
ESPORTE
Sediado em Dourados, festival paralímpico fortalece inclusão e superação de limites

Mais Lidas

DIOCLÉCIO ARTUZI
Polícia divulga imagens de criança de 1 ano desaparecida em Dourados
DOURADOS
Criança de 1 ano desaparece de dentro de casa no Dioclécio Artuzi
OPERAÇÃO NEPSIS
Ação conjunta prende cinco Policiais Rodoviários Federais em MS
OPERAÇÃO NEPSIS
Ação cumpre mandados de prisão contra suspeitos de contrabando