Menu
Busca Quarta, 17 de Janeiro de 2018
(67) 9860-3221
Corpal - Dezembro 2017

Adicional de periculosidade deve impactar contratações no setor de segurança privada

27 Novembro 2012 - 19h00

As empresas de segurança privada estão preocupadas com a recente aprovação do Projeto de Lei 1033/03, pela Câmara dos Deputados, que garante adicional de periculosidade de 30% sobre o salário dos vigilantes. A proposta segue agora para sanção presidencial.



Ocorre que, assim que for sancionada a Lei, as empresas terão de pagar o benefício imediatamente, o que impacta no valor dos contratos e, consequentemente, na contratação de mão de obra. “Não queremos deixar de pagar o adicional, que é um direito do vigilante, muito menos queremos demitir por conta disso. Porém, para que não haja impacto negativo, o benefício precisaria ser escalonado e concedido parceladamente a uma razão de 5% ao ano”, argumenta João Palhuca, vice-presidente do Sesvesp (Sindicato das Empresas de Segurança Privada do Estado de São Paulo).



Palhuca lembra que as empresas já pagam 15% referente ao benefício, valor que, há cinco anos, é negociado com entidades laborais. “Aumentar o valor em mais 15% de uma só vez trará o caos para o mercado. Será um impacto de difícil absorção pelas empresas, considerando que 38% dos contratantes são órgãos e empresas públicas, 35% são bancos e 27% indústria, comércio e serviços. Será impossível repassar esses custos dessa maneira, principalmente para os Estados que nada ofereceram até agora”.



Atualmente, o piso salarial do vigilante é de R$ 1.024,03 e seu custo mensal para a empresa é de aproximadamente R$ 2.500,00, conforme constatou o estudo da FIPECAFI - Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. “Somos um dos setores que mais sofre com custos de mão de obra, que incidem em 80%, e até agora não tivemos quaisquer incentivos para desoneração, o que limita nossa capacidade de ajuste aos sobressaltos das políticas salariais. As empresas se esforçam para cumprir todos os compromissos e gerar resultados, mas não nos surpreende que o prestador - que precisa disponibilizar até quatro trabalhadores por posto de serviço (na escala 12 X 36) - se veja à beira da insolvência”, conclui Palhuca.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL
Ministério Público libera Douradão e Arthur Marinho mas veta Morenão
TELEVISÃO
Thais Fersoza deixa a Record após 12 anos: "novos caminhos"
NOTAS
Resultado do Enem 2017 deve sair às 11 horas desta quinta, diz Inep
POLÍTICA
Se Previdência não for votada em fevereiro, não será mais, diz Maia
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 12 milhões nesta quarta-feira
NOVA ALVORADA
Homem é assassinado com cinco tiros enquanto caminhava
EDUCAÇÃO
Está aberto o processo de Avaliação Socioeconômica 2018 da UFGD
EDUCAÇÃO
Processo seletivo do Vale Universidade vai oferecer 550 vagas
MS-395
Caminhão com tijolos capota após motorista desviar de tamanduá
ECONOMIA
Tarifa de energia deve permanecer na bandeira verde até março

Mais Lidas

DOURADOS
Homem é derrubado de moto em roubo e fica desacordado
Homem é derrubado de moto em roubo e fica desacordado
POLÍCIA
Quatro motos são furtadas em poucas horas em Dourados
EDUCAÇÃO
UFGD divulga resultado do Vestibular 2018
DOURADOS
Rapaz é sequestrado enquanto esperava esposa em frente a hospital