Menu
Busca domingo, 17 de junho de 2018
(67) 9860-3221

Doenças reduzem em até 60% produção de eucalipto

08 dezembro 2012 - 14h10

O eucalipto é uma cultura que envolve alto investimento, então o cuidado sanitário que os produtores devem tomar deve ser redobrado para evitar perdas desnecessárias. A cultura pode ser atacada por diversas doenças que causam graves danos como redução de produtividade da floresta e danos na qualidade da madeira que diminuem a produção de celulose entre 10% e 14%.

As doenças podem ser originárias de ataques de bactérias ou fungos. A pior delas atualmente no Brasil é a murcha de ceratocystis causada pelo fungo Ceratocystis fimbriata que está atacando de Norte a Sul do país. A redução de produtividade é de cerca de 58%. Outra grave doença no campo é a murcha bacteriana, causada pela bactéria raustônia, a mesma que infecta culturas como tomate e batata.

De acordo com o pesquisador Acelino Couto Alfenas, professor na área de patologia florestal da Universidade Federal de Viçosa especialista na área de doenças do eucalipto, a principal medida a ser tomada é o plantio de clones resistentes.

— Resistência genética é a principal forma de controle em campo. Já em viveiro o principal é o manejo. Tem que usar práticas de higiene, limpeza para reduzir a quantidade de material infectado e reduzir as condições de molhamento, que favorece a proliferação dos fungos — ensina Alfenas.

O professor explica que no caso das doenças que atacam as mudas em viveiros o controle deve ser feito através de uma manejo mais rigoroso com a higienização e principalmente regulando as condições de molhamento. As principais doenças que afetam o eucalipto em viveiro são a mancha bacteriana, causada principalmente por xanthomonas, e a mancha causada por cylindrocladium, que ataca especialmente o Sul da Bahia, Amapá e Pará que são regiões com elevado índice pluviométrico anual e temperaturas elevadas.

— A vantagem de trabalhar com eucalipto é que existe uma ampla variedade genética que permite a seleção de indivíduos resistentes. No entanto, a maioria dos clones disponíveis hoje são híbridos cuja base genética é muito estreita, ou seja, eles estão sendo sempre vulneráveis a estas doenças. É urgente a ampliação dessa base genética e a criação de novos clones. É fundamental também monitorar a variabilidade na população do patógeno porque há sempre a geração de novas raças que podem suplantar os novos materiais — alerta o pesquisador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LINDA
Jacqueline Petzak, a americana que dominou o Instagram
LEGISLATIVO
Assembleia fará sessão solene em Dourados na quinta
MATO GROSSO DO SUL
Prazo para quitação de dívidas do Crédito Fundiário e Banco da Terra vai até fim de julho
DOURADOS
Homem morre após acidente na Guaicurus
CUIDADO
Emoções em jogos de Copa aumentam em até 8% número de infartos
FLAGRANTE
Homem é preso tentando furtar loja
TURISMO
MS é o 4º do País na regularização de unidades turísticas durante operação
SENADO
Plenário vota na terça MP da Segurança Pública
NOVA ANDRADINA
Seis com "tonozeleira" eletrônica são presos por descumprir ordem judicial
EMPRESARIADO
Termina em 2 de julho o prazo para atualizar versão da Nota Fiscal Eletrônica

Mais Lidas

DOURADOS
Jovem tem BMW incendiada enquanto dormia; caso foi denunciado
ATENTADO
Suspeitos de atentado contra prefeito de Paranhos são presos
DOURADOS
Dupla é presa com arma de uso restrito e munições
TRÁFICO
Douradense é preso após abandonar veículo carregado com maconha na BR-463