Menu
Busca terça, 02 de junho de 2020
(67) 99659-5905

Doenças reduzem em até 60% produção de eucalipto

08 dezembro 2012 - 14h10

O eucalipto é uma cultura que envolve alto investimento, então o cuidado sanitário que os produtores devem tomar deve ser redobrado para evitar perdas desnecessárias. A cultura pode ser atacada por diversas doenças que causam graves danos como redução de produtividade da floresta e danos na qualidade da madeira que diminuem a produção de celulose entre 10% e 14%.

As doenças podem ser originárias de ataques de bactérias ou fungos. A pior delas atualmente no Brasil é a murcha de ceratocystis causada pelo fungo Ceratocystis fimbriata que está atacando de Norte a Sul do país. A redução de produtividade é de cerca de 58%. Outra grave doença no campo é a murcha bacteriana, causada pela bactéria raustônia, a mesma que infecta culturas como tomate e batata.

De acordo com o pesquisador Acelino Couto Alfenas, professor na área de patologia florestal da Universidade Federal de Viçosa especialista na área de doenças do eucalipto, a principal medida a ser tomada é o plantio de clones resistentes.

— Resistência genética é a principal forma de controle em campo. Já em viveiro o principal é o manejo. Tem que usar práticas de higiene, limpeza para reduzir a quantidade de material infectado e reduzir as condições de molhamento, que favorece a proliferação dos fungos — ensina Alfenas.

O professor explica que no caso das doenças que atacam as mudas em viveiros o controle deve ser feito através de uma manejo mais rigoroso com a higienização e principalmente regulando as condições de molhamento. As principais doenças que afetam o eucalipto em viveiro são a mancha bacteriana, causada principalmente por xanthomonas, e a mancha causada por cylindrocladium, que ataca especialmente o Sul da Bahia, Amapá e Pará que são regiões com elevado índice pluviométrico anual e temperaturas elevadas.

— A vantagem de trabalhar com eucalipto é que existe uma ampla variedade genética que permite a seleção de indivíduos resistentes. No entanto, a maioria dos clones disponíveis hoje são híbridos cuja base genética é muito estreita, ou seja, eles estão sendo sempre vulneráveis a estas doenças. É urgente a ampliação dessa base genética e a criação de novos clones. É fundamental também monitorar a variabilidade na população do patógeno porque há sempre a geração de novas raças que podem suplantar os novos materiais — alerta o pesquisador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Empresa de telefonia é condenada em R$ 10 mil por cancelamento de linha
DOURADOS
Na cidade com mais casos de Covid-19, quatro pessoas estão internadas em leitos públicos
CORONAVIDAS HUB/DOURADOS
Grupo entrega protetores faciais para atender profissionais da saúde e de áreas de risco
FLAGRA
Ladrão é espancado e amarrado por populares em bairro de Ponta Porã
PEDRO JUAN
Empresários fazem carreata por abertura da fronteira
COVID-19
Neno Razuk quer plano de combate para as aldeias e aponta poucos leitos de UTI pediátricos
CLIMA
Temperatura varia entre 12°C e 14°C durante todo o dia em Dourados
COTAÇÃO
Dólar fecha em forte queda e vai a R$ 5,21
DOURADOS
Simpósio integrado dos cursos de Biomedicina da Unigran supera pandemia e surpreende participantes
SUCATA PRECIOSA
Gaeco investiga se prefeitura pagou por serviços que não foram prestados em veículos

Mais Lidas

DOURADOS
HU emite nota de esclarecimento sobre atendimento de mulher que morreu com Covid-19
PANDEMIA
Com mais 27 casos, Dourados ultrapassa 300 confirmações de coronavírus
PANDEMIA
Dourados registra mais 19 casos de coronavírus em 24 horas
6ª VARA CÍVEL
Empresário vai à Justiça contra toque de recolher em Dourados