Menu
Busca segunda, 27 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Direitos Humanos sugere exclusão de páginas do Orkut

24 agosto 2006 - 10h42

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados decidiu intensificar o debate em torno de medidas para combater e punir os crimes cometidos pela internet. Entre as medidas propostas, está a supressão da rede de computadores dos portais que favorecem ou não impedem a prática de crimes, como algumas páginas do Orkut, site de relacionamentos do Google.Depois da realização de uma série de audiências públicas e seminários para discutir o tema, o presidente da comissão, deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), enviou à Embaixada dos Estados Unidos documento endereçado ao Congresso norte-americano com informações sobre o crescimento no Brasil dos crimes cometidos na rede. Entre outras razões, a iniciativa foi motivada porque os crimes são praticados sobretudo por usuários do Orkut, e porque o Parlamento norte-americano criou recentemente um comitê para apurar a responsabilidade de provedores em relação a conteúdos de pedofilia.Crimes cibernéticosA comissão de Direitos Humanos recebeu subsídios da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos (SaferNet), uma organização não-governamental que combate crimes contra os direitos humanos na internet. Estudo feito pela ONG a respeito das denúncias de janeiro a agosto deste ano mostra que 94,6% são contra perfis e comunidades do Orkut: a central recebeu 86.188 denúncias, das quais 81.549 foram relativas ao site de relacionamentos da Google. Dessas, 34.161 eram sobre pornografia infantil e pedofilia. A ONG estima que existam mais de 44 mil imagens de crianças de até 5 anos de idade e de adolescentes em cenas pornográficas e de sexo explícito no Orkut. O estudo aponta também a prática de crimes raciais, venda de drogas, de receitas médicas em branco e de remédios sem receita na comunidade Orkut. A ONG conseguiu identificar cerca de 5 mil pessoas responsáveis por esses tipos de crimes. Legislação superadaOutro ponto a ser discutido pela comissão diz respeito aos obstáculos existentes na legislação brasileira, uma vez que o Código Penal foi elaborado em 1940, muito antes do surgimento da internet. Um principais objetivos do debate é buscar formas de atualizar as leis para superar os entraves jurídicos.O vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Luiz Alberto (PT-BA), lamenta que ainda não exista no País uma legislação específica para combater os crimes digitais. "Nossos debates são exatamente no sentido de apresentar uma proposta de legislação que dê ao Judiciário e ao Ministério Público instrumentos efetivos de combate a esse tipo de delito", afirmou. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

APOSENTADOS
INSS começa a pagar benefícios com novo mínimo de R$ 1.039
REGIÃO
Condutor sem CNH provoca acidente em rodovia estadual
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia a entrega de mais três CEIMs ainda este ano
COTAÇÃO
Dólar chega a R$ 4,21 e fecha no maior valor em dois meses
PONTA PORÃ
Vizinhos desconfiam de sumiço e polícia encontra homem morto
EDUCAÇÃO
Inscrições para cursos a distância do IFMS terminam nesta quinta-feira
VÍDEO
Ventania derruba árvores e destelha casas na região sul de Dourados
CNI
Produção industrial recua, mas intenção de investimento sobe
JARDIM FLÓRIDA
Homem é preso acusado de 'passar a mão' em menina de 11 anos
PIRACEMA
Douradense é autuado em R$ 1,2 mil por pesca ilegal

Mais Lidas

DOURADOS
Motociclista bate em caminhão da coleta de lixo e fica em estado gravíssimo
MS
Homem é acusado de colocar sedativo no leite para abusar de enteada
DOURADOS
Designação para escolas e Ceim’s acontece neste sábado
DOURADOS
Carros com som alto e na contramão levam Guarda a dois motoristas bêbados