Menu
Busca sexta, 22 de março de 2019
(67) 9860-3221

Diálogo entre G20 e europeus "degela"

13 dezembro 2003 - 16h36

O diálogo entre o G20 e a União Européia produziu um "degelo" nas relações entre os dois blocos, na avaliação coincidente de autoridades européias e brasileiras."Degelo" foi precisamente a palavra ouvida pela Folha dos europeus. Do lado brasileiro, confirma o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues: "Foi nítido o aumento de boa vontade de parte do Lamy (Pascal Lamy, o comissário europeu para o Comércio, uma espécie de ministro)".Não é muito, mas é um primeiro passo positivo depois que as relações entre os grandes atores da cena comercial se deterioraram gravemente como consequência do fracasso da Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), realizada em Cancún, faz três meses.O degelo, ao menos na avaliação européia, se deve ao fato de que Lamy conseguiu desfazer "fantasmas" que o G20 cultivava em relação às posições da União Européia (UE).FantasmasPrimeiro "fantasma": o documento conjunto UE/EUA apresentado para a reunião de Cancún. O G20 viu no texto uma repetição do acordo de Blair House, o entendimento entre os dois grandes durante a Rodada Uruguai, a ronda anterior de liberalização comercial.O acordo enfiou goela abaixo dos demais decisões sobre agricultura que mantiveram praticamente intacto o muro protecionista dos ricos.Lamy tratou de explicar que não era nada disso. A Europa assinara o texto na convicção de que se tratava da única forma de tentar forçar modificações na "Farm Bill" norte-americana, a legislação que, em vez de diminuir, aumentou os subsídios aos agricultores norte-americanos."Todos sabem que não seremos nós (os europeus), e sim os norte-americanos, a maior dificuldade para diminuir os subsídios domésticos", disse Lamy à Folha e repetiu depois na reunião fechada com o G20.Segundo fantasma: Lamy reiterou a disposição européia de eliminar os subsídios à exportação para produtos de interesse dos países em desenvolvimento, dependendo apenas da negociação do prazo.Os representantes do G20 questionaram: não sabem quais produtos e de que países a Europa está falando e nem que países se beneficiariam.Lamy explicou: todos os países europeus estão comprometidos a eliminar os subsídios à exportação de todos os produtos de interesse dos países em desenvolvimento.Nesse ponto, ficou no ar um fantasma: Lamy insistiu em que é preciso que os países do G20 (praticamente todos de médio desenvolvimento) reduzam o seu próprio protecionismo para o chamado G90, o grupo que reúne as nações mais pobres do mundo, a grande maioria da África.O temor do Brasil, por exemplo, é o de que a intenção européia seja a de aliviar os subsídios apenas para beneficiar os países muito pobres.De todo modo, o comunicado da reunião ministerial do G20, encerrada ontem, recolhe essa preocupação ao dizer: "Os ministros (do G20) instaram os membros da OMC a considerar, de maneira efetiva e substantiva, as preocupações dos PMRDs (Países de Menor Desenvolvimento Relativo)".

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Paolla Oliveira relaxa durante banho de mar: "água é vida"
SAÚDE
Após determinação do STJ, João de Deus é transferido para hospital
FUTEBOL
Uefa abre processo disciplinar contra Neymar por ofensa a ábitro
REFORMA
Devedores contumazes da União poderão ter CNPJ cancelado
UEMS
Curso de Libras Básico I abre inscrições na próxima segunda-feira
DANOS MORAIS
Justiça condena promotor a indenizar ex-presidente Lula em R$ 60 mil
JUSTIÇA
Shopping é condenado por danos morais em acusação falsa de furto
FÁTIMA DO SUL
Mulher é presa acusada de simulou sequestro para a própria família
TECNOLOGIA
Anatel inicia bloqueio de celulares 'piratas' em 15 estados no domingo
CAPITAL
Homem tenta matar a irmã com golpes de facão e acaba preso

Mais Lidas

HU
Dengue hemorrágica causa morte de menino de 11 anos em Dourados
DOURADOS
Tripla colisão deixa dois feridos em cruzamento movimentado
DOURADOS
Universitária morre no HV quatro dias após acidente de moto
RIO BRILHANTE
Dono de oficina baleado pela manhã morre no Hospital da Vida