Menu
Busca sábado, 29 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Debate sobre questão indigena teve duas horas de duração

09 março 2005 - 13h55

O debate promovido pela Rádio Grande FM, durante o programa Espaço Aberto na manhã de hoje teve a duração de duas horas, com a participação direto de Brasília dos Senadores Delcio do Amaral Gomes ( PT) Juvêncio César da Fonseca (PDT) do presidente da Funai Mercio Pereira Gomes e do prefeito Laerte Tetila que encontra-se  no distrito federal; no estúdio em Dourados estavam o superintendente da Funasa no Mato Grosso do Sul Gaspar Francisco Hickmann e o Cacique Guarani/Caiua Bonifácio Martins Irai O assunto predominante foram os problemas encontrados na reserva indígena de Dourados,  como a falta de espaço e a mortalidade infantil que vem acorrendo com muita freqüência desde o  inicio do ano.O senador Delcidio do Amaral, defendeu a reestruturação da Funai, para que a mesma possa desenvolver o trabalho que estão dentro de suas competência, para que as finalidades sejam alcançadas.O senador Juvêncio foi categórico ao solicitar a fim da Funai, dizendo a mesma ser uma instituição falida e sem finalidade.A prefeito Laerte Tetila, lembrou das ações promovidas pelo município, como a implantação de tanques de peixes que segundo ele beneficia a comunidade e a construção de moradias para as famílias carentes dentro da reserva.O presidente da Funai Mercio Pereira, defendeu a instituição das acusações de ser inoperante e não estar dando a devida assistência a comunidade indígena no País, falando também da remoção de famílias de Dourados para outras localidades no interior de Mato Grosso do Sul, para que isso seja providencia a Fundação está aguardando apenas demarcação de áreas em litígio que segundo ele é de aproximadamente 47 mil hectares. “Estamos sofrendo as dores do crescimento da população indígena” afirmou Mercio.Já o cacique Bonifácio Irai, questionou a atuação da Funai, que a mesma deve ser remodelada, a forma como está sendo conduzida a distribuição de casas dentro da reserva e apresentou sugestão para acabar com a superlotação dentro das aldeias em Dourados como a demarcação de terra localizada na BR 463 que ele denomina como “Pacurity”, falando sobre  a falta de ação concreta do Estado, Município e da União.O superintendente da Funasa No Mato Grosso do Sul Gaspar Francisco, disse que a Fundação de Saúde no Estado está fazendo a sua parte, atendendo a demanda para melhorar a vida dos indígenas no estado. (Eduardo Palomita)  

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAPITAL
Filha reconhece mulher de 34 anos que morreu ao bater em poste
UEMS
Abertas inscrições para o XI Seminário de Extensão Universitária
CRIME AMBIENTAL
Polícia apreende arma, munições, fardas camufladas e carne suspeita
RELAÇÕES INTERNACIONAIS
Bolsonaro vai a Montevidéu para posse do novo presidente do Uruguai
SANEAMENTO
Obras da rede de esgoto de Batayporã estão em fase de conclusão
JUDICIÁRIO
STF vai julgar se punição a quem recusa bafômetro é constitucional
DIÁRIO OFICIAL
Relação de candidatos para docente de curso para policiais é divulgado
MEIO AMBIENTE
PMA divulga Cartilha do Pescador 2020 com as novas regras para pesca
ITINERANTE
Carreta da Justiça atende Corguinho e Rochedo na próxima semana
SÃO CONRADO
Identificado homem morto a pauladas e polícia busca suspeito

Mais Lidas

PARQUE DO LAGO
Ladrões usam carro para estourar porta de mercado e fogem com cofre; veja vídeo
CORONEL PONCIANO
Dupla é presa com 400 mil dólares em Dourados e polícia investiga negociação por drogas
DOURADOS
Juiz manda transferir ex-secretário para presídio federal após flagrante de celular
JARDIM ÁGUA BOA
Cofre furtado de mercado é encontrado em obra; ladrões levaram mais de R$ 3 mil