Menu
Busca sábado, 23 de junho de 2018
(67) 9860-3221

Há 133 anos, Família de Brasiguaios realiza Folia de Reis

03 janeiro 2013 - 08h28

Eduarda Rosa

Tradição, amor, devoção e fé. Esses são os elementos que não deixam a Folia de Reis morrer na Família Benitez. A tradição atravessa gerações e nesse ano será realizada pelo 133º vez consecutiva.

A folia é organizada por Eunice Benitez Ortiz, de 62 anos, que herdou a incumbência de preparar a festa do avô, Benito Benitez. Ele nasceu em Belém, assim como Jesus, e se chamava Mustafá. Ao naturalizar-se paraguaio para casar-se com sua avó, que era paraguaia, mudou de nome.
“Meu avô fez uma promessa no tempo da revolução do Paraguai, ele prometeu que se saísse vivo dessa encrenca faria a festa para os três reis magos a vida toda”, conta a neta.

Benito Benitez realizou a festa por 88 anos e antes de morrer, aos 106 anos, passou a bandeira da Folia para Eunice. “Mas como ele tinha outros filhos mais velhos era conveniente que a bandeira ficasse para os filhos, aí eu comecei a ajudar, contudo todos morreram e ficou para mim a bandeira. Faz 35 anos que eu organizo a Folia”, lembra.

Bandeira deixada por Benito Benitez. A bandeira é repassada no fim da vida para um parente próximo que siga a tradição - Foto: Eduarda Rosa

Origem da Folia

A Folia de Reis é uma comemoração pelo nascimento de Jesus e em homenagem ao Santo Reis. Eunice narra que por conta do nascimento de Jesus em Belém da Judéia vieram alguns magos do oriente de Jerusalém para visitar o menino. Contudo antes de encontrarem-no visitaram o rei Herodes e perguntaram “Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos a adorá-lo”. Isso perturbou Herodes, que orientou os magos a irem a Belém e quando encontrassem Jesus o avisasse, para que ele pudesse ir adorá-lo.




Foto: Eduarda Rosa

Os reis magos, que eram os adivinhos da corte, tiveram um sonho com o anjo Gabriel que falava “Vocês vão disfarçados até chegar ao presépio, vão andar do dia 24 dezembro a 06 de janeiro e vão achar menino, vocês serão guiados pela estrela, um anjo vai ir mostrando o caminho para vocês”, conta.

Então os reis magos foram disfarçados de palhaços para ninguém os reconhecer, por que se não Herodes iria mandar matá-los. Após verem o menino e ofereceram os presentes, Jesus e seus pais fogem para o Egito, porque o rei procurava o menino para matá-lo. Depois disso nunca mais ninguém ouviu falar dos três reis magos.

Foto: Arquivo/Rádio Coração

A Folia

Mesmo com problemas cardíacos e artrose, desde o dia 24, a foliona Eunice sai com 15 romeiros de sua comunidade por cidades vizinhas e distritos de Dourados. Chegam de casa em casa fazendo de conta que estão procurando o menino Jesus, e cantam “Dá licença patrãozinho, dá licença para entrar, a bandeira de Santo Reis veio te visitar”, o dono da casa abre a porta, eles entram e cantam, já se não são aceitos vão para outra casa. “Nós cantamos para a pessoa fazer a doação, se ajuda, a gente canta outra vez para agradecer e convidar para a festa”, lembra Eunice.

Foto: Arquivo/Rádio Coração

Os romeiros buscam arrecadações para a festa de Santo Reis, que é comemorada no dia 06 de janeiro, na Rua em frente à casa de Eunice, “antes nós fazíamos dentro do salão da igreja, mas não cabe mais, então com apoio policial nós interditamos a rua e realizamos a festa, só no ano passado eu comprei 500 pratos e faltaram”.

Ela não mede esforços para realizar os festejos “eu planejo tudo antecipadamente, o que não ganho eu tiro do meu bolso”. Afinal, esta é uma tradição que veio para toda a vida, “tenho essa missão, faço em memória do meu pai, mãe, avôs, irmãos e tenho que continuar até morrer, depois não sei quem vai continuar”, conta a romeira.


Foto: Arquivo/Rádio Coração
Foto: Arquivo/Rádio Coração

Tudo que é arrecadado é preparado para o dia da festa. “Quando chegarmos com o Santo Reis na festa, vai ter queima de fogos, a reza do terço, o jantar e a dança na rua, até a hora que os músicos cansarem. Todo ano é assim, é uma alegria só”, conta a entusiasmada foliona, que ressalta que só quando a festa termina é que os reis magos disfarçados de palhaços tiram as máscaras.

Eunice não esconde a emoção e o orgulho ao dizer que sua folia faz parte da cultura douradense, “é uma cultura, uma memória, uma recordação e já quase ninguém faz mais, em Goiás e na Bahia fazem e aqui eu Dourados sou eu.”

Para fazer doações e/ou participar da festa procure por Eunice Benitez na Rua Paisandu, 1578, no Jardim Guanabara, próximo ao supermercado Pérola.

Foto: Arquivo/Rádio Coração

Deixe seu Comentário

Leia Também

FUTEBOL
México vence a Coreia do Sul e fica a um passo da classificação
EXÉRCITO BRASILEIRO
Jovens nascidos em 2000 devem fazer o alistamento militar
EDUCAÇÃO
IFMS divulga resultado da seleção de jovens para os cursos técnicos
FUTEBOL
Douglas Costa sofre lesão muscular na coxa e não enfrenta a Sérvia
FÓRMULA 1
Hamilton confirma melhor desempenho e crava pole no GP da França
MÚSICA
Vinnie Paul, baterista da banda Pantera, morre aos 54 anos
CORUMBÁ
Motociclista perde os dentes após colidir moto em carro estacionado
BALANÇO
PRF apreendeu 41 armas de fogo na última semana
HOJE
Quina de São João vai sortear R$ 130 milhões; prêmio não acumula
FUTEBOL
Bélgica atropela Tunísia no jogo com mais gols na Copa

Mais Lidas

DOURADOS
Suspeito nega envolvimento, mas é autuado por latrocínio
DOURADOS
Assassinato de andarilho pode ter ocorrido dentro de barraco
DOURADOS
Corpo encontrado carbonizado seria de andarilho
NESTA MADRUGADA
Corpo carbonizado é encontrado em Dourados