Menu
Busca quarta, 26 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
SHOWBIZ

De biquíni, Kéfera exibe barriga chapada em praia paradisíaca

12 março 2018 - 22h35Por Quem

Bem-humorada, Kéfera ri até de si mesma. Nesta segunda-feira, dia 12 de março, a atriz e influencer postou no Instagram uma foto em que aparece saradíssima, só de biquíni, em uma praia deserta e com águas cristalinas. "Essa é uma famosa pose utilizada por modelos internacionais que se chama 'sai da minha cara cabelo do c...' Preciso dizer que eu estou morrendo com a cor dessa água?", brincou ela na legenda da imagem.

Recentemente, a curitibana usou a rede social para falar sobre seu processo de transição capilar. Depois de dez anos fazendo tratamentos químicos para alisar os cabelos, Kéfera finalmente assumiu os cachos. "CORTEIIIII! Cara, que sensação de LIBERDADE! Tô tão feliz! Tão de bem comigo, tão de bem com tudo! Essa transição capilar tá me fazendo um bem danado! Muito felizzzz!", disse a  YouTuber.

TRAJETÓRIA

Kéfera contou que fazia teatro desde os 15 anos. "Comecei meu canal com 17. Postei meu primeiro vídeo com a intenção e a esperança de alguém ver e me chamar para um teste de novela. Em 2010, o Youtube no Brasil era nada comparado ao que é hoje. Poucos canais bombavam, mas via os gringos e percebia o que funcionava lá fora. Nunca achei que youtuber se tornaria uma profissão. Lembro de mandar os primeiros vídeos do meu canal pelo MSN e pelo Orkut. Muita gente me respondia perguntando se era vírus. Entrei para o Youtube quando ele estava emplacando no Brasil.”

Ela sempre teve o sonho de ser atriz. "Nos meus primeiros vídeos, fazia personagens. Imitava a minha mãe, fazia uma tia bêbada, interpretava uma menina chamada Juju que sonhava ser modelo. Sempre imaginei ser alguém fora da internet. Não imaginava tudo o que poderia acontecer na própria internet e virar o que eu virei", disse.

"Aos 17, minha mãe falou que achava que era a hora de eu parar de fazer teatro e focar no vestibular. Isso me deixou triste, acabada. Minha vida perdeu o brilho. Estava achando um saco ficar sem fazer teatro. Foi horrível. Em um sábado, meu amigo me chamou para ver uma peça e levei a minha mãe. Lembro que quando acabou a peça, chorei muito. Estava mal e pedi para minha mãe para voltar ao teatro e ela, sensibilizada, autorizou. Minha tia-avó Zila, ao contrário, falava que eu precisava de um profissão para me sustentar e ficava preocupada com o meu futuro. Quando comecei a dar certo no Youtube, ela ficou extasiada. Ela teve câncer de fígado e lembro de ter conseguido o link do filme É Fada com a distribuidora para ela assistir. Minha tia assistiu ao filme três dias antes de falecer. Lembro de falar: 'Você achou que eu não ia dar certo e agora estou com o filme para chegar no cinema' (fica com a voz embargada). Queria muito que ela tivesse visto que o filme fez sucesso. Mas já foi legal ter conseguido mostrá-lo. Era uma fase em que ela estava muito mal na cama (chora). Assisti ao ladinho dela pela tela do celular. Foi especial."

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Aline Riscado curte praia com amigas e impressiona com corpão sarado
UFMS
PF investiga denúncia de acadêmico que ameaçou professores e alunos
OPORTUNIDADE
CIN abre vagas a curso de comércio exterior em Dourados
CAMPO GRANDE
Prefeitura abre inscrição para contratar médicos com salário de R$ 12 mil
UEMS
De Pais para Filhos chega em Dourados no próximo fim de semana
CAPITAL
Com suspeita de tuberculose, idosa espera vaga em hospital há 5 dias
PROGRAMA
Governo lança plano para reduzir à metade nº de mortos no trânsito
ANASTÁCIO
Após engravidar do pai, adolescente dá à luz e decide criar bebê
ELEIÇÕES 2018
TSE aceita registro de candidatura de Haddad à Presidência
EDUCAÇÃO
ProfLetras de Dourados abre processo seletivo para alunos regulares

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia encontra bilhete com “mula” e fecha entreposto de drogas no Estrela Porã
OPERAÇÃO REMAKE
Gaeco cumpre mandados e apura desvio de R$ 670 mil em sindicato
BR-163
Gol carregado com maconha é apreendido em Dourados
ÁGUA BOA
Homem armado invade casa e leva dinheiro da vítima