Menu
Busca domingo, 17 de novembro de 2019
(67) 9860-3221

1ª advogada indígena do Brasil vem a MS falar à índios universitários

16 junho 2011 - 13h12

Nos dias 17 e 18 de junho a primeira advogada indígena do Brasil, Joênia Wapixana estará em Dourados para participar de um encontro de acadêmicos índios, o I Encontro Temático Saberes Tradicionais e Científicos – Direito. Joênia Batista de Carvalho é chamada de Joênia Wapixana porque esse é o nome de sua etnia. Foi a primeira advogada índia a defender oralmente uma causa no Supremo Tribunal Federal, a mais alta corte do Brasil. A defesa foi no julgamento da demarcação da Terra Indígena Raposa/Serra do Sol, em 2008. Ela é de Roraima e mestre em Direito Internacional.



É considerada uma das lideranças populares mais respeitadas no país. Recebeu, nos Estados Unidos, o Prêmio Reebok 2004 – em Defesa dos Direitos Humanos, concedido anualmente a ativistas do mundo todo. Joênia também é conhecida pela defesa de direitos territoriais na Região Norte do país, por sua atuação na defesa dos direitos humanos e pela assessoria política às comunidades indígenas.



Sobre o encontro

O objetivo é discutir a articulação de saberes tradicionais e conhecimento científico para atuar em cada área, atendendo as demandas das comunidades indígenas. Também participarão o assessor jurídico do Conselho Indigenista Missionário (Cimi/MS), Rogério Batalha e a Dra. Simone Becker, da Faculdade de Direito e de Relações Internacionais (FADIR/UFGD). O encontro será na rua Eisei Fujinaka, nº 715, no bairro Altos do Indaiá, em Dourados.



Outro encontro - III Encontro de Acadêmicos Índios e Política Partidária

Na mesma data e local acontecerá o III Encontro de Acadêmicos Índios e Política Partidária. O objetivo é discutir estratégias internas considerando as demandas de cada comunidade. Está prevista a participação de acadêmicos da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul de Aquidauana (UFMS).



Sobre o Projeto Rede de Saberes

Ambos os encontros são promovidos por um programa que apóia a permanência de indígenas em três universidades públicas e uma particular de Mato Grosso do Sul, desde de 2005, com recursos da Ford Foundation. O coordenador geral é o professor da UCDB, Doutor em História, Antonio Brand. O Rede de Saberes estimula e orienta a iniciação científica, têm laboratórios de informática, oferece cursos de extensão, monitorias e auxilia na cópia e impressão de material.



São mais de 600, os indígenas que estão nas universidades em Mato Grosso do Sul, segundo estimativa desse projeto. Esse número vem aumentado muito e será revelado com exatidão com a conclusão de um levantamento que o projeto está fazendo. Não há levantamento anterior à implementação do Projeto Rede de Saberes, mas a presença indígena na universidade está mais forte desde então.



Universidades em que atua o Rede de Saberes: Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul de Aquidauana (UFMS).

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOVA ALVORADA
Casal e bebê morrem em acidente entre carro e carreta na BR-267
UEMS/UFGD
Universidades promovem Seminário em Educação, Gênero, Raça e Etnia em Dourados
POLÍCIA
Durante operação, contrabandistas são presos com mercadorias do Paraguai
REFORMA
Senado pode concluir na terça a votação da PEC Paralela da Previdência
POLÍCIA
Homem tenta reagir a assalto, mas perde mochila com livros, dinheiro e celular
SAÚDE
Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil, alerta Inca
VELOCIDADE
Verstappen conquista a pole para o GP Brasil de F-1; Vettel é segundo
POLÍCIA
Assaltante armado pula na frente de bicicleta para roubar celular na Via Parque
FUTEBOL
Clássico entre Santos e São Paulo abre hoje a 33ª rodada do Brasileirão
ESPORTES
Tiro prático do Eco Pantanal Extremo bate recorde de inscrições

Mais Lidas

DOURADOS
Idoso é fechado por criminosos na Marcelino, é derrubado e tem moto ‘zero km’ roubada
PARANAÍBA
Guarda Municipal é preso levando 40 quilos de cocaína para Minas Gerais
PORTO MURTINHO
Velório é interrompido e corpo de menina afogada recolhido para perícia
CAARAPÓ
Prefeitura abre concurso com 174 vagas e salários de até R$ 9.172