Menu
Busca quarta, 26 de fevereiro de 2020
(67) 9860-3221

Cresce o número de negros em faculdades

19 janeiro 2004 - 15h32

A proporção de negros e pardos entre os formandos do ensino superior aumentou nos últimos quatro anos. Dados do questionário socioeconômico do Provão mostram que, em todas as 18 áreas avaliadas desde 2000, cresceu a participação de negros e pardos entre o total de universitários que se formaram.Em 2000, 15,7% dos formandos dessas 18 áreas se declararam negros ou pardos, percentual que aumentou para 20,7% em 2003, uma variação de 32%. Analisando somente os negros, subiu de 2,2% para 2,9%. Entre os pardos, passou de 13,5% para 17,8%.A área onde, em termos proporcionais, houve maior aumento foi matemática. Em 2000, eles eram 23,5% do total. Em 2003, passaram a 35,4% (variação de 50,5%).Os cursos de administração também tiveram aumento significativo. Negros e pardos eram 12,5% do total em 2000 e 18,4% em 2003, uma variação de 47,1%.As áreas em que houve menor avanço, proporcionalmente, foram agronomia e engenharia mecânica. Na primeira, a proporção de negros e pardos passou de 16,1% para 17,2%. Na segunda, passou de 13,5% para 14,5%.Apesar do crescimento, negros e pardos continuam sub-representados entre os formandos, se for considerado o perfil racial da população brasileira. Segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) de 2002 do IBGE, 5,6% da população brasileira se declarou negra, 40,5% se disse parda e 53,3% branca.A sub-representação varia de acordo com o curso. Em história, 40% dos formandos de 2003 eram negros ou pardos, percentual próximo dos 46,1% que eles representam do total da população.Se forem considerados somente os negros nos cursos de história, eles já são 8,5% dos formandos, superando o total de 5,6% de negros na população. Esse percentual é superado também em geografia (6,5%) e igualado em letras (5,6%). Entre os pardos, nenhuma área superou o percentual desse grupo na população.A situação se inverte quando são analisados os cursos de maior prestígio, em que a relação candidato/vaga é muito maior nos vestibulares. O curso com menor percentual de negros e pardos é o de arquitetura (11,2%), seguido de odontologia (12,3%).Para Simon Schwartzman, pesquisador do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade, os dados mostram que os maiores aumentos aconteceram nas áreas em que o acesso da população negra ou parda já era maior. "São, em geral, áreas de formação de professores. Nessas áreas, costumam entrar alunos de níveis socioeconômicos mais baixos", diz.Apesar do crescimento de negros e pardos em todas as áreas, ele afirma que cresceu a diferença entre os cursos mais elitistas do ponto de vista racial e os menos elitistas. "Os dados podem significar que o ensino superior está começando a se abrir socialmente como um todo, mas as diferenças estão aumentando", diz.Para comparar os dados do Provão de 2000 com os de 2003, foi preciso levar em conta apenas as 18 áreas avaliadas nesses anos. No exame do ano passado, oito novas áreas foram incluídas.O MEC não informou o número absoluto de alunos dos 18 cursos comparados pela Folha que fizeram a prova em 2003. Dos 26 cursos avaliados, participaram do exame 435.810 alunos.Considerando também as oito novas áreas, o total de formandos que fez o exame no ano passado teve 3,6% de negros, 20,4% de pardos e 72,1% de brancos.Até o ano passado, fazer o Provão era condição obrigatória para que o estudante pudesse receber o diploma de conclusão do curso. O exame sofrerá alterações neste ano, já que o governo está modificando o sistema de avaliação.O crescimento da participação de negros e pardos não sofreu influência da política de cotas que algumas instituições passaram a adotar a partir de 2001 porque a maioria dos formandos de 2003 entrou no curso antes de 2000.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TEMPO
Quarta-feira nublada com possibilidade de chuva em Dourados
COPA DO BRASIL
Águia Negra treina em São Paulo para jogo contra Ferroviária
CAMPO GRANDE
Escola da zona rural é beneficiada com o parque feito em presídio
LITERATURA
Há 75 anos, morria Mário de Andrade, um dos maiores escritores do país
ESPORTES
Ciclista de MS conquista duas medalhas em competição nacional
ESTÁGIO
Acadêmicos do Vale Universidade podem cumprir horas nos finais de semana
DOURADOS
‘Confusão’ em Carnaval na praça gera discussões sobre uso dos espaços públicos
CRIME AMBIENTAL
Homem é autuado em 12 mil por falta de conservação de solo
CRISE
Com mais 23 assassinatos, mortes no Ceará chegam a 170
'PURO ÓDIO'
Liderança do PCC em Campo Grande é morto por dupla

Mais Lidas

DOURADOS
Ex-prefeito de Amambai não resiste e morre no Hospital do Coração
MULTIDÃO
Carnaval na praça central de Dourados termina em ‘confusão e sujeira’
ATENTADO
Aeronave pousa em Dourados e fica a disposição de Lanzarini
DOURADOS
Mulher tenta sair de mercado com quase R$ 700 em compras sem pagar