Menu
Busca quarta, 20 de novembro de 2019
(67) 9860-3221
ECONOMIA

Crédito deve crescer 9% este ano, a menor expansão desde 2003

23 junho 2015 - 14h15

Agência Brasil

Com taxas de juros mais altas, o saldo das operações de crédito deve crescer menos este ano. Segundo estimativa do Banco Central (BC), a expansão do crédito deve ficar em 9%, em 2015. A projeção anterior do BC, divulgada em março, era 11%. No ano passado, o crédito cresceu 11,3%. Essa será a menor taxa de crescimento do crédito desde 2003, quando ficou em 8,8%.

A projeção para o crescimento do crédito livre, em que os bancos têm autonomia para aplicar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros, passou de 6% para 5%. A estimativa para a expansão do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura) foi alterada de 16% para 14%.

O crédito dos bancos públicos deve apresentar expansão de 13%, ante estimativa anterior de 14%. Já as instituições privadas nacionais deve ter crescimento de 4%, bem menor do que 7% previstos em março. Os bancos privados estrangeiros terão expansão de 7% no crédito, a mesma estimativa anterior do BC.

O saldo das operações de credito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, deve ficar em 56%, este ano. No ano passado, essa relação ficou em 54,7%.

Segundo o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, a moderação do crédito e o aumento das taxas de juros seguem o atual quadro econômico, com aumento da taxa básica de juros, a Selic, corte de gastos públicos e retração da economia. “De uma maneira geral, o comportamento do mercado de crédito segue o ajuste macroeconômico em curso”, disse.

Para Maciel, esse cenário traz reflexos tanto para bancos, que oferecem menos crédito, quanto para os clientes, que reduzem a procura por empréstimos.

Maciel lembrou que as taxas de juros do crédito sobem em linha com o aumento a Selic, atualmente em 13,75% ao ano. A Selic já passou por seis altas seguidas. Em dezembro de 2014, a taxa de juros para pessoas físicas estava em 49,6% ao ano e, em maio, chegou ao recorde da série histórica iniciada em 2011 ao ficar em 57,3% ao ano.

A taxa de juros mais alta na pesquisa do BC é a do rotativo do cartão de crédito, que subiu 13,1 pontos percentuais, de abril para maio, para 360,6% ao ano. “O crédito rotativo por definição tem taxa de inadimplência mais elevada e isso acaba refletindo na taxa de juros”, disse Maciel. Ele acrescentou que os cidadãos devem ficar atentos à taxa de juros dessa modalidade e usar somente em casos excepcionais e por prazo muito curto de tempo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEC
Senado conclui votação para incluir estados na reforma da Previdência
OPERAÇÃO PURIFICAÇÃO
Justiça Federal aceita denúncia contra cinco suspeitos de corrupção na Funsaud
BODOQUENA
Polícia apreende carreta com carga de cigarros contrabandeados
LIBERTADORES
Conmebol troca o árbitro de vídeo após comentário sobre Flamengo e River
EDUCAÇÃO
Governo prevê internet em 100% das escolas urbanas em 2020
TRÊS LAGOAS
Saúde confirma terceira morte por leishmaniose em cidade de MS
RURAL
Plantio da soja atrasa em 30% e preocupa lideranças rurais
AUTOESTIMA
Cassems oferece aula de culinária a beneficiários em tratamento oncológico
TECNOLOGIA
Carteira Digital de Trânsito agora avisa sobre vencimento de CNH
SAÚDE
Dourados: Sanesul constrói reservatórios para 3 milhões de litros de água

Mais Lidas

ESTELIONATO
Suspeita de aplicar golpes em Dourados é presa na Paraíba
OPERAÇÃO PATRON
Dono de loja de importados na fronteira também é alvo de operação
DOURADOS
Nove homens acusados pela morte de interno da PED vão a júri nesta quarta
RIO BRILHANTE
Vítima de acidente em rodovia morre em hospital de Dourados