Menu
Busca sábado, 18 de janeiro de 2020
(67) 9860-3221

Como minimizar o estresse hídrico na soja

22 agosto 2006 - 11h14

A água é fator fundamental na produção vegetal. Sua falta ou seu excesso afeta de maneira decisiva o desenvolvimento das plantas. Qualquer cultura utiliza grande volume de água, durante o seu desenvolvimento, e grande parte deste somente passa pela planta e perde-se, posteriormente, para a atmosfera pelo processo de transpiração. As relações planta-água de qualquer cultura agrícola são bastante complexas, envolvendo aspetos de fisiologia vegetal, física de solo, agrometeorologia e agronomia em geral. Porém, os dois fatores mais importantes para o bom desenvolvimento vegetal são: a existência de água disponível no solo para as plantas e a distribuição radicular da cultura ao longo do perfil do solo.A quantidade de água disponível no solo para as plantas esta intimamente ligada à quantidade e distribuição das chuvas e das propriedades do solo no que se refere à retenção de água. Em Dourados, segundo dados da estação meteorológica da Embrapa Agropecuária Oeste, nos últimos três anos a média de precipitação foi de 1.300 mm/ano, quantidade suficiente para o desenvolvimento das culturas durante o ano. No entanto, a distribuição das chuvas tornou-se ultimamente um sério problema. Nesta região, era comum a ocorrência de veranicos de uma semana a dez dias, mas nos últimos anos estes têm ocorrido de forma mais prolongada e se configurando não mais como veranicos, mas sim como estiagem. Como exemplo, tem-se que em janeiro/fevereiro de 2004; fevereiro/março de 2005 e janeiro de 2006 foram registrados de 35, 31 e 16 dias sem chuva, respectivamente. A produtividade das culturas em geral e principalmente da soja, que nesta época se encontrava na fase de formação/enchimento de grãos, foi afetada de forma irreversível. Esta queda na produtividade pode ser atribuída à baixa capacidade de retenção de água no solo na camada de 0 a 20 cm, que nos solos argilosos é em torno de 25 mm e nos de textura média a arenosos este valor situa-se próximo de 15 mm. Considerando que a evaporação média é em torno de 5 mm dia, teoricamente ter-se-ia água armazenada para somente um período de três a  cinco dias. Porém, o que se verifica na prática é que a soja tem a capacidade de suportar em até 30% a mais este limite, o que corresponde de oito a dez dias de seca sem danos à produtividade. Assim sendo, garantir o bom desenvolvimento das raízes e, conseqüentemente, aumentar a profundidade de exploração do solo pelas mesmas é importante na medida em que se tem, por exemplo, uma cultura que se desenvolve em um solo arenoso e que explore a camada de 0 a 20 cm e com possibilidade de estar sendo prejudicada pela falta de água depois de mais um menos oito dias sem chuvas. Se a mesma cultura explorasse a camada de 0 a 40 cm, ela ainda suportaria o dobro de dias sem chuvas. A baixa capacidade de retenção de água dos solos pode ser melhorada em condições de agricultura extensiva, na medida em que se adote sistemas melhorados de cultivos, a exemplo do Plantio Direto. Neste sistema, o solo está sempre coberto por palha, o que contribui para a diminuição da evaporação e da temperatura do solo e, ao mesmo tempo, ocorre aumento na matéria orgânica favorecendo o armazenamento de água no solo.Por outro lado, deve-se considerar que a quantidade de água retida no solo é tanto maior quanto mais profunda a camada considerada. Assim, uma forma de aumentar a disponibilidade de água para as plantas é procurar conduzir o sistema radicular para estas camadas. Para um bom desenvolvimento e aprofundamento das raízes, é preciso que o solo não tenha impedimentos físicos e ou químicos que dificultem o crescimento em profundidade.Para solucionar tais problemas pode-se lançar mão de diferentes procedimentos ou práticas. Nesse sentido, a subsolagem, para o impedimento físico, aliado à fosfatagem, à calagem e à gessagem, quando feitas corretamente no que diz respeito à profundidade de trabalho, incorporação e doses adequadas, tem efeitos positivos no aprofundamento do sistema radicular.Para que a subsolagem seja eficiente é necessário identificar a que profundidade encontra-se a camada compactada e ajustar o subsolador e a potência do trator para um bom trabalho na descompactação. Às vezes por não ter o equipamento adequado para atingir a profundidade ideal, uma vez que o trator não tem potência para trabalhar na profundidade necessária, tende-se a trabalhar o solo mais superficialmente, não atacando diretamente o problema e, conseqüentemente, não se tem o beneficio esperado no desenvolvimento de raízes.A compactação também é responsável pela subutilização dos fertilizantes pelas plantas. Trabalhos realizados para avaliar a absorção de nutrientes pelas raízes em diferentes níveis de compactação evidenciaram que, na medida que a densidade aumentou de 1,03  g cm-3 (ausência de compactação) para 1,72 g cm-3 (extremamente compactado), a absorção de nitrogênio, fósforo potássio, cálcio e magnésio diminuíram em torno de 45%. O produtor, visando garantir a produtividade, investe ao redor de 20% do custo de produção no item adubação. Porém, em muitos casos, por problemas de compactação do solo, as raízes terão seu desenvolvimento comprometido e conseqüentemente a absorção de água e nutrientes pela planta estará comprometida. Com certeza os investimentos em fertilizantes não trarão o retorno esperado. Nestes casos, o que ocorre é somente a majoração nos custos de produção, já que o aumento em produtividade não se concretiza.Com relação à calagem, deve-se atentar para a distribuição, procurando fazer com que esta seja a mais uniforme possível, isto é, evitar a sobreposição das faixas de distribuição, pois a ação neutralizadora do calcário sobre o solo se propaga a pequenas distâncias, tanto no sentido vertical como no horizontal. Quando a distribuição for desuniforme sobre a superfície do solo, a incorporação não corrigirá este defeito. Este problema agrava-se na medida em que a incorporação for também deficiente.  Os cuidados na incorporação devem ser no sentido de que a dose a ser aplicada é calculada para ser incorporada à profundidade de 20 cm. Portanto, deve-se utilizar os arados de discos ou, quando a profundidade for maior, lançar mão do arado de aivecas.  Com incorporações rasas, com grades, pode ocorrer o que se denomina de supercalagem, uma vez que a quantidade que teria que ser incorporada a 20 cm efetivamente é feita em menor profundidade, elevando em muito o pH dessa camada e conseqüentemente diminuindo a absorção dos nutrientes, ocorrendo a deficiência de macro e micronutrientes. Além disso, a calagem em excesso superficial resseca o solo, tornando as plantas mais vulneráveis ao veranico, limitando o desenvolvimento de raízes, com reflexos na produção.Além do calcário, o gesso agrícola constitui uma importante fonte no fornecimento de cálcio e enxofre às plantas. Este elemento é de importância fundamental ao desenvolvimento das raízes, uma vez que as plantas necessitam de cálcio no próprio ambiente de absorção de água e nutrientes (solo) para a sua sobrevivência. Isto porque as plantas não tronslocam o elemento, pelo floema até as raízes. Deve-se registrar que o gesso não apresenta efeito corretivo da acidez, o seu uso melhora somente o ambiente radicular da planta e deve ser feito com base no conhecimento das características químicas e físicas do solo.A dose de gesso a ser utilizada está relacionada com o teor de argila do solo, sendo que para solos arenosos, com teor de argila menor que 150 g kg-1 a dose é de 0,5 t ha-1; com o teor variando de 150 a 350 g kg-1 a dose será de 1,0 t ha-1, para os argilosos com teores de argila entre 360 e 600 e maior que 600 g kg-1 sugere-se doses de 1,5 e 2,0 t ha-1, respectivamente. Se o objetivo for apenas como fonte de enxofre utilizar 0,2 t ha-1.A ocorrência de períodos de seca, que de uma maneira ou de outra causa impactos diferenciados na produtividade da soja, evidencia cada vez mais a necessidade de um sistema radicular mais profundo na tentativa de diminuir os riscos da produção agrícola. Portanto, a adoção das práticas agrícolas mencionadas anteriormente poderá ter como resultado sistemas radiculares mais desenvolvidos e mais eficientes em buscar água em profundidade no solo.Luiz Alberto Staut  pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste. Dourados-MS. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

FLÓRIDA
Jovem é preso por posse ilegal de arma de fogo e mandado em aberto
DICAS
Prova do processo seletivo da Educação será neste domingo
CAARAPÓ
Polícia apreende maconha e haxixe em fundo falso de motocicleta
OPORTUNIDADE
Detran/MS inicia primeiro leilão de veículos para circulação deste ano
GUARDA
Traficante que queria ganhar R$ 12 mil vendendo drogas é presa em Dourados
EDUCAÇÃO
Matrícula de acadêmicos veteranos da UEMS começa dia 27 de janeiro
LOTERIA
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 27 milhões neste sábado
CAPITAL
Com tiro na nuca, foragido é levado para hospital em estado grave
COMER BEM
Restaurante Senhoritta realiza roda de Chamamé com costelão e acompanhamentos
SONHO DO CARRO
Abevê realiza sorteio de dois veículos 0Km neste sábado

Mais Lidas

CAPITAL
Veterinária deixa motel em surto e morre embaixo de caminhão
DOURADOS
Homem é preso por destruir celular em operação deflagrada para esclarecer homicídio
DOURADOS
'Rua do medo' tem dois entregadores assaltados em 10 dias
TRÁFICO
Polícia flagra esquema de venda de droga no cartão em Dourados