Menu
Busca quarta, 08 de julho de 2020
(67) 99659-5905
CULTURA

Com orquestra de harpas, muita música e dança, 3º Festival Cultural do Chamamé foi destaque em público e negócios

14 outubro 2019 - 17h20Por Da Redação

Um grande sucesso de público e de vendas que superou até mesmo o mau tempo. O 3º Festival Cultural do Chamamé de Mato Grosso do Sul, realizado de 9 a 13 de outubro em Campo Grande –durante o feriadão de Criação do Estado e Dia de Nossa Senhora Aparecida–, superou todas as expectativas de seus organizadores, reunindo mais de 30 mil pessoas nas diferentes atividades realizadas pela Capital e que, na noite de sábado (12), transformou a Praça do Rádio em um verdadeiro baile a céu aberto, reunindo o melhor das expressões culturais do Estado, da Argentina e do Paraguai.

O saldo do evento mostra sua evolução já em sua terceira edição. O público foi mais de 100% superior às expectativas para este ano. Não apenas nos bailes abertos ao público, mas nas diferentes atividades promovidas –como o Seminário de Integração Cultural que, mesmo com a troca de local para o auditório da Fertel (Fundação Luiz Chagas de Rádio e TV Educativa de Mato Grosso do Sul), teve as vagas preenchidas. E que contou também com palestra do maestro Cesar Frete em abordagem sobre a Cultura Guarani Nativa e Identidade Cultural.

No domingo (13), um grande público se emocionou com apresentações de dança e de música, com Escuelas de Arpas y Guitarras de Pedro Juan Caballero (Paraguai). Crianças com 9 anos de idade mostravam intimidade com instrumentos musicais que entoaram a expressão da mais pura latinidade.

Fora dos palcos, as feiras de artesanato e gastronômica também comemoraram os bons resultados. Amada e Yandré Sanchez retornaram ao Paraguai depois de ter vendido praticamente todo o estoque de Ao Po’i pois (o bordado de Ao Po’i, “tela fina o prenda delicada” em guarani, surgiu no século 19 em Yataity, Guairá, no centro do Paraguai, e é resultado de criatividade e engenhosidade a mulher paraguaia na confecção).

“Foram mais de 700”, comemorou Amada, surpresa com a aceitação das peças masculinas e femininas. Já a chef Batatinha de Souza viu o estoque de iguarias –como a comida de comitiva e o arroz carreteiro “made in MS”– esgotar já no terceiro dia do festival.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Aplicativo do Seguro Dpvat registra mais de 138 mil downloads neste ano
BELA VISTA
Homem suspeito de caça é preso com rifle e munições
CORUMBÁ
Detran intensifica ações do Pátio Zero no Estado e esvazia agência
PARALISAÇÃO
Câmara de Dourados vota projeto de resolução que suspende recesso parlamentar de julho
BRASIL
Com eleição adiada, TSE é consultado sobre prazo de Ficha Limpa
RIO AQUIDAUANA
Ambiental multa homem em mais de R$ 5 mil por degradar mata ciliares
ASSEMBLEIA DE MS
Aprovado direito de incluir nome do cônjuge em faturas
CAMPO GRANDE
Hemosul realiza testagens laboratoriais de resultados do Covid-19, porém sem coletas no local
PANDEMIA
Bodoquena, Bela Vista e Terenos solicitam reconhecimento de calamidade pública
BRASIL
Mais de 200 mil candidatos se inscreveram no primeiro dia de abertura do Sisu

Mais Lidas

DOURADOS
Acusado de matar secretário pode ter tido surto de esquizofrenia
BR-163
Casal que morreu ao bater em carreta morava em Campo Grande
PANDEMIA
Dourados confirma mais três óbitos por coronavírus e ultrapassa 3 mil casos
PANDEMIA
Comerciante de 45 anos é a 37ª vítima do coronavírus em Dourados