Menu
Busca sexta, 16 de novembro de 2018
(67) 9860-3221
SAÚDE

Cirurgia para corrigir orelha de abano não é só estética, diz médico

19 junho 2015 - 18h45

Agência Brasil

A maioria das pessoas que fazem cirurgias de correção de orelha de abano busca fugir do bullying, segundo especialista no assunto, cirurgião plástico Marcelo Assis. Ele é coordenador nacional do Projeto Orelhinha, organização da sociedade civil de interesse público que há cinco anos faz mutirão de cirurgias pelo país para todas as classes sociais. Hoje (19) cerca de 300 pessoas participaram de um mutirão de consultas para triagem de pacientes no Rio de Janeiro.

“Crianças e adultos sofrem muito com o problema por causa de apelidos, humilhações na escola ou no trabalho e isso acaba gerando uma dificuldade na vida da pessoa. Então existe uma demanda muito grande na sociedade por esse tipo de cirurgia”, disse.

O médico lamentou que esse tipo de operação seja considerada de estética, não sendo coberta por pelos planos e raramente oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O valor da cirurgia pode chegar a R$ 8 mil. “Para nós essa é uma cirurgia social, pois o impacto que gera no pós-operatório é muito grande”, destacou, “por isso existe o Projeto Orelhinha”. Mais de 10 mil pessoas já foram operadas nos mutirões.

Chamada de otoplastia, a cirurgia é oferecida para pessoas a partir de sete anos de idade. O projeto viabiliza subsídio de 70% do custo do tratamento. Os 30% restantes, cerca de R$1.800, são custeados pelo próprio paciente para pagar os materiais cirúrgicos, medicamentos, ajuda de custo dos profissionais envolvidos, além das despesas hospitalares, operacionais e administrativas. Há também cirurgias com 100% de gratuidade para crianças entre 7 anos e 14 anos de famílias pobres.

Assis ressaltou que a orelha de abano não é uma deformidade, apenas uma característica hereditária e que cerca de 3% da população têm esse excesso de cartilagem na orelha. “Outras causas [da orelha de abano] são pela posição uterina, o neném fica com a orelha dobradinha no útero e acaba nascendo com uma orelhinha aberta e outra fechada”, explicou.

O publicitário João Roberto Souza operou as orelhas de abano aos 12 anos. Na escola, tinha apelidos de Dumbo e coelho da páscoa. “Morria de vergonha, chorava escondido. Depois da cirurgia isso acabou. É uma pena precisar operar por ser diferente do padrão, mas foi o único jeito”, lamentou.

A cirurgia de otoplastia é feita com anestesia local e dura cerca de 40 minutos. O paciente recebe alta médica algumas horas após o procedimento. O pós-operatório consiste no uso de uma faixa de atadura durante quatro dias. Cinco dias após a cirurgia, o paciente já pode retomar as atividades normais e usa faixa tipo bailarina apenas para dormir durante mais 25 dias. Ele não pode praticar esportes com bola ou lutas e se expor ao sol e mergulhar em piscina ou no mar por um mês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Seleção para preencher vagas de médicos cubanos ocorre ainda este mês
PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA
Radares flagram quase 500 motoristas por excesso de velocidade nas BR's de MS
DOURADOS
Grupo ABV realiza sorteio de carro 0km
TRÂNSITO
Bêbado, homem é preso ao provocar acidente
ÁFRICA DO SUL
Prédio de apartamentos é construído com 140 contêineres
BRASIL
Bolsonaro diz que nomes de comandantes militares não estão definidos
PÓS-FERIADO
Centrão ‘calmo’ é reflexo do feriado no meio da semana em Dourados
CAMPO GRANDE
Para não bater em capivaras, motorista desvia, perde controle e capota veículo
ALERTA
Procon orienta sobre cuidados para compras na Black Friday
RURAL
Integração lavoura-pecuária atrai mais produtores em MS

Mais Lidas

CAMPO GRANDE
Empresário é executado e filho fica ferido em atentado
CAMPO GRANDE
Empresário executado na Capital era avalista em dívida de R$ 40 milhões
SUSTO
Veículo com placas de Dourados fica destruído ao ser atingido por vagões de trem
DOURADOS
Dupla armada rouba moto para assaltar empresa e levar R$ 3 mil