Menu
Busca segunda, 17 de junho de 2019
(67) 9860-3221
LIMINAR

Tribunal de Justiça nega habeas corpus a acusado de violência doméstica

23 outubro 2017 - 18h05Por Da Redação

Em sessão de julgamento, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal, do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do SUl) por unanimidade, denegaram a ordem de habeas corpus, com pedido liminar, em favor de D.L. de O.S., preso preventivamente pelos crimes de violência doméstica, ameaça, lesão corporal e porte ilegal de arma de fogo.

Consta nos autos que na madrugada de 24 de setembro de 2017, no Jardim Centenário, na Capital, o denunciado ofendeu a integridade de sua esposa e a agrediu com socos na cabeça e na boca. O autor utilizou uma arma de fogo e deu várias coronhadas na cabeça da vítima, logo depois a empurrou do carro em que estavam, a ferindo gravemente. Com a arma na cabeça da esposa, ele ainda ameaçou matá-la.

De acordo com a denúncia, a arma que o denunciado portava era de uso permitido de uma terceira pessoa e estava no carro onde ocorreram as agressões. O agressor passou a portá-la ilegalmente e utilizá-la para prática de delitos. Consta que o acusado efetuou disparos com a referida arma de fogo, em lugar habitado, visto que atirou para cima no quintal de sua residência.

O acusado foi preso em flagrante e teve sua prisão convertida em preventiva, sob o argumento de garantia da ordem pública.

Diante de tal decisão, a defesa impetrou a ordem de habeas corpus, com pedido liminar, apontando estarem ausentes os requisitos para manutenção do encarceramento. Pleiteou a aplicação de medidas cautelares diversas da prisão ou, ainda, a conversão para o regime domiciliar, tendo em vista se tratar de portador de doença grave.

A liminar foi indeferida.

Em seu voto, o relator do processo, Des. Manoel Mendes Carli, entende que é inviável a conversão da prisão preventiva em prisão domiciliar, uma vez que não foi comprovado que o homem deixou de ter atendimento médico adequado no cárcere.

Argumenta que, nos termos do artigo 313 do Código de Processo Penal, admite-se a prisão preventiva nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade superior a 4 anos, bem como se já houver condenação em outro crime doloso, se envolver violência doméstica e familiar ou se houver dúvida sobre a identidade civil.

Aponta o relator que a prisão preventiva pode ser decretada para garantir a ordem pública e econômica ou, ainda, para a conveniência da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal, bem como quando há prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

“Diante dos fatos apresentados, a prisão preventiva deve ser mantida para garantia da ordem pública, pois, de fato, há possibilidade real de o paciente cumprir as ameaças de morte, considerando a arma de fogo apreendida. Portanto, denego a ordem”.

O processo tramitou em segredo de justiça.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UEMS
Abertas inscrições para seleção de docente temporário em Administração
CRIME AMBIENTAL
Mulher é multa por maus-tratos a cachorros e por aves silvestres em cativeiro
FRAUDE
Supermercados que vendem azeite falsificado podem ser multados
POLÍCIA
Após partida de futebol, brasileiro tenta matar jogador a tiros na Bolívia
TRE/MS
Justiça eleitoral cassa prefeito e vice de Coxim, que podem recorrer
ECONOMIA
Alvo da operação Lava Jato, Odebrecht pede recuperação judicial
CAMPO GRANDE
Policial Militar é encontrado morto em casa e suspeita é de suicídio
TELEVISÃO
Silviol Santos pede e Tiago Abravanel troca a Globo pelo SBT
GRATUIDADE
Bolsonaro veta isenção de cobrança de bagagem em voos domésticos
JUSTIÇA
Construtor é condenado a devolver R$ 5.800 por obras não realizadas

Mais Lidas

PARAGUAI
Motim termina com 10 mortos e presos queimados e decapitados
AQUIDAUANA
Douradense desaparece nas águas do rio Aquidauana durante banho
POLÍCIA
Casal contratado para levar maconha até Campo Grande é preso em Dourados
FURTO
Jovem é preso enquanto furtava bicicleta dentro de residência em Dourados