Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99659-5905
CONSUMIDOR

STF afirma competência da ALMS sobre relação de consumo

16 março 2019 - 09h30Por Da Redação

O Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmou que a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS) tem competência concorrente com a União para legislar sobre direito do consumidor. A Casa de Leis foi intimada da decisão favorável na última quarta-feira (13).

A Corte julgou improcedente Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) proposta pela Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) contra a ALMS e o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB). A ação questionava a Lei Estadual 4.054 de 2011, a qual dispõe sobre o prazo para registro de consumidor inadimplente nos serviços de proteção ao crédito no Estado.

De acordo com a Lei 4.054, “o registro de consumidor inadimplente nos serviços de proteção ao crédito somente poderá ocorrer decorridos 45 (quarenta e cinco) dias, contados da data de vencimento da dívida inadimplida”. A regra é válida para fornecedores de natureza privada do estado de Mato Grosso do Sul e visa à proteção ao consumidor, visto que ele terá um prazo mínimo para quitar a dívida antes de ter o nome cadastrado como inadimplente.

Para a Abradee, a Lei Estadual teria violado Constituição do Estado de Mato Grosso do Sul e a Constituição Federal, por ser de competência privativa da União legislar sobre serviços públicos federais de distribuição de energia elétrica. No entanto, a decisão do STF foi favorável à Assembleia Legislativa e à população sul-mato-grossense.

O Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) já havia decidido pela constitucionalidade da Lei Estadual. Ao julgar recurso interposto pela Abradee, os ministros da Primeira Turma do STF entenderam que a decisão do TJMS não diverge da jurisprudência firmada pela Corte, pois “a Constituição Federal, no tocante à proteção e à defesa do consumidor, estabelece competência concorrente entre a União, os Estados-Membros e o Distrito Federal, ‘razão pela qual não há que se falar em afronta aos preceitos constitucionais invocados’”, trecho do voto da ministra relatora Rosa Weber.

De acordo com o secretário de Assuntos Legislativos e Jurídicos da Assembleia Legislativa, Luiz Henrique Volpe Camargo, a decisão é positiva aos trabalhos da Casa. “A decisão do Supremo reafirma as atribuições da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul para legislar concorrentemente sobre as relações de consumo, e estimula os deputados a apresentarem seus projetos de lei referentes ao tema”, afirmou o secretário.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PESCA PREDATÓRIA
Policiais apreendem redes de pesca e anzóis de galho em rios de MS
BRASIL
Covid-19: planos de saúde incluirão mais 6 exames na lista obrigatória
8H ÀS 12H
Três agências da Caixa abrem em Dourados neste sábado para saque de auxílio
DOURADOS
MP pede extinção de processo contra casal acusado de "furar" quarentena
PANDEMIA
Dourados registrou um caso de Covid-19 a cada 1h30 nos últimos dez dias
MERCADO DE TRABALHO
Quase 7 mil postos de trabalho são fechados somente em abril em Mato Grosso do Sul
POLÍTICA
TJ absolve ex-deputado estadual em caso de “servidora fantasma”
MATO GROSSO DO SUL
Beneficiários são notificados por abandono, locação e cedência de unidades habitacionais
DOURADOS
Plano de saúde é condenado por não fornecer medicamento a gestante
LEGISLATIVO
Isenção de ICMS sobre subvenção tarifária é validada pela AL

Mais Lidas

DOURADOS
Paciente com suspeita de coronavírus afasta mais de 20 profissionais da saúde no HV e UPA
PANDEMIA
Dourados é "campeã" de casos de coronavírus em MS pelo 3º dia consecutivo
PANDEMIA
Dourados investiga morte com suspeita do novo coronavírus
DOURADOS
Empresários cobram de Délia prova científica para justificar toque de recolher