Menu
Busca quinta, 13 de dezembro de 2018
(67) 9860-3221
SAÚDE

Sífilis pode ser confundida com outras doenças e trazer complicações; saiba como se proteger

03 novembro 2017 - 13h05Por Portal Brasil

Ela surge como uma pequena ferida nos órgãos sexuais, não dói, não coça e não arde. Depois de um tempo, a ferida desaparece sem deixar cicatriz e dá à pessoa a falsa impressão de estar curada.

Como a doença não foi tratada, ela continua a avançar no organismo e reaparece, dessa vez com manchas em várias partes do corpo, queda de cabelo, cegueira, doença do coração e paralisias. Em grávidas, causa até aborto e má formação do feto.

Esses são os principais sintomas da sífilis, doença sexualmente transmissível que tem se alastrado pelo País desde 2010. Só no ano passado, foram registrados 87.593 mil casos em adultos. Para 2017, a projeção do Ministério de Saúde é de 94.460.

Causada pela bactéria Treponema pallidum, que invade o corpo em fases, a doença é transmitida de uma pessoa para outra por meio de relações sexuais desprotegidas (sem preservativos), transfusão de sangue contaminado (o que hoje em dia é muito raro, em razão do controle do sangue doado), e durante a gestação e o parto (da mãe infectada para o bebê).

Dessa forma, para evitar a contaminação, é necessário fazer uso regular de preservativos, além do diagnóstico precoce em mulheres em idade reprodutiva, com intenção de engravidar, e em parceiros.

Por meio de ações e estratégias, o Governo do Brasil tem intensificado o combate à doença. Em 2016, por exemplo, foi lançada uma campanha nacional para mobilizar gestores e profissionais de saúde para a importância da detecção e do tratamento da sífilis durante o pré-natal.

Neste ano, foram liberados R$ 200 milhões para os municípios aplicarem no tratamento e principalmente no diagnóstico, já que muitas vezes a sífilis pode ser confundida com outras doenças. A prioridade são 100 cidades que concentram 60% dos casos da doença.

Testes Rápidos

Nas unidades do Sistema Único de Saúde, é possível realizar o teste rápido para identificar a sífilis. Entre 2001 e 2015, o Ministério da Saúde aumentou em mais de quatro vezes a quantidade de testes distribuídos a estados e municípios, passando de 1,1 milhão para 6,1 milhões

Para as gestantes, a indicação da realização dos testes rápidos é feita já na primeira consulta do pré-natal, o que reforça a importância de iniciar o acompanhamento médico ainda no primeiro trimestre da gravidez. Quando a grávida infectada passa pela terapia adequada, é possível evitar que o bebê tenha a doença. 

Tratamento

Tanto em grávidas quanto em outras pessoas, o tratamento para curar a sífilis é feito, principalmente, por meio de antibióticos, como a penicilina. O Governo do Brasil já garantiu a aquisição de 2,5 milhões de ampolas de penicilina benzatina, para o tratamento da sífilis adquirida em gestantes e 450 mil ampolas da penicilina cristalina para bebês. Essa quantidade irá garantir o abastecimento dos remédios nas unidades do SUS até 2019. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

SHOWBIZZ
Ana Hickmann é perseguida e entra em pânico: “Estou apavorada”
TAURUS
Eu apoio o projeto Natal para Todos - Dourados Brilha
BOAS FESTAS
Operação apreende drogas, equipamentos de informática e investiga caso suspeito de pedofilia
UFGD
Mestrado Profissional em Administração abre seleção para professores
BRASIL
PF deflagra operação para investigar fraude no Ministério do Trabalho
LOTERIA
Mega-Sena acumula mais uma vez e prêmio vai a R$ 42 milhões
BOAS FESTAS
Ação conjunta mira traficantes em Dourados
SAÚDE
Bolsonaro passa por avaliação médica nesta quinta em São Paulo
PROTESTO
Agentes penitenciários fazem ato por mais segurança na PED
DEBATE
Dourados sedia evento que visa a redução de infecções em UTI’s

Mais Lidas

DOURADOS
Idoso é preso por abusar de criança durante três anos: “ela fazia porque gostava”
REGIÃO
Rapaz é encontrado enforcado às margens da MS-156
DOURADOS
Jovem que matou namorada e filha é indiciado por duplo feminicídio
PANTANAL
Homem rodeado por jacarés é resgatado de riacho em MS