Menu
Busca domingo, 21 de julho de 2019
(67) 9860-3221
CAPITAL

Sem exame de DNA, polícia pede prazo para identificar ossada em MS

12 junho 2015 - 18h45

G1

A Polícia Civil pediu um prazo maior para continuar com as investigações sobre a ossada encontrada em uma madeireira em Campo Grande, em março deste ano. Segundo o delegado Messias Pires, adjunto da 6ª Delegacia de Polícia, disse que ainda não recebeu o resultado do exame de DNA, por conta do atraso de entrega nos resultados.

“Ainda não temos o resultado da perícia. A diretoria nos afirmou que ainda não está pronto e por isso pedimos mais 30 dias para encerrar o inquérito”, afirmou o delegado, ressaltando que a mãe da vítima estaria ansiosa. “A mãe fica apavorada em saber logo o resultado, mas estamos aguardando”.

Ocultação de cadáver

Sobre o que foi constatado até o momento, o delegado disse que dezenas de testemunhas comentaram que o somente o proprietário da madeireira, a vítima e um caseiro tinham acesso ao imóvel.
“O caseiro alimentava os cachorros, pois tinha acesso ao local para colocar ração e água. Ele inclusive confessou que enterrou mais de um animal lá onde a vítima foi localizada. É possível sim que ele tenha ajudado no crime, ocultado o cadáver”, comentou o delegado.
Silicone

Ao lado da ossada, a polícia localizou próteses de silicone, que seriam um presente do amante de Marília, desaparecida desde 2003.

Em depoimento, uma mulher que teve um relacionamento com o suspeito em 2004 disse que também foi presenteada com silicone por ele, sendo que o homem pagou a mesma clínica e médica para realizar o procedimento, de acordo com o delegado.

Entenda o caso

A ossada humana foi encontrada enterrada na fossa de uma empresa, no bairro Taveirópolis. A Polícia Civil disse que os indícios eram de que o esqueleto estava soterrado há pelo menos 12 anos. No material encontrado havia próteses de silicone e uma calcinha, indicando a possibilidade de ser uma mulher.

Enquanto retirava areia da fossa, um funcionário da madeireira avistou os restos mortais. Os ossos estavam divididos em três sacos de ração de cachorro que tinham, na data de fabricação, o ano de 2003. Para o delegado, isso indica a antiguidade do soterramento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PEDRO JUAN
Segurança de boate que matou cliente com tiro na cabeça é preso
FENEARTE
Artesanato de MS é sucesso de vendas na maior feira da América Latina
DOURADOS
Homem perde motocicleta em assalto no jardim Novo Horizonte
PESQUISA
53% são contra indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixador
DOURADOS
Prova para candidatos a conselheiro tutelar será no dia 28 de julho
CAPITAL
Acidente entre dois carros e carreta mata motorista na BR-163
SHOWBIZZ
Luana Piovani revela o verdadeiro motivo do término com Pedro Scooby
CAPITAL
Homem é morto a facada e testemunha presa por não pagar pensão
BRASIL
Estudo revela que 80% de diabéticos podem ter doenças cardiovasculares
RIO BRILHANTE
Dupla é flagrada com mais de 100 quilos de maconha em veículo

Mais Lidas

TRÂNSITO
Mulher morre após acidente entre carro e moto
DOURADOS
Guarda flagra rapaz empurrando moto e descobre que veículo era furtado
LAGUNA CARAPÃ
Homem chega alterado em casa, bate na mãe e é preso
DOURADOS
Jovem é preso por tráfico internacional na rodoviária