Menu
Busca sexta, 22 de fevereiro de 2019
(67) 9860-3221
CAPITAL

Sem exame de DNA, polícia pede prazo para identificar ossada em MS

12 junho 2015 - 18h45

G1

A Polícia Civil pediu um prazo maior para continuar com as investigações sobre a ossada encontrada em uma madeireira em Campo Grande, em março deste ano. Segundo o delegado Messias Pires, adjunto da 6ª Delegacia de Polícia, disse que ainda não recebeu o resultado do exame de DNA, por conta do atraso de entrega nos resultados.

“Ainda não temos o resultado da perícia. A diretoria nos afirmou que ainda não está pronto e por isso pedimos mais 30 dias para encerrar o inquérito”, afirmou o delegado, ressaltando que a mãe da vítima estaria ansiosa. “A mãe fica apavorada em saber logo o resultado, mas estamos aguardando”.

Ocultação de cadáver

Sobre o que foi constatado até o momento, o delegado disse que dezenas de testemunhas comentaram que o somente o proprietário da madeireira, a vítima e um caseiro tinham acesso ao imóvel.
“O caseiro alimentava os cachorros, pois tinha acesso ao local para colocar ração e água. Ele inclusive confessou que enterrou mais de um animal lá onde a vítima foi localizada. É possível sim que ele tenha ajudado no crime, ocultado o cadáver”, comentou o delegado.
Silicone

Ao lado da ossada, a polícia localizou próteses de silicone, que seriam um presente do amante de Marília, desaparecida desde 2003.

Em depoimento, uma mulher que teve um relacionamento com o suspeito em 2004 disse que também foi presenteada com silicone por ele, sendo que o homem pagou a mesma clínica e médica para realizar o procedimento, de acordo com o delegado.

Entenda o caso

A ossada humana foi encontrada enterrada na fossa de uma empresa, no bairro Taveirópolis. A Polícia Civil disse que os indícios eram de que o esqueleto estava soterrado há pelo menos 12 anos. No material encontrado havia próteses de silicone e uma calcinha, indicando a possibilidade de ser uma mulher.

Enquanto retirava areia da fossa, um funcionário da madeireira avistou os restos mortais. Os ossos estavam divididos em três sacos de ração de cachorro que tinham, na data de fabricação, o ano de 2003. Para o delegado, isso indica a antiguidade do soterramento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TENSÃO
Confrontos na fronteira com a Venezuela deixam 2 mortos e 15 feridos
ENTENDIMENTO
Juiz ministrará palestra sobre projeto de lei anticrime na segunda-feira
CAMPO GRANDE
Incêndio destrói bilheteria de circo na Capital
ANUÁRIO
Mortes no trânsito de Dourados caem 35% em 2018
FUTEBOL
Clubes aprovam e Brasileiro terá VAR em todos os jogos
POLÍCIA
Homem é flagrado com carro “recheado” de cigarros contrabandeados
BRASIL
Paulo Guedes espera aprovação da reforma da Previdência até junho
CAMPO GRANDE
Interno é encontrado morto dentro de cela de presídio
TVE/MS
Reunião discute novo organograma da Fertel e atualizações profissionais na radiodifusão
DOURADOS
Seleção para contratação de técnicos é aberta

Mais Lidas

OPORTUNIDADE
Prorrogadas inscrições em processo seletivo para contratação de Assistentes de Atividades Educacionais
MAIS UM
Délia exonera secretário de Saúde e adjunta assume o posto
AMAMBAI
Homem mata a ex-mulher a facadas na frente dos sete filhos
DOURADOS
Trio é preso após tentar repetir furto em loja do shopping