Menu
Busca quarta, 26 de setembro de 2018
(67) 9860-3221
CAPITAL

Sem exame de DNA, polícia pede prazo para identificar ossada em MS

12 junho 2015 - 18h45

G1

A Polícia Civil pediu um prazo maior para continuar com as investigações sobre a ossada encontrada em uma madeireira em Campo Grande, em março deste ano. Segundo o delegado Messias Pires, adjunto da 6ª Delegacia de Polícia, disse que ainda não recebeu o resultado do exame de DNA, por conta do atraso de entrega nos resultados.

“Ainda não temos o resultado da perícia. A diretoria nos afirmou que ainda não está pronto e por isso pedimos mais 30 dias para encerrar o inquérito”, afirmou o delegado, ressaltando que a mãe da vítima estaria ansiosa. “A mãe fica apavorada em saber logo o resultado, mas estamos aguardando”.

Ocultação de cadáver

Sobre o que foi constatado até o momento, o delegado disse que dezenas de testemunhas comentaram que o somente o proprietário da madeireira, a vítima e um caseiro tinham acesso ao imóvel.
“O caseiro alimentava os cachorros, pois tinha acesso ao local para colocar ração e água. Ele inclusive confessou que enterrou mais de um animal lá onde a vítima foi localizada. É possível sim que ele tenha ajudado no crime, ocultado o cadáver”, comentou o delegado.
Silicone

Ao lado da ossada, a polícia localizou próteses de silicone, que seriam um presente do amante de Marília, desaparecida desde 2003.

Em depoimento, uma mulher que teve um relacionamento com o suspeito em 2004 disse que também foi presenteada com silicone por ele, sendo que o homem pagou a mesma clínica e médica para realizar o procedimento, de acordo com o delegado.

Entenda o caso

A ossada humana foi encontrada enterrada na fossa de uma empresa, no bairro Taveirópolis. A Polícia Civil disse que os indícios eram de que o esqueleto estava soterrado há pelo menos 12 anos. No material encontrado havia próteses de silicone e uma calcinha, indicando a possibilidade de ser uma mulher.

Enquanto retirava areia da fossa, um funcionário da madeireira avistou os restos mortais. Os ossos estavam divididos em três sacos de ração de cachorro que tinham, na data de fabricação, o ano de 2003. Para o delegado, isso indica a antiguidade do soterramento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

UAU
Aline Riscado curte praia com amigas e impressiona com corpão sarado
UFMS
PF investiga denúncia de acadêmico que ameaçou professores e alunos
OPORTUNIDADE
CIN abre vagas a curso de comércio exterior em Dourados
CAMPO GRANDE
Prefeitura abre inscrição para contratar médicos com salário de R$ 12 mil
UEMS
De Pais para Filhos chega em Dourados no próximo fim de semana
CAPITAL
Com suspeita de tuberculose, idosa espera vaga em hospital há 5 dias
PROGRAMA
Governo lança plano para reduzir à metade nº de mortos no trânsito
ANASTÁCIO
Após engravidar do pai, adolescente dá à luz e decide criar bebê
ELEIÇÕES 2018
TSE aceita registro de candidatura de Haddad à Presidência
EDUCAÇÃO
ProfLetras de Dourados abre processo seletivo para alunos regulares

Mais Lidas

DOURADOS
Polícia encontra bilhete com “mula” e fecha entreposto de drogas no Estrela Porã
OPERAÇÃO REMAKE
Gaeco cumpre mandados e apura desvio de R$ 670 mil em sindicato
BR-163
Gol carregado com maconha é apreendido em Dourados
ÁGUA BOA
Homem armado invade casa e leva dinheiro da vítima