Menu
Busca sexta, 23 de agosto de 2019
(67) 9860-3221
ARTIGO

Que amor é esse?

19 abril 2019 - 13h09Por Vinicios Araújo

A Páscoa é um dos períodos mais importante para o cristianismo. Talvez mais ainda que o Natal. Fatalmente, ao longo dos anos o fator comercial criou uma ‘nova cara’ para essa época do ano, mas apesar disso, o propósito da Páscoa jamais será extirpado. 

O Coelhinho é um cara legal. Ele é simpático, atrativo, fala bem com o público infantil, mas não passa de uma mera abordagem comercial da Páscoa. Esse período fala mais de dor do que de prazer, fala mais de renúncia do que de aquisição, fala mais de amor do que de chocolate. Páscoa é a manifestação da misericórdia de quem nos amou com o maior amor do mundo. 

Mas, que amor é esse? Como dimensionar um sentimento tão forte e cheio de variações à figura de Jesus Cristo? Pois vamos descobrir o que é Páscoa!

Tudo começou no Egito. A Bíblia relata que após uma série de tentativas de libertar o povo de Israel do domínio egípcio, o Senhor chama Moisés e Arão para que estes conduzam o povo a uma ação nova, uma ação profética. A determinação era separar um cordeiro sem manchas para cada família, quando pequena esta poderia se unir a do vizinho, e naquela noite o animal deveria ser sacrificado, seu sangue deveria ser passado nos umbrais das portas e em seguida a carne deveria ser assada e consumida naquela noite. 

A promessa era de que, durante aquele período, um anjo enviado por Deus passaria pelas ruas do Egito matando todo primogênito que morasse em casas que não tivessem a marca do cordeiro. Era o castigo do Altíssimo para um povo resistente, obstinado e mau. E aconteceu. 

“À meia-noite, o Senhor feriu todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que se sentava em seu trono, até ao primogênito do cativo que estava no cárcere, e todos os primogênitos dos animais. E Faraó levantou-se de noite, ele, e todos os seus servos, e todos os egípcios; e havia grande clamor no Egito, porque não havia casa em que não houvesse um morto” — Êxodos 12: 29-30.

Esta foi a primeira Páscoa. A Páscoa da libertação. A Páscoa da intervenção de Deus sobre o julgo de um povo mau sobre a nação que Ele havia escolhido para ser o Senhor dela. 

Os anos se passaram, por inúmeras vezes o povo amado se voltou contra aquele o amou. Até que um dia o pecado já não tinha domínio mais. As pessoas haviam se perdido em suas práticas imorais, motivadas por uma conduta egoístas e sem temor. Elas haviam se esquecido do amor. 

Sacrifícios de animais já não eram mais suficientes para apagar a mancha. Foi então que do Céu, o Senhor se compadeceu. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” — João 3:16.

Ele veio, habitou entre nós, foi tentado, humilhado e adorado. Se despiu das vestes reais para ser co participante da vida humana. Ele experimentou os desafios que assolam as nossas vidas, as tentações que nos encurralam e diante de tudo isso permaneceu íntegro, sem culpas e erros. Um verdadeiro cordeiro imaculado. 

Tudo isso por um propósito: morrer por você. Mas não morrer como ocorria com os animais sacrificados, que o sangue apagava o pecado, mas não transformava a natureza. Desta vez era o próprio Deus se entregando em seu favor. O Sangue dEle não só limpa do pecado como transforma o homem de dentro para fora. 

E esse amor é confuso. Confuso porque ele fala de uma entrega não merecida, um sacrifício sem expectativa de gratidão. Foi um amor manifesto sem a missão de te emocionar, mas sim de te salvar, de te libertar. 

O segredo da Cruz está justamente na entrega sem culpa, na redenção sem acusação. Na morte dolorosa, perturbadora, angustiante, sem se quer um motivo mínimo para tudo aquilo. A não ser, você!

O mundo jamais vai compreender esse amor. O mundo jamais vai conseguir justificar esse amor. O mundo jamais vai conseguir oferecer esse amor. Puro, verdadeiro, transformador e redentor!

Ele sofreu, foi humilhado, mas logo ao terceiro dia teve suas palavras cumpridas. Foi ressuscitado e hoje vive para que eu e você tenhamos a esperança de dias melhores e uma eternidade em Sua presença. 

A Páscoa é a memória de um amor que mudou a história da humanidade. Um amor que revolucionou as mais duras realidades. Um amor que ultrapassou a fronteira da lógica e hoje só se manifesta pela fé. 

“Em verdade, em verdade vos asseguro: quem ouve a minha Palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida” — João 5:24.

Que o Senhor abençoe a sua vida e a sua família! Feliz Páscoa.

* Líder evangélico, orientador de casais e jornalista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Clientes que acionaram garantia serão indenizadas por eletrodoméstico com defeito
DOURADOS
Prefeita diz abominar discriminação e aciona Procuradoria para investigar conduta de guarda
FAMOSOS
Ator responderá na Justiça por desacato e briga em bar
FUTEBOL
Árbitra de MS atua em duelo da Série A do Brasileirão neste final de semana
CAGED
País gera 43,8 mil empregos formais em julho
DOURADOS
Délia revoga nomeação de coordenadora da intervenção na Funsaud
DOURADOS
VÍDEO: Guarda agride rapaz em abordagem na UPA e corregedoria abre inquérito para apuração
VALE QUANTO?
Peritos imobiliários avaliam Douradão para venda ou aluguel a pedido da prefeitura
REUNIÃO
Procon cobra maior agilidade de atendimento em agências bancárias
PONTA PORÃ
Condenado por homicídio é preso na fronteira

Mais Lidas

TRÂNSITO
Empresa desliga mais de 30 lombadas eletrônicas em Dourados após rescisão contratual
DOURADOS
Veículo é consumido pelas chamas no Água Boa; veja vídeo
CRIME ORGANIZADO
Operação contra o PCC cumpre 30 mandados de prisão em cidades de MS
DOURADOS
Coordenador diz que Samu tentou reanimar acidentado por uma hora em HV sem médico