Menu
Busca domingo, 21 de abril de 2019
(67) 9860-3221
ATÉ A NETFLIX?

Prefeitura de MS quer cobrar imposto sobre serviços como Netflix e Spotify

29 setembro 2017 - 16h05Por Da Redação

Prefeitura de Campo Grande vai cobrar imposto de serviços de streaming, como Netflix e Spotify.

A tributação faz parte da Lei Federal nº 157/2016, que reformulou o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), e será regulamentada na Capital por meio de projeto de lei, a ser votado pela Câmara Municipal no próximo mês.

A proposta, segundo o Correio do Estado, prevê alíquotas que variam de 2% a 5% em diversas atividades, como criação de programas de computador, florestamento e reflorestamento, vigilância, segurança ou monitoramento de bens e pessoas, aplicação de tatuagens e piercings, serviços de guincho, entre outras.

No caso do streaming (disponibilização, sem cessão definitiva, de conteúdos de áudio, vídeo, imagem e texto por meio de internet, respeitada a imunidade de livros, jornais e periódicos), a taxação deve ser de 5%.

O município ainda não dispõe de projeções sobre o impacto que a medida terá sobre a arrecadação municipal.  

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

FAMOSOS
Luana Piovani comenta o fim dos likes no Intagram com foto barriga: "Sou mil vezes essa imagem"
POLÍCIA
Homem é encontrado morto no Rio Dourados
ESPORTES
Águia Negra é tricampeão e comemora em casa
ESPORTES
Corinthians é tricampeão Paulista
ESPORTES
Flamengo vence o Vasco por 2 a 0 e é campeão carioca
MUNDO
Eleições da Ucrânia se encerram às 17h; Leia sobre favoritos
MS
Rapaz bêbado e ensanguentado pula muro, invade casa de PM e diz estar fugindo de briga
BRASIL
Bolsonaro condena ataques no Sri Lanka
MS
Homem é autuado por transporte de pescado ilegal
MS
Bebê nasce na BR-163/MS à caminho de hospital

Mais Lidas

POLÍCIA
Mulher de 41 anos é assaltada e estuprada próximo à feira-livre
DOURADOS
Rapaz é ferido com duas facadas e socorrido ao HV
DOURADOS
Indígena que morreu atropelada na MS-156 tinha 25 anos
POLÍCIA
Casal é preso por tráfico, após entrega de crack, no Cachoeirinha