Menu
Busca domingo, 19 de maio de 2019
(67) 9860-3221
OPERAÇÃO

Polícia Federal investiga fraudes em 14 concursos públicos

18 setembro 2017 - 17h20

A Polícia Federal descobriu fraudes em 14 concursos públicos nacionais aplicados pela Fundação Carlos Chagas. Segundo a Operação Afronta II, que encontrou as irregularidades, 47 candidatos se beneficiaram de escutas eletrônicas no momento de realizar as provas. De acordo com a PF, alguns desse candidatos já foram habilitados e empossados nos cargos para os quais concorreram.

Hoje (18), a PF cumpriu dois mandados de prisão temporária, quatro mandados de condução coercitiva e dez mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal em São Paulo, nas cidades de Campinas (SP) e Maceió. Os demais candidatos foram intimados para prestar esclarecimentos.

Em outubro do ano passado, a PF deflagrou a primeira etapa da operação, em Sorocaba (SP), para apurar uma fraude no concurso público do Tribunal Regional Federal da 3ª Região para os cargos de técnico e analista judiciário.

Na ocasião, foram indiciados nove membros da organização criminosa: o líder do grupo, o técnico responsável pelos equipamentos eletrônicos, quatro pessoas que desviavam as provas, e três que corrigiam as questões desviadas. Foram indiciados ainda doze candidatos que receberam as questões por meio de equipamentos de ponto eletrônico, e duas pessoas que também tiveram participação na fraude, embora não fossem membros da organização.

A Polícia Federal solicitou à Fundação Carlos Chagas informações acerca de outros certames que os indivíduos responsáveis por desviar as provas haviam se inscrito. Pediu ainda que a fundação fornecesse os gabaritos de respostas de todos os candidatos destes concursos suspeitos.

Os gabaritos foram então encaminhados à perícia, que constatou que a fraude havia sido consumada em 14 certames e que 47 candidatos haviam participado do crime. O sistema também encontrou indícios de cópia de respostas entre candidatos, comumente conhecida como "cola", em outros 24 certames.

Os candidatos serão indiciados pelo crime de fraudes em certames de interesse público, cuja pena varia de um a quatro anos de reclusão, e pelo crime de
associação criminosa, cuja pena varia de um a três anos de reclusão.

A Fundação Carlos Chagas foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
Carreta com pneus contrabandeados é apreendida em Maracaju
EX-PRESIDENTE
Lula está apaixonado e quer se casar ao sair da prisão, diz ex-ministro
CAPITAL
Carro bate em motociclista, motorista foge, mas deixa placa cair
DOF
Comboio com mercadorias do Paraguai é interceptado em Maracaju
PALMEIRAS
Goleada amplia recorde do Palmeiras no Brasileirão; elenco credita sucesso a Felipão
DIREITOS HUMANOS
Menores vítimas de violência sexual costumam mostrar sinais
Pais e professores devem estar atentos a mudanças de comportamento
RODOVIÁRIA
Mulher é presa em Dourados com maconha que seria entregue no RS
VILA NASSER
Jovem é encontrado morto com sinais de espancamento em Campo Grande
SÉRIE D
Operário vence e respira, Corumbaense perde em casa e ressuscita Iporá
TV
Sandy e Júnior foram concebidos no mesmo dia da semana, diz mãe

Mais Lidas

DOURADOS
Internos do Semiaberto são flagrados com droga e bebida em ônibus que os levava para trabalhar
DOURADOS
Encontro de carros antigos começa hoje e vai até amanhã no Centro de Convenções
DOURADOS
Homem é baleado durante a madrugada na Vila Cachoeirinha
JUTI
Catador de recicláveis é assassinado a pauladas