Menu
Busca Domingo, 17 de Dezembro de 2017
(67) 9860-3221
Corpal - Dezembro 2017
PIRACEMA

Proibição da pesca começa nesta quarta-feira na bacia do rio Paraná

31 Outubro 2017 - 08h47Por Da Redação

A partir desta quarta-feira, dia 1º de novembro, está proibida a pesca esportiva e comercial nos rios Paraná, Paranaíba e Aporé, de domínio da União, na divisa de Mato Grosso do Sul com São Paulo e Paraná. Na bacia do rio Paraguai, que abrange o planalto e a planície (Pantanal), a temporada de pesca cessa à meia-noite de domingo, dia 05 de novembro.

Em ambas as bacias, a proibição segue até 28 de fevereiro, correspondendo ao período de defeso ou piracema (reprodução dos peixes) determinado pelas legislações federal (Ibama) e estadual (Imasul). Na calha do rio Paraguai, é permitido o pesque-solte a partir de 1º de fevereiro, cuja modalidade começa a atrair centenas de pescadores a Corumbá.

Pesca de subsistência

No período de piracema, de acordo com a Polícia Militar Ambiental (PMA), a pesca amadora permanece aberta nos lagos das usinas hidrelétricas instaladas ao longo do rio Paraná, para a captura (10 kg de pescado mais um exemplar) de espécies não nativas e exóticas, ou seja: tucunaré, corvina, bagre africano, tilápia e bagre africano, etc.

O coronel Edmílson Queiróz, responsável pelo setor de relações públicas da PMA, explicou que em relação à pesca nos lagos do Paraná a cota não tem limite para pescadores profissionais, que poderão utilizar apenas molinete e linhadas de mão. O pescador deve respeitar 1500 metros de distância das barragens das usinas.

Em todos os rios do Estado (bacias do Paraguai e do Paraná), no período de defeso, é permitida somente a pesca de subsistência (3 kg ou um exemplar) para o morador ribeirinho. “Pessoas que moram nas cidades ribeirinhas não podem pescar. A pesca de subsistência é para a comunidade tradicional, que depende daquela proteína para sobreviver”, alerta Queiróz.

Cardumes monitorados

A fiscalização da PMA durante a piracema, segundo o relações públicas, concentra-se com equipes fixas nas regiões de cachoeiras e corredeiras, que concentram os cardumes para o processo de reprodução. “Na piracema, realizamos um trabalho diferenciado e de prevenção, que é o monitoramento dos cardumes até o ponto de desova”, explica.

A fiscalização nesse período é menos complexa do que durante a temporada de pesca e, principalmente, nos feriados prolongados, que mobilizam todo o efetivo da corporação, distribuído por 25 unidades. Os meses mais críticos, conforme coronel Queiróz, são setembro e outubro, quando o número de turistas triplica.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PLEITO
Crea/MS divulga resultado parcial da eleição para nova diretoria
FRUSTRADO
Mulher é assaltada quando chegava em casa na Vila Aurora
EXPANSÃO
Novo voo internacional ligará MS a nove países até 40% mais barato
DOURADOS
Após denúncia polícia fecha “Boca da Jéssica” no João Paulo II
POLÍTICA
Tucano que votar contra reforma da Previdência será punido, diz Alckmin
TRÁFICO
Homem é preso com 715 quilos de maconha na MS-276 em Indápolis
TELEVISÃO
Grazi Massafera já pensou em deixar de ser atriz; "não amava o que fazia"
ACORRENTADO
Recuperada caminhonete de homem encontrado no rio Dourados
EDUCAÇÃO
UFGD oferece 36 cursos de graduação pelo sistema do SISU
MESMO CRIME
Dois são condenados em processo envolvendo filho de desembargadora

Mais Lidas

2016
Polícia investiga possível homicídio em queda de avião no MS
HAYEL BON FAKER
Bilhete de pedágio “denuncia” e dupla é presa em Dourados após furto em Rio Brilhante
DOURADOS
Homem é preso após ser flagrado empurrando moto furtada
MANTIDO EM MS TAMBÉM
Governo mantém horário de verão para 2018, mas reduz tempo de duração