Menu
Busca sábado, 21 de abril de 2018
(67) 9860-3221
BANNER CORPAL TOPO SITE
CAMPO GRANDE

MP pede interdição de indústria que barrou agentes ambientais

12 setembro 2017 - 12h50

O Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio do Promotor de Justiça Luiz Antonio Freitas de Almeida, designado para a 34ª Promotoria de Justiça de Campo Grande, requereu judicialmente a interdição de um curtume e graxaria em função de poluição e várias irregularidades ambientais.

A interdição das atividades ou do estabelecimento é uma medida prevista na Lei n. 9.605/98 e pode ser tanto aplicada administrativamente pelo órgão ambiental que licencia a atividade como pelo Poder Judiciário, em caso de pedido feito em alguma ação judicial que demonstre o não cumprimento pela indústria da legislação ambiental.

Em agosto de 2010, o Ministério Público Estadual, representado, na época, pelo Promotor de Justiça Alexandre Lima Raslan, celebrou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a empresa para resolver os vários problemas ambientais encontrados. Como o TAC não foi cumprido, o Ministério Público Estadual ajuizou ação de execução de obrigação de fazer em 2013, para obrigar judicialmente a indústria a honrar os compromissos firmados no título.

De acordo com o processo de execução, há provas de vários ilícitos ambientais, alguns recorrentes, o que mostra que a indústria não tem respeitado o título executivo e as condições estabelecidas pelo órgão ambiental para que possa funcionar.

Ao todo, a empresa foi objeto de cerca de 19 notificações diversas e autos de infração, em função do desrespeito às condições da licença de ambiental. São vários ilícitos ambientais, ressaltando-se os principais: a) poluição do Córrego Imbirussu ao lançar efluentes com parâmetros acima dos permitidos em alguns meses de 2015 e janeiro de 2016, a exemplo do cromo, o qual, segundo estudos juntados, pode ser causa de câncer; b) não comprovação de destinação final ambientalmente adequada dos resíduos industriais perigosos, havendo prova de que esses resíduos perigosos foram levados ao aterro sanitário comum, o que, além de diminuir a vida útil do aterro, fatalmente pode causar a contaminação do solo e de recursos hídricos pelos materiais perigosos à saúde humana ou inflamáveis; c) forte odor fétido, extrapolando os limites da propriedade da indústria e causando incômodo aos moradores da região; d) descarte clandestino de lodo em pastagens de imóveis rurais, sem que o local esteja contemplado no projeto agronômico, com risco de contaminação do solo e de recursos hídricos; e) não apresentação na frequência imposta de boletins de análise de água e outros relatórios de monitoramento.

A pedido do Ministério Público Estadual, a Semadur realizou mais uma vistoria em agosto de 2017, ocasião em que, mais uma vez, flagrou o descarte clandestino do lodo em uma propriedade rural, com mais um auto de infração lavrado. A equipe de fiscalização dirigiu-se para a sede da empresa, no entanto foi impedida pelo proprietário de entrar. Mesmo do lado de fora, a equipe percebeu algumas obras e reformas das quais não tinha o conhecimento, além de indícios de irregularidades.

A interdição nessa indústria ocorreu em duas oportunidades anteriores: na primeira, a própria Secretaria de Meio Ambiente, em 2013, interditou o estabelecimento industrial, mas a indústria conseguiu judicialmente a suspensão da interdição administrativa.

Com os problemas ambientais persistindo, em 2015, a pedido da Promotora de Justiça Camila Augusta Calarge Doreto, o Juiz de Direito Marcelo Ivo de Oliveira determinou a interdição. No entanto, em recurso de agravo de instrumento, o Tribunal de Justiça, em que pese a comprovação do inadimplemento das obrigações do título executivo, entendeu que o fechamento da indústria seria medida muito gravosa naquele momento.

Porém, os problemas continuaram a ocorrer e, diante da persistência dos ilícitos ambientais e da atitude abusiva de impedir a entrada de agentes de fiscalização ambiental, o Ministério Público pediu mais uma vez em Juízo a interdição da indústria nos autos n. 0803658-35.2013.8.12.0001, processo que tramita na 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, bem como requisitou a instauração de inquérito policial, a fim de investigar a prática de eventuais crimes ambientais.

O Promotor de Justiça afirma que o Ministério Público Estadual também estuda efetuar recomendação ao Município de Campo Grande, para orientar em como atuar nesse caso de impedimento à entrada dos agentes de fiscalização, bem como para avaliar eventuais outras sanções cabíveis. O pedido deduzido em Juízo ainda não foi apreciado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRASIL
Mudanças nas regras de financiamento podem aquecer mercado imobiliário
AGENDA
Reinaldo vem a Dourados na segunda para entrega de residencial
QUASE R$ 400 MIL
Pedro Chaves é o que mais usou verbas indenizatórias em MS
BRASILEIRÃO
Cinco jogos completam rodada da Série B neste sábado
RIO BRILHANTE
Homem morre após cair com veículo em rio
PERTO DO FIM
Ponte de concreto para substituir a que caiu em Guia Lopes está 91% concluída
DEUS SALVE O REI
Afonso é capturado pelo exército de Montemor
BRASILEIRÃO
Santos vai à Bahia e Fla recebe mineiros na abertura da rodada
CAMPO GRANDE
Mulher morre ao ser arremessada de caminhonete
DOURADOS
Homem tem moto furtada do pátio da empresa onde trabalha

Mais Lidas

SOLIDARIEDADE
Dourados inaugura a primeira geladeira solidária nesta sexta-feira
ABRIGO
Fazendeiro morto por pistoleiros já hospedou membro do Comando Vermelho
Morador da Rocinha foi preso com documento falso quando vigiava posto da PRF, na BR-463, uma das principais rotas do narcotráfico
POLÍCIA
Mulher é presa com crack do Paraguai na Rodoviária de Dourados
JARDIM GUANABARA
Homem é preso acusado de abusar de criança em Dourados